O Bloco de Notas do Gabriel Alves – Jornada 10

É um estádio bonito, novo… arejado
Sporting – Vit. Guimarães
Domingo, 30 Novembro 2008
Estádio José Alvalade, 20.15

 

Uma humidade relativa, muito superior a 100%
Nada garante que o sol que neste momento pode ver-se, vá aguentar-se ao longo do dia. O mais certo é mesmo uma molha a caminho do estádio e, uma vez mais, termos que jantar quase às onze da noite. Merda mais aos horários dos jogos!


A selecção do Mali tem um futebol com perfume selvagem e com um odor realmente fresco…
O Guimarães da época passada eclipsou-se e deu lugar a uma equipa com sérias dificuldades em ganhar quando joga em casa, e uma atitude estupidamente defensiva quando joga fora. Aliás, o próprio Cajuda disse, ontem, que quer os jogadores sempre atrás da linha da bola… isto promete…


Este homem é um Mister
“Todos os que vieram a seguir a mim, morreram!”. Foi esta a bonita frase utilizada por Manuel Cajuda, na conferência de imprensa que antecipou a visita a Alvalade. Basicamente, e por aquilo que percebi, “o marreco” dirigia-se aos “abutres” que, segundo ele, esperam que o lugar de treinador do Guimarães fique vago. Esta é apenas mais uma frase marcante de um treinador que ou se gosta ou se detesta e que também já disse “se um dia treinar um grande, é para derreter tudo!”. Cajuda, o tocha humana! 


Ele é excelente nestes lances porque a bola está morta e passa a estar viva
Já não é de agora que o futebol de Desmarets se destaca lá para os lados da cidade berço. Culto tacticamente, tem um bom pé esquerdo. Nilson está entre os melhores guarda-redes da nossa Liga, Douglas é um bom avançado (mas está lesionado) e, se não for pedir muito, marquem em condições o Gregory nos lances de bola parada (sim, esse mesmo que já festejou golos em Alvalade, com as cores do Gil Vicente). 


A vantagem de ter duas pernas!
João Alves, claro, esse talento que chegou a vestir as nossas cores e até marcou um dos golos mais patéticos de que tenho memória (e que, se não estou em erro, nos deram três pontos). Entretanto, a defesa do Guimarães vai estar completamente remendada e deverá ser o lateral esquerdo a fazer de central ao lado do Gregory. Há que aproveitar.


E agora entram as danças sevilhanas da Catalunha
Paulo, há lesionados e castigados com fartura, e por tudo isso o mais certo será o Romagnoli jogar, mas… já viste o que tem chovido? O frio que está? Se quando está bom tempo é o que é, assim o homem nem toca na bola! Epah, dá a titularidade ao Cedric na direita da defesa e deixa estar o Pereirinha na direita do meio-campo. Ah, e espero que cumpras o que disseste na conferência de imprensa: “não podemos deixar qualquer dúvida que somos melhores”.


Vamos jogar no Totobola
Sporting – Vit. Guimarães  1

Reforço de Inverno?

Segundo a Rádio Renascença,  Vukcevic “tomou a iniciativa de pedir desculpa pelas sucessivas faltas de profissionalismo, entretanto denunciadas pelo treinador, Paulo Bento. Vukcevic e o seu empresário decidiram avançar para esta solução, porque o Sporting nunca mostrou abertura para permitir a sua saída no mercado do Inverno, isto para além do facto de não jogar com regularidade, ter afastado os clubes que em dado momento perguntaram sobre a possibilidade de o contratar. Vukcevic solicitou um encontro com os responsáveis da SAD, porque quer chegar a entendimento com Paulo Bento, de forma a voltar a treinar com o plantel, o que não acontece há já quase duas semanas”.

Em declarações à RR, o empresário de Vuk, Zoran Stojadinovic, afirmou que “é uma boa notícia para pôr ponto final numa situação que não convém a ninguém. É muito importante para a tranquilidade do clube e de todos. Vukcevic disse-me que quer acabar com a actual situação e que não tem problemas em sentar-se à mesa com os responsáveis do clube para resolver o problema. E a partir dai começar do zero. Vamos ver se as coisas se resolvem e depois ver se joga bem ou não. Isso já é um problema dele. Creio que Vukcevic é um jogador importante e demonstrou isso mesmo na temporada passada. É um jogador com qualidade, pode ajudar a equipa e é uma pena estarmos neste impasse”.

Concordo plenamente. É uma pena.

