O Bloco de Notas do Gabriel Alves – Jornada 20

É um estádio bonito, novo… arejado

FCP – Sporting

Sábado, 28 Fevereiro 2009
Estádio do Dragão, 20.30

 

Uma humidade relativa, muito superior a 100%

Devem estar cerca de dez graus à hora do jogo. Óptimo para quem está no relvado, desconfortável para quem vai estar nas bancadas daquele estádio onde entra vento por todo o lado.

 

A selecção do Mali tem um futebol com perfume selvagem e com um odor realmente fresco…

O fcp é uma máquina bem oleada mas, como qualquer máquina, é o cabo dos trabalhos quando emperra. Curiosamente, costuma emperrar mais vezes em casa do que fora. Esperemos que volte a acontecer amanhã.

 

Este homem é um Mister

Jesualdo Ferreira.Safa-se quando faz o básico, ou seja, colocar os jogadores nos seus lugares. Espalha-se ao comprido quando tenta inovar o que quer que seja. Aproveito para falar do adjunto, um tal de José Gomes, uma das pessoas a quem teria todo o gosto em cuspir na tromba.

 

Ele é excelente nestes lances porque a bola está morta e passa a estar viva

Eu gostava que alguém me explicasse como é que o fcp conseguiu ir buscar o Hulk ao país onde nós fomos buscar o Mota? Ainda por cima com nome de um super-herói verde (e um dos meus preferidos)! Foda-se…

 

A vantagem de ter duas pernas!

É uma pena Sapunaru não jogar, não é? Praticamente garantia um penalti contra o porto. A verdade é que, acredite-se ou não, o fcp consegue ter defesas-laterais piores que os nossos e é precisamente isso que temos que tentar explorar. Infelizmente, o nosso super-herói, o Incrível Vuk, vai ficar em casa. Com gripe. Alguém acredita nesta merda?

 

E agora entram as danças sevilhanas da Catalunha

Paulo, fiquei chocado quando te ouvi dizer, na conferência de imprensa de há pouco, que soubeste pelos jornais que não podias contar com o Veloso. Tu que disseste que não gostas de bufos, vê se descobres quem é este.

Adiante. Fiquei ainda mais chocado quando soube que o Vuk não ia jogar, por estar com gripe. Com gripe, foda-se!?! Sabes, eu não acredito. Oue melhor, espero que seja verdade, e que a minha teoria de que deve ter-se passado alguma merda seja apenas isso mesmo, uma teoria da conspiração. Ainda assim… será que a gripe é assim tão forte que impeça o nosso 10 de sentar-se no banco? E pensar eu que, por uns míseros contos de reis que ganhava, cheguei a jogar constipado, lesionado, infiltrado…

Agora… a fé! Paulo, costumam dizer que um leão ferido é ainda mais perigoso. Nós estamos feridos, com uma tala numa das patas e com… gripe. Ainda assim, acredito que vamos rugir no Dragão. É o palco ideal para embalarmos para o resto da época e para esquecer a chapada de quarta-feira. Ou, como diria o cabrão do Mourinho, “alguém vai ter que pagar!” 

 

Vamos jogar no Totobola

FCP – Sporting  X 2

Anúncios

A gestão do plantel

Depois da mais atribulada parte do pesadelo que se revelou a noite de ontem, já a caminho de casa e enquanto escutava conferências de imprensa e análises ao jogo, fiquei a saber que a visita ao Porto é no Sábado e não no Domingo, como eu pensava e como, digo eu, faria todo o sentido.

A partir desse momento, mais do que tentar entender as razões que levam um treinador a querer rodar o plantel na altura do ano em que os indíces físicos estão mais em alta, a pedir à direcção para renovar com o Romagnoli ou a colocar o Caneira a defesa-lateral, entre outras ideias que na minha cabeça não cabem, o meu objectivo foi tentar descobrir os motivos que levaram a termos que jogar no sábado.

16 horas depois, eis que encontro a resposta: o jogo foi antecipado para sábado, porque o Porto tinha agendado o jogo da meia final da Taça, para quarta. Mais curioso ainda, é constatar que esse dito jogo tão importante, foi entretanto adiado para dia 22 de Março.

Portanto, nesta estranha gestão de plantel, o responsável máximo pelo meu clube, confirmando o ar de cabeludo de Torres com que nos brinda sempre que aparece em público, cagou completamente na sua equipa técnica e nos seus jogadores, no facto de ter menos 24 horas de descanso, e acedeu a fazer mais um bobó ao maior corrupto do futebol português.

E assim vai sendo gerido o  meu Sporting. Uns, querem ficar com o Romagnoli. Os outros, que perebem tanto de futebol como eu de golfe, como que lhe dizem “ai quere-lo? Então tens que jogar com ele!”

RATINHOS NA EUROPA…

O que se passou em Alvalade não tem, infelizmente, nada de novo. Até tivemos ensaios e tudo, como em Madrid, Barcelona e Alvalade

Mas desta noite, já só me interessa uma coisa:

“Em termos anímicos pode deixar alguma mossa, mas essa mossa não pode passar de amanhã. Se apontarmos o dedo uns aos outros teremos mais dificuldades no Dragão. Se identificarmos os erros daremos uma resposta positiva. É nestes momentos que se vê o carácter e a personalidade. Vamos ter um teste a isso mesmo. Mais do que a qualidade que queremos apresentar, vamos ter um teste ao nosso carácter e à nossa personalidade. Vamos ver quem se esconde e quem dá a cara. Acredito que todos vão estar disponíveis. Eu vou estar, serei o primeiro, e acredito que os outros 24 vêm atrás”, Paulo Bento.

