A cabeça…

Como prometido e depois de milhares de emails, sms e telefonemas anónimos a pedirem para o Cacifo começar a fazer o balanço desta época, inicia-se o tríptico Pés (jogadores), Cabeça (treinador) e Mãos (direcção). Mas, numa decisão completamente aleatória – só comparável às de Ronny quando marca livres -, começa-se pela Cabeça. Tem tudo a ver com o facto de o nosso treinador ter dado uma entrevista na TV, onde explicou (quase) tudo.
Ponto prévio importante. O Paulo Bento é o tipo de gajo que gostava de ter ao lado numa batalha, daquelas em que se dava um tiro e depois tinha de se correr para espetar a baioneta. Gostava de ter o Paulo Bento a correr ao meu lado nesse particular momento de vulnerabilidade. Isto diz tudo o que penso do homem.
Como treinador do Sporting, gosto de ter um gajo que diz “eu sempre estive contra separar as bandeiras da formação e das contratações. Porque as bandeiras têm panos e paus. E quando vão os panos, ficam os paus para bater no treinador”. (tema a desenvolver no capítulo sobre as Mãos).
E gosto de um treinador que é levantado em braços por (quase) todos os jogadores depois de uma época em que muitas das suas decisões foram erradas, prejudicaram equipa e jogadores e acentuaram a sua falta de experiência acumulada. É um sinal de que as decisões foram erradas mas tomadas por alguém que se dá ao respeito).
E gosto de um treinador que responde a tudo. Que diz que não quer o guarda-redes sérvio, o Gladstone (sem o dizer, mas deixando implícito), o Purovic. E que quer o Tiuí (perigoso o recurso à alegoria Lisandro no Porto, por via indirecta), o Izmailov, o Grimi e o Vuk (clara a explicação… continuo a achar que um treinador é tão mais competente, quanto consegue recuperar casos graves de egoísmo, em vez de os mandar fora… O desfecho está em aberto…).
E gosto de um treinador que assume o erro e admite lançar o 4X4X2 clássico, conforme os jogadores que entrem e saiam (aqui, já está a preparar o pessoal para a saída do Miguel Veloso, em sintonia com o Soares Franco. Espero que se consiga evitar a catástrofe leonina mais grave desde a semana fatídica de Peseiro: a saída do capitão).

Dito isto, continuo a achar o mesmo que há dois meses. O Sporting está a sofrer há três anos com a falta de experiência do Paulo Bento, traduzida numa teimosia/incapacidade para emendar a mão a tempo de evitar crises prolongadas e que põem tudo em causa. A aposta tardia em Miguel Veloso e a falta de rasgo na Luz, custaram-nos um título de campeão, no ano passado. A falta de capacidade para transformar a equipa tacticamente perante a ausência de Caneira, Nani e Tello, arrastando alguns jogadores na enxurrada do losango, acabou com a nossa corrida ao título no Inverno.

A má época do Sporting na Liga deve-se – também, mas não só – ao facto de Paulo Bento não estar a melhorar o Sporting, mas sim a melhorar no Sporting. O próximo ano é o mais importante da vida do treinador Paulo Bento. O Sporting está a ganhar coisas, os adeptos celebraram o clube no final de duas épocas seguidas. O desempenho supera claramente o dos anos entre o título do JVP e Jardel e o da saída do Peseiro. Isto é indiscutível. E Paulo Bento tem tido piores recursos que Boloni, Fernando Santos e Peseiro. E alguns deles foram sacados por ele do nada. Mas não chega. O fluxo tem de mudar: o Paulo Bento tem de começar a melhorar o Sporting com os ensinamentos que o Sporting já lhe deu.

Já são seis anos sem o escudo de campeão nas camisolas. Mais um, ainda por cima a jogar tão mal como esta época, e a história do Paulo Bento no Sporting vai ter um fim triste. Se o escudo regressar, dar-me-á um gozo particular celebrá-lo ao lado do gajo da baioneta.

4 thoughts on “A cabeça…

  1. Concordo com o que dizes sobre o carácter, as virtudes e os defeitos do Paulo Bento. E assino por baixo a satisfação pela forma como o homem abordou, sem pruridos, na entrevista desta noite, as opções para o plantel da próxima época. Mas do que realmente gostei foi do facto de o próprio Paulo Bento ter deixado subentendido que a próxima época é decisiva para o seu percurso no Sporting. Uma espécie de “ou vai ou racha”. Ok, o balanço destes dois anos é globalmente positivo, mas falta qualquer coisa – o título. E esse qualquer coisa tem de ser atingido até 2009, que é quando acaba o contrato. Pode ser que a necessidade lhe aguce o engenho, que o obrigue a aprender a tirar uns coelhos da cartola e que o faça libertar-se um puquinho das amarras tácticas a que já nos habituou. Depois de todo este tempo de losango, a ideia do 4x4x2 clássico, por exemplo, parece-me perfeita. Partindo do pressuposto de que o Veloso está vendido, teríamos como base para essa táctica o Vuk na esquerda, Moutinho e Roca em duplo pivot e Izmailov na direita. Como ponto de partida, não me desagrada nada. Veremos… veremos…

  2. Pingback: A receita « O Cacifo do Paulinho

  3. Pingback: Paulo, « O Cacifo do Paulinho

  4. Tive pena por ver o Paulo Bento sair do Sporting.
    Os media são muito maus… não conseguem largar uma pessoa quando não gostam dela. Foi o caso do P. Bento.
    E a prova?
    Saiu o treinador… e desgraça continua.
    Não saem dirigentes, não saem jogadores… é sempre o treinador o sacrificado. :?

    É triste o futebol em Portugal.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s