“UM GRANDE APLAUSO PARA OS JOGADORES DO SPORTING”

Sporting – 2 (Veloso a Liedson); Barcelona – 5 (Henry, Polga, Messi, Caneira, Bojan)

Nível de endorfinas: Nulo. Já tinha sido provado noutros bailaricos com a nata da Europa que o Sporting joga futebolinho. Um défice de competitividade que faz os jogadores bloquearem, em choque, quando respiram a mesma relva dos praticantes de futebol a sério. É normal, é humano. Um gajo quando vai na auto-estrada na faixa da direita e vê, no retrovisor, um Ferrari a encostar-se na nossa traseira mais rápido que o tempo que demora a fazer pisca, percebe que há vários níveis de qualidade na vida. Há carros bons e carros razoáveis. E depois, há carros muito, muito bons. Este Barça é um Ferrari. E jogadores como o Messi ou o Xavi são Ferraris. Quando metem um passe, de primeira, na única trajectória possível entre os pés do adversário, quando seguram a bola, colada ao pé, apesar da pressão, quando driblam os pés mais gulosos. E depois, o Guardiola vai a caminho de ser um Ferrari. Por muito que os jogadores do Sporting corram atrás da bola, há sempre uma ou duas linhas de passe. E os jogadores do Barça estão quietos… estão é sempre no sítio certo no momento certo. Isso é táctica, não é feijões numa folha A4.

Bom, o futebolinho ajuda a explicar a pobreza leonina. Mas não explica a goleada. A goleada explica-se pela incapacidade mental de superar os medos. É a diferença entre ver o Ferrari e acabar na berma com a sensação de pânico, numa auto-estrada cheia de carros por todos os lados. Ou ver o Ferrari, segurar o carro numa velocidade elevada, aguentar a pressão dos nervos e, quando for seguro, sair da frente e passar para a faixa do meio, a uma velocidade mais de acordo com a cilindrada do nosso veículo. Os jogadores do Sporting entram em pânico quando percebem que jogam futebolinho. E bloqueiam. Sem atitude, sem garra, sem orgulho.

A culpa não é só deles. É do treinador e dos passadores-de-cheques. Em aparente sintonia. Este jogo é para desfrutar? Já estamos qualificados com o orçamento cumprido? Então vamos meter mais alguns putos na montra, para ver se ainda metemos algumas comissões ao bolso antes de irmos embora… Eles que se divirtam. Pois, humilhação europeia, danificando mais o moral da malta e, mais importante, danificando a imagem do clube na Europa. No mundo. (Somos mais uns na caminhada do Messi para a lenda). E deixa-se no banco os únicos dois jogadores do plantel que souberam, na Era Mourinho, como se trava um Ferrari na auto-estrada sem acabar na berma.  

Tudo isto acontece porque o Sporting vive na Era da Impunidade. Diz o speaker, com os cabeçudos a caminho das escadas, “um grande aplauso para os jogadores do Sporting!”. Ahn?!? Está tudo louco? Não, não se aplaude uma equipa sem atitude, com medo, sem nervo. Durante o jogo, ajuda-se ou, pelo menos, não se piora as coisas. Mas no fim de um jogo destes, não se aplaude. Porque isso é dar a entender que está tudo bem, que daqui a uns jogos já ninguém se lembra e já estamos preocupados com o sr. Paixão, e o Sr. Xistra. Pois…

Momento-chave: Eu até podia escolher o auto-golo do Caneira, que matou a legítima crença do estádio, numa golfada ao estilo Lampiões-encavados-em-meia-hora. Mas o momento-chave foi a palestra do Paulo Bento no balneário, antes do jogo. Se não se explica aos jogadores que este jogo é mais importante para o clube do que para aquele grupo de jogadores, não se está a fazer o trabalho como deve ser.

Prémio Gladstone: Tantos e tão bons. O facto de todos os cinco golos terem resultado de erros próprios quer dizer que o Sporting será o Gladstone do conjunto das 16 melhores equipas da Europa?

Prémio El Dieguito: A finta curta de Messi na falta que deu origem ao livre do Xavi ao barrote. Este é real. Este é mesmo o sucessor. Que tenha saúde. E obrigado por teres vindo a Alvalade.

Prémio Zé Piqueno: Ninja continuará residente deste segmento enquanto continuar a empurrar adversários numa qualquer discussão de merda em plena goleada.

Visão Zeman: losango lento, losango morto. Ponto final. Na segunda parte, uma espécie de losango marreco, a coxear toscamente para um 4-4-2. Veloso e Moutinho no meio, com o Moutinho um pouco à frente e à direita. Djaló na esquerda mas numa linha mais à frente da de Moutinho. E Pereira na direita, perdido. Um desequilíbrio total mas muito mais fácil de meter a bola a rolar e os jogadores a correr que o maldito losango.