Espero sinceramente que sim. Espero sinceramente que o que se passou hoje volte a encostar todos, outra vez, à parede. E espero sinceramente que voltem a reagir. Porque, com a quantidade de disparates que treinador e jogadores fizeram esta noite – na exacta proporção inversa do que fizeram no derby -, só há um resultado possível para todos os jogos até ao final da época. E se o Paulo Bento conseguir convencer os jogadores disso, então a passagem dos buldozers por Lisboa será apenas uma noite má, para esquecer num ano globalmente memorável. Se não o fizer, esta vergonha passará imediatamente a ser o símbolo da era Paulo Bento no Sporting. Se isto não é pressão, não sei o que é…

O Bloco de Notas do Gabriel Alves – Champions League, oitavos-de-final (1ª mão)

É um estádio bonito, novo… arejado

Sporting – Bayern Munique

Quarta, 25 Fevereiro 2009
Estádio José Alvalade, 19.45

 

Uma humidade relativa, muito superior a 100%

Tempo perfeito para a prática de futebol, mesmo a pedir a camisola às riscas verdes e brancas. Com casaco e cachecol, claro.

 

A selecção do Mali tem um futebol com perfume selvagem e com um odor realmente fresco…

Em minha opinião, o Bayern era uma das três piores equipas que podiam ter-nos calhado no sorteio. Fisicamente são umas verdadeiras bestas e à força aliam jogadores de elevada qualidade, principalmente do meio campo para a frente. Jogam no claro 4-4-2, ou seja, tudo aponta para o jogo tenso, com as duas equipas encaixadas e as individualidades a resolverem.

 

Este homem é um Mister

Jürgen Klinsman foi um dos melhores avançados que vi jogar, o que não significa que alguma vez tivesse simpatizado com ele, mesmo tendo em conta que espetou quatro babatas aos lampiões num só jogo. Enquanto treinador, confirmou o ar arrogante que tinha como jogador e parece ter-se inspirado nas memórias dos anos passados no Inter: tal como aconteceu na selecção alemã, o Bayern é cínico, pressionante e sempre pronto a aproveitar o contra-golpe e os lances de bola parada.

 

Ele é excelente nestes lances porque a bola está morta e passa a estar viva

Não faltam craques no Bayern, mas eu destaco o avançado Toni. Depois também há o cabrão do Klose, o Ribéry, o porco do Schweinsteiger, o experiente Zé Roberto e, nada defesa, Lúcio e Lahm.

 

A vantagem de ter duas pernas!

Desde a saída de Oliver Kahn, o Bayern vive uma crise de guarda-redes. Rensing, Butt (sim, esse mesmo) e Kraft não chegam aos calcanhares do gigante Kahn, nem em qualidades técnicas nem em capacidade de liderança. Na defesa, se forem bem apertados, Oddo e Demichelis vacilam bastante. Ah, e no meio campo, Van Bommel é gajo para perder facilmente a cabeça e ser expulso. Há que aproveitar.

 

E agora entram as danças sevilhanas da Catalunha

Paulo, depois da vitória de sábado, frente ao Benfica, ganhaste alguns jogadores e ganhaste o público. Frente aos alemães, ninguém te exige novo banho de bola, mas sim a mesma atitude da segunda parte frente aos lampiões. Temos que cerrar fileiras, não deixando muito espaço entre a defesa e o meio-campo, pois já se sabe que o Luca Toni aguenta a bola até a cavalaria subir em peso, embalada de trás. E temos que jogar bola no chão.

É verdade que o Carnaval já passou mas, conforme se tem visto no campeonato alemão, estes gigantones bávaros estão ao nosso alcance, ainda para mais sem o Olegário a inventar livres atrás de livres, perto da área. 

 

Vamos jogar no Totobola

Sporting – Bayern Munique 1 X 2

Maricas

 “Ich denke, dass das Sportliche sehr gute Spieler hat, wird es gesehen, dass sie eine Mannschaft ist, die sehr ganz gebildet wird und es im eindrucksvollen Spiel vor dem Benfica gesehen wurde, dass das Sportliche großen Wert hat”,

Klinsmann, na conferência de imprensa de antevisão do jogo.

Lembram-se das quartas-feiras europeias?

Não sei como foi convosco, mas eu cresci a ouvir falar das quartas-feiras europeias.
A ler a Bola em formato “faça o favor de não levar esta merda para a praia a não ser que deseje ficar com o jornal reduzido a metade ou ter que dobrá-lo em quatro com todas as forças que tiver para poder ler o que quer que seja” e a saudosa Gazeta, com colunas intermináveis de resultados, muitos deles entre equipas que já eram de leste antes de eu acreditar realmente que existiam boas equipas de leste.
E, claro, a desejar assistir a um jogo desses no nosso Estádio.

Entretanto cresci e a minha memória guarda bonitas quartas-feiras europeias (que também podem ser terças ou quintas, porque isto de ser moderno faz com que qualquer dia da semana que não segunda ou sexta possa ser noite europeia).

Os surpreendentes 4-2 ao Ajax.
O histerismo que acompanhou a entrada do Maradona em Alvalade.
Os falhanços monumentais do Oceano, contra o Inter.
O inesquecível banho de bola ao Real Madrid.
O golão do Niculae ao Ac Milan.
A reviravolta contra o Celtic.
As quatro batatas ao Newcastle.
(num outro nível, os 7-0 ao Timisoara, num jogo onde até o Bozinowski marcou).

Em todos esses jogos, à excepção da recepção ao Newcastle, Alvalade engalanou-se ou, se preferirem, encheu-se de leões prontos a apoiar a sua equipa do princípio ao fim.

No passado sábado, matei saudades desse “estádio de espírito”.
Agora, quero matar saudades das quartas-feiras europeias!