Os intercomunicadores

“Tou, ó Cardinal, não consigo ouvir-te pá!”
“Não é penalty! Não é penalty!”
“Quê? Penalty? Pois é! Por isso é que marquei”
“Não! Não é! A bola bateu no peito!”
“Tás maluco! Foi mão e aquele gajo vai pá rua!”
“Chega cá, caralho! Eu vi! Não é penalty!”
(…)
“Diz lá, Cardinal, tu viste?”
“Vi, a bola vai ao peito, não é penalty. E tu viste?”

Respostas possíveis:
a- “não vi, mas a cara do Di Maria diz tudo, é penalty”
b- “não vi, mas isto é muito importante que acabe empatado, assim a Liga não me chateia”
c- “não vi, mas o Benfica está à rasca e tem de ganhar alguma coisa este ano, se não a Liga não me deixa em paz e o Filipe Vieira vai lá a casa”
d- “não vi, mas o administrador lá do prédio fode-me o juízo se o Benfica perde isto”
e- “não vi, mas estes gajos do Sporting irritam-me, sempre a chorar com a arbitragem”
f- “vi, tal como estou agora a ver aquele porco, ali em cima, a voar… esta merda do LSD ainda funciona”
g- “não vi, mas eles têm o meu filho”
h- “não vi, mas já expulsei o tipo, o gajo deu-me uma peitada, se agora voltar atrás vou parecer fraco”
i- “não vi, mas gostava de ter visto… Benfica, Benfica, Benfica!”

Independentemente das razões pelas quais este homem decidiu marcar algo que não viu e em que foi diligentemente auxiliado pelas pessoas que lá tem para fazerem precisamente isso, auxiliar, a verdade é que o Sporting foi roubado… com todas as letras… podemos preocupar-nos com o facto de não termos jogado nada de jeito, apenas melhor que eles, de não termos conseguido matar o jogo, de termos feito faltas estúpidas consecutivas antes do penalty, como eles queriam, de continuarmos de relações óptimas com a patética gente que dirige aquele clube (e que lança suspeitas miseráveis de doping, ao melhor estilo iniciados A do Buraca Sport Clube), de continuarmos sem treinar penaltys a sério, podemos preocupar-nos com isso tudo, mas isso já o fazemos normalmente.

Na competição mais merdosa da história do futebol português (até os campeonatos de Lisboa eram mais interessantes), fomos roubados… e, parece impossível, mas estamos todos outra vez com a equipa… se isto não chega para ganharmos todos os jogos até final e talvez até sermos campeões, não sei o que é preciso.

A sério!?!?!

Uma parte dos “dois meses e meio” de salários em atraso no plantel do Leixões vai ser regularizada a partir de sábado, anunciou à Agência Lusa o director geral, Vítor Oliveira. O dirigente recusou-se a adiantar qual vai ser a parte dos vencimentos em dívida a ser paga, admitindo apenas que não será a sua totalidade. “Entrou dinheiro, vamos pagar o que pudermos”, limitou-se a comentar.

“Entrou dinheiro”… curioso… e ninguém perguntou como é que entrou dinheiro, quando simplesmente não há dinheiro em lado nenhum? Quase duas semanas depois de uma exibição vergonhosa contra o FC Porto, futura casa do seu guarda-redes, e duas semanas antes da visita do Sporting, concorrente directo do FC Porto, futura casa do seu guarda-redes…

“Entrou dinheiro”… ao menos podiam ter sido um pouco mais discretos… e evitar um patético desmentido por fontes oficiais sobre algo soprado pelas mesmas fontes, só que na versão anónima.

 

 

O Bloco de Notas do Gabriel Alves – Final da Taça da Liga (aka Carlsberg Cup)

É um estádio bonito, novo… arejado

Sporting – Benfica

Sábado, 21 Março 2009
Estádio do Algarve, 19.45

 

Uma humidade relativa, muito superior a 100%

O pessoal vai até ao Algarve a pensar que aproveita para dar um mergulho e depois os amigos do Zé Manel da Costa Teso dizem que podem cair uns chuviscos. O que é porreiro, pois das duas últimas vezes que demos um banho de bola aos lampiões, tinha chovido.

 

A selecção do Mali tem um futebol com perfume selvagem e com um odor realmente fresco…

Muito sinceramente, se o Sporting joga pouco, o Benfica não joga nada. De quando em vez as coisas até saem bem, mas sem os lances de bola parada são uma equipa sem ideias. E na cabeça destes meninos deve estar bem fresco o “bailarico” que levaram em Alvalade. Tenhamos nós a mesma atitude!

 

Este homem é um Mister

O sr. Quique Flores tem sorte de ser um tipo simpático, afável para com a imprensa. Eu diria antes, tem sorte da nossa imprensa adorar vermelho. É um mau treinador? Não, não é. Mas também não é o “estudioso na linha de Mourinho” que venderam aos patéticos lampiões. E, só para dar um exemplo, tirar o Cardozo para meter o Nuno Gomes, quando estava a perder em casa com o Guimarães é de génio, não é?