Uma palavra para Moutinho. Foi o único jogador do Sporting que jogou num nível já perto do futebol a sério dos outros. Passes seguros, a dois toques, controlo sem deixar fugir, bola no pé sob pressão e até dribles entre dois adversários. O resto dos artistas – até mesmo o Liedson, coitado, que dá tudo – parecia que estavam a jogar descalços…

Outra palavra para Romagnoli: medo (nosso e dele).

Vivó Sporting… até morrer!: Nós também somos culpados. O grau de ansiedade de jogadores de futebolinho aumenta com o volume dos assobios, que produz uma sensação de vergonha em qualquer ser humano. Já o apoio incondicional dá um nível de conforto que permite correr o risco, sem medo de errar. Aos cinco minutos já havia gente a insultar jogadores do próprio clube. Enfim, a burguesização do futebol dá nisto… Por outro lado, o facto de o Anorthosis ter mais gente no estádio contra a Roma que o Sporting contra o Barcelona não se explica só pela crise económica e bentiana.

Dito isto, momento bonito em que Figo foi utilizado como arma de arremesso contra a malta culé. Um “pesetero”, mas um grande “pesetero”!

O Bloco de Notas do Gabriel Alves – Champions League, Jornada 5

É um estádio bonito, novo… arejado
Sporting – Barcelona
Quarta, 26 Novembro 2008
Estádio José Alvalade, 19.45

 

Uma humidade relativa, muito superior a 100%
Casaco quente e cachecol, para assistir a um jogo que tem tudo para poder recuperar as saudosas quartas-feiras europeias.


A selecção do Mali tem um futebol com perfume selvagem e com um odor realmente fresco…
O Barça começou mal o campeonato, mas depois de termos ido à Catalunha fazer papel de turistas e encaixar três batatinhas, arrancou para goleadas atrás de goleadas e, apesar de ter empatado em casa com o Getafe na última jornada, lidera a Liga espanhola. Messi, Samuel Eto’o e Henry vão pisar o relvado de Alvalade, e isso dispensa grandes comentários.


Este homem é um Mister
Pep Guardiola conseguiu calar as críticas resultantes do mau início de época e pôr o Barça a praticar um futebol de ataque sem que isso signifique sofrer muitos golos. Impossível pedir mais para a estreia, mesmo tendo em conta as estrelas à disposição. 


Ele é excelente nestes lances porque a bola está morta e passa a estar viva
Em duas mãos cheias de craques, o destaque tem mesmo que ir para Messy, o “quarto melhor jogador do mundo”. 


A vantagem de ter duas pernas!
Encontrar jogadores fracos na equipa catalã é tarefa complicada, mas não será errado afirmar que a ausência de Puyol deixa enfraquecida a defesa do Barça e a própria equipa, pois falamos de um líder e de um verdadeiro “catalizador de atitude”. O lateral Sylvinho gosta de mais de atacar do que de defender, portanto pode ser um ponto a explorar.


E agora entram as danças sevilhanas da Catalunha
Paulo, depois da demonstração de atitude na Figueira da Foz este jogo é como uma recompensa para os putos. Penso que é isto que tens que dizer-lhes: é um jogo para entrarem para a história, tendo o prazer de defrontar uma equipa como o Barcelona. As bancadas vão estar compostas, o apoio não vai faltar e, pese a onda de lesões, todos esperamos uma noite à Sporting! 


Vamos jogar no Totobola
Sporting – Barça  1 X

Desculpa lá, Rui

Faz hoje precisamente um ano que te estreaste como titular. Nessa altura já tinhas defendido um penalti, naquele célebre jogo nos Barreiros, contra o Marítimo, onde entraste a substituir um lesionado Ricardo. Nessa altura, para mim e para milhares de Sportinguistas, tu podias representar algo há muito desejado: ter um guarda-redes formado em Alvalade a defender as nossas cores e como titular da selecção nacional.

O tempo foi passando e sobre ti surgiram dúvidas, muitas dúvidas, alimentadas pelos constantes tremeliques durante os jogos, pelos golos (mal) sofridos, pela presença de um fantasma chamado Stojkovic, um guarda-redes com maior maturidade e exibições que faziam dele o natural titular. Eu fui um dos que te criticou e questionou várias vezes o porquê de continuares a ser titular. No fundo, não fazia sentido ter um guarda-redes que em vez de nos valer pontos fazia com que os perdêssemos.

Este ano voltaste a começar a época a titular, defendeste um penalti contra o FCporto, para a Supertaça, mas os jogos que se seguiram continuaram a mostrar um guarda-redes inseguro, incapaz de transmitir confiança a adeptos e colegas de equipa. Até que… até que, sem explicação aparente, aproveitaste a viagem à Ucrânia para fazeres uma exibição segura, confiante e personalizada, com claro peso na vitória final. Seguiu-se outro bom jogo em Paços de Ferreira, em Vila do Conde, uma fotografia menos bonita contra o Leixões e uma grande exibição contra a Naval.