 

Ele é excelente nestes lances porque a bola está morta e passa a estar viva

Katsouranis e Yebda formam uma dupla muito forte no meio campo, principalmente em termos atléticos, mas continuo a insistir que nenhum deles é um criador de jogo. Para mim, Cardozo é o melhor jogador do Benfica e aquele que nos pode dar mais problemas. Se o Quique não preferir o Suazo ao pé coxinho, claro.

 

A vantagem de ter duas pernas!

Não percebo como é que alguém pode achar que o Di Maria é um craque em potência. Não percebo como é que alguém tem a distinta lata de dizer que David Luiz tem parecenças com o Maldini. E não percebo como é que o Luisão pode ir à selecção do Brasil.

 

E agora entram as danças sevilhanas da Catalunha

Paulo, em minha opinião, somos superiores ao Benfica e, se não fosse a forma patética como mandaste a equipa apresentar-se na Luz, duvido que tivessemos perdido esse jogo. No fundo, o que te peço é que repitas a receita da segunda parte de Alvalade (mas com o Derlei de início), até porque, mentalmente, será muito difícil aos lampiões reagir a um golo nosso . Infelizmente não temos o Izmailov, mas não será por isso que terás desculpa se não abordares este jogo da única forma possível: para ganhar!

 

Vamos jogar no Totobola

Sporting – Benfica  1

O espírito

Izmailov, Polga, Caneira, Rochemback.
Todos eles sofrendo de problemas físicos. Todos eles fazendo um esforço para tentar terminar a época da melhor forma possível. Todos eles dando seguimento ao espírito de sacrifício que outros, como Liedson, Moutinho, Vuk ou Derlei, já demonstraram.

Eu, quando era puto e sonhava ser jogador do Sporting, nem que fosse à baliza defendendo penaltis como o Schumacher (mas sem o bigode) ou sorrindo depois de sacar uma bola como o Jean-Marie Pfaff (mas sem os caracolinhos), só não jogava à bola se tivesse um pé partido.

Seria precisamente esse espírito que teria, caso vestisse a verde-e-branca, por isso, tal como critico quando julgo que devo fazê-lo, não posso deixar de aplaudir quando vejo alguém do meu clube perceber que, no futebol, há dores bem piores do que as provocadas pelas lesões.

Valores mais altos se levantam

É verdade que eu não gosto do Soares Franco.
Diria mesmo. É verdade que eu não suporto o Soares Franco.
É verdade que eu estou cansado do Paulo Bento.
Ou, se preferirem, é verdade que estou cansado do futebol à moda do Paulo Bento.
É verdade que o Enxovalho de Berlim ainda magoa.
É verdade que a cena das faixas, em Alvalade, me envergonha, ainda para mais sendo eu um gajo de esquerda, mas de esquerda a sério, com tudo o que isso possa ter de utópico.
E, como gajo de esquerda a sério, é verdade que me dá vontade de desatar à bastonada quando vejo um monte de merda de extrema direita, um arruaceiro que vive à conta das quotas que eu pago mensalmente, um imbecil que lidera a mais antiga claque do Sporting, achar-se no direito de opinar sobre a gestão do clube e do plantel.

É igualmente verdade, que eu sou do Sporting desde que me conheço. Ainda antes de escolher qual o sabor de gelado que mais gosto. De apalpar a primeira colega da primária. E pouco tempo depois de ter fugido do infantário.
Por isso, e porque estamos em semana de dérbi, tenho que esquecer aquilo de que não gosto.
E vestir a camisola verde e branca sem reservas.

festejo-grupo

Alguém tem licença de porte de arma?

… assim como assim, os adeptos já são detidos em Alvalade por muito menos…

Adepto iraquiano mata jogador adversário que poderia empatar jogo

Um adepto iraquiano matou domingo a tiro um futebolista da equipa adversária, numa altura em que este estava isolado frente ao guarda-redes e tinha a possibilidade de marcar um golo que empataria o desafio.

Muthanna Khalid, responsável da polícia iraquiana, revelou que quando um jogador da equipa amadora de Buhairat estava isolado frente ao guarda-redes, durante um jogo de amadores em Hillah, um adepto da equipa de Sinjar atingiu-o com um tiro na cabeça, quando faltava um minuto para o jogo terminar.

A fonte policial indicou que o espectador foi detido.

Fonte: Lusa, via O Jogo Online.

O GUROSAN DA LUZ

Sporting-2 (Moutinho, Rochemaback), A equipa do Gaspar – 0

Nível de endorfinas: Anestesiado. Literalmente. O melhor deste Sporting é existir o Benfica. Não há crise leonina que os patéticos lampiões (que estão num buraco de incompetência, oportunismo e pequenez maior que o nosso, mas continuam cegos pela boçalidade patética de uma ilusão nostálgica) não atenuem com os seus consecutivos ridículos. Amorteceram a raiva nas bancadas, deram um estímulo abstracto aos jogadores (ainda assim, não me lembro de ver uma equipa começar o jogo com tal sensação de pânico… o Rio-Ave teve uma série de cantos sucessivos nos primeiros cinco minutos).

E perante uma fraquíssima equipa, bastou uma pouca competência para ganhar pelos habituais 2-0. Perante uma soberana oportunidade para começar a cicatrizar a ferida ainda a jorrar sangue – com uma goleada razoável, bastavam três ou quatro – Paulo Bento preferiu não correr riscos na 2a parte. Contra 10. Enfim, o medo de ser feliz será a marca da passagem deste homem pelo Sporting. E será, também, a razão do seu insucesso.

Bem haja pelo Benfica? Nem por isso… foi graças à merda que são que nós continuamos uma merda apenas ligeiramente menos decadente… mas nunca campeões. Esses, são sempre os mesmos, que só precisam de continuar a usar as velhas manhas dos últimos 20 anos para se celebrarem… sem qualquer pingo de vergonha na cara.

Momento-chave: Início da segunda parte. Jogo ganho, mais um jogador, o que a equipa faz? Controla. Para quê? Para nos deixar moralmente na mesma. E manter a pressão exactamente igual para o próximo jogo.

Prémio Gladstone: Caneira. Assustador…

Prémio Zé Piqueno: Rochemback… cada entrada era um amarelo à espera de acontecer. Ao menos impõe respeito, um atributo escasso pelos lados de Alcochete.

Prémio El Dieguito: Cueca de Liedson à meia-hora. Uma cueca ainda é uma cueca e será sempre uma cueca.

Visão Zeman: Melhor onze do Sporting contra… o Rio-Ave. Um onze que nunca jogou contra o Bayern, nos oitavos da Champions. Esta merda continua a foder-me o juízo! Como é que se tomam decisões destas? Como se explica isto aos jogadores? “Olha, Romagnoli, tu vais ser titular contra os alemães”… “Ahn?”. “Liedson, ficas em Lisboa, tá bem? Para descansares, porque contra o Rio-Ave vamos dar a segunda parte de borla, ok?”. “Vai tomar no cu!”

A substituição do Vuk pelo Djaló, regressando ao losango, afastando o Moutinho do centro do jogo, metendo Pereirinha mais longe da linha lateral, cometendo pela centésima décima quinta vez o erro de meter o Djaló a 10, prova, se fosse preciso, que a falta de bom senso é o maior defeito do Paulo Bento. E gerou aqueles miseráveis 15 minutos finais… Aflitivos, desesperantes! Quando até podiam, surrealmente, ser de celebração de um clube muito ferido.

Vivó Sporting… até morrer!: Esta faixa foi retirada pela polícia, poucos minutos depois de ter sido colocada, no início da segunda parte. E os sportinguistas que quiseram exercer o seu direito constitucional de liberdade de expressão foram espancados e levados pela polícia.  

140320090881

Independentemente do efeito contra-producente que provocou na equipa – durante 10 minutos os jogadores não sabiam se os cânticos e os assobios eram para eles, e o medo voltou às suas doridas cabeças… ajudando a hipotecar toda a 2a parte -, independentemente disso, o que se passou é, para mim, o mais grave de toda a crise de raízes bávaras. A liberdade é estrutural para o progresso das sociedades, dos países, das instituições… do Sporting. Esta censura, a mando do presidente do clube, seguramente, é o sinal exterior da grave crise que o Sporting vive…

O Sporting precisa de uma revolução… de pessoas, de mentalidades, de valores, de ideais, de competências… quem está disposto a fazê-la?

O Bloco de Notas do Gabriel Alves – Jornada 22

“Chegar ao título não apaga a eliminatória de Munique. Não tem como apagar, mas o pensamento…vê-se nos olhos que o grupo quer ser campeão!”

“O jogo com o Rio Ave é importante, fundamental, vale muito na corrida ao título”

“Os casos resolvem-se dentro do balneário”

“Paulo Bento já mostrou o seu valor. É um grande homem e um grande treinador. Se dependesse de mim claro que gostaria que continuasse. Aprendi a admirá-lo”

“Independentemente da renovação o meu esforço e dedicação vão ser os mesmos. Estou concentrado, com a cabeça boa, feliz no clube que aprendi a admirar, a gostar e a amar nestes 6 anos. É um clube que respeito muito e, independentemente de renovar ou não, a atitude dentro do campo não vai mudar, vai ser a mesma”

Liedson, ontem, em entrevista ao MaisFutebol.

A CAMINHADA

Sporting – Paços de Ferreira  2-0

Sporting – Rio Ave
(Sábado 14, 21h, Estádio José Alvalade)
Hoje não vão ser precisos bilhetes a cinco euros para muito boa gente deslocar-se a Alvalade. A grande dúvida, é saber com que espírito cada leão vai ocupar o seu lugar na bancada. Agora uma coisa é certa: depois do Enxovalho de Munique, ninguém vai aceitar que os jogadores comecem a deixar passar o tempo quando se apanharem a ganhar por um ou dois a zero.

Leixões – Sporting
Sporting – Naval
Guimarães – Sporting
Sporting – Estrela da Amadora
Académica – Sporting
Sporting – Vitória de Setúbal
Marítimo – Sporting
Sporting – Nacional
(Marquês?)