De um momento para o outro já não tremes nem fazes cara de puto assustado. Já não bates constantemente com as palmas das mãos nas pernas e repetes “foda-se…”, enquanto abanas a cabeça. Agora sais aos cruzamentos e seguras todas as bolas, terminado esse movimento de cabeça levantada, estilo altivo, quase em bicos dos pés como fazia o saudoso e elegante Vítor Damas. Revelas uma surpreendente frieza que, como já aqui disse o Douglas, te faz parecer um guarda-redes italiano. Uma personalidade e confiança que, a manterem-se e como escreveu o mesmo Douglas há dois dias, te levarão a ser o número um da nossa selecção.

Da minha parte, deixo-te um pedido de desculpas pela impaciência com que encarei as dores do teu crescimento e aquilo que considerava teimosia do Paulo Bento. E quero dar-te os parabéns pelo teu primeiro ano como titular da nossa baliza. Se continuares assim, espero que por lá fiques muitos e bons anos!

REGRESSO AO FUTURO

Liedson e Alcochete -1, Naval – 0

Nível de endorfinas: Fraco. “Ganhámos mas não encantámos”, o regresso. E, desta vez, sofremos. Um verbo com que as equipas de Paulo Bento, quando encostadas à parede, se dão bem. Oxigenando, assim, a carreira do seu líder. Um sobrevivente. Como o Sporting no jogo de ontem. Sobreviveu a tudo. Uma entrada péssima, um lado esquerdo da defesa esburacado, uma incapacidade genética de matar os jogos, uma penalty, uma expulsão estúpida, outra expulsão estúpida, uma lesão, um banco de “grandes figuras”, uma imaturidade normal dos “putos”. Mas sobreviveu porque do outro lado estava uma equipa fraca, unidimensional, só sabe ser coelho, nunca raposa. E sobreviveu à própria incapacidade de jogar à bola. De largar o travão de mão, de fazer mais vezes o que Derlei e Liedson fizeram no golo, Liedson e Moutinho fizeram em duas oportunidades falhadas pelo levezinho, o Izmailov fez uma só vez: arriscar, sair do guião, acelerar, pensar rápido. Em vez disso, foi sempre para trás, para o lado até ao chutão para a frente. Enfim, um regresso ao passado que, pelas evidências, será um regresso ao futuro deste Sporting 2008/2009. Servirá para ganhar o título? Só se o Sporting conseguir fazer mais algumas vezes a primeira parte contra o Porto. E nos jogos certos.

Momento-chave: Penalty defendido pelo Rui. Ah, Rui, estás a encher a baliza, rapaz! Quando deixares de ter pequenas falhas como contra o Leixões, serás o titular da selecção nacional, a cagar.

Prémio Gladstone: Ouro: Derlei… é preciso alguém ter uma conversa a sério com o ninja. Porque ele é demasiado importante no futebol da equipa para se dar ao luxo de ser um idiota de merda. Mas haverá alguém no clube para ter essa conversa? Prata: Caneira… a falta do segundo amarelo e o penalty provam que um líder também pode ser burro.

Prémio El Dieguito: Drible bicicleta de Liedson, a trazer à memória esse Figo de que tantas saudades tenho. E controlo de bola e remate, no fim do jogo, para canto. Delicioso e só possível para alguém cujo azar na carreira foi a maior sorte do Sporting nos últimos anos.

Prémio Zé Piqueno: Derlei, que lidera esta categoria com vantagem.

Visão Zeman: Um paradoxo. Uma negação do losango, com o dínamo necessário a ser um jogador que tem dificuldades em controlar a bola. Postiga só rende mais ali que o Djaló porque pressiona a saída do adversário. Resultado: Nulidade futebolística excepto nas subidas de Abel. Ainda assim, dada a fragilidade do adversário, o losango de pedra deu quatro bolas de golo: em contra-ataque, em rendilhado pela direita, após recuperação de bola na sequência de um canto a favor e com um chutão. Uma heterogeneidade com um jogador sempre presente: Liedson. Sem ele, o Paulo Bento já estava na rua. Sem ele, o Paulo Bento pode não chegar ao fim da época. Com ele, pode ser campeão (proponho que as quotas sejam pagas directamente aos jogadores. A minha vai toda para o salário do levezinho).

A defender, o lado esquerdo mostrou que Caneira é um central… E, a sofrer, o único gozo foi a organização posicional da equipa.

Vivó Sporting… até morrer!: a Academia de Alcochete da última meia-hora. É isto (sete jogadores a darem de volta aquilo que receberam desde que são gente) que eu quero da aposta na formação. Não são os milhões.