Sensações

Sensações de pré-época. São elas que marcam o verão dos doentes da bola. A longa espera pelo pontapé de saída. O defeso, as contratações, as dispensas, os sonhos impossíveis e a esperança de uma época de sucesso.

No caso do Sporting versão 2009/2010, a sensação é agri-doce. Pegando na ideia defendida há uns dias pelo “nosso” Petinga, o Sporting é uma cantina de nouvelle cuisine com um chef taberneiro. Promete refeições de alto gabarito mas o cozinheiro não é mais do que um aprendiz de tasco. Esta é uma verdade incontornável. O Bettencourt ganhou e houve uma esperança de futuro renovado. O Paulo Bento ficou, e mesmo assim, eu acreditei que as coisas iriam ser diferentes. Sabe-se lá porquê. Mas não. É mais do mesmo. A embalagem é nova, moderna e arejada, como diria Gabriel Alves, mas o conteúdo é o mesmo de sempre. Comida requentada, é que nos servem nesta pré-época.

Sejamos realistas, com outro treinador, acredito que os jogadores voltariam aos seus lugares. As posições corrigidas, o sistema de jogo alterado e os activos devidamente rentabilizados. Mas isso não é tudo. O Sporting parte em clara desvantagem neste início de temporada. Não se reforçou como devia e não corrigiu os males que o apoquentam. A capacidade negocial e aglutinadora de Porto e Benfica nada tem a ver com a nossa. Mais e melhores jogadores para plantéis mais competitivos. Isso não é tudo mas é uma vantagem significativa. No Sporting, continuamos sem saber quem dá a cara pela parte da composição desportiva. Desconheço se são as escolhas do treinador ou se se nos impõem algo de fora. A realidade é só uma. Temos um sistema de jogo que não se enquadra no tipo de jogadores que dispõe o plantel.

Uma defesa fraca, de papel, diria. Embora esta ideia possa ser desmentida pelos números de melhor defesa da Europa, considero a linha defensiva do Sporting uma merda. Laterais péssimos. Na esquerda, Grimi não é ninguém. Caneira parece próximo do fim. André Marques é um jovem em formação. Na direita, Pedro Silva é o melhor de todos. Disfarça no ataque as carêncais defensivas. Abel é um jogador à imagem dos melhores que vi jogarem em pelados nas distritais. No meio, temos um problema político e estrutural. Ou Polga ou Carriço. Sendo que Carriço é mais novo e bandeira da formação, já era altura de assumir a venda do Brasileiro. É preciso músculo, experiência e centímetros. Numa equipa os jogadores complementam-se. Se temos um mais virtuoso, é necessário um jogador de outro recorte. Quando defendo isto, não estou a pensar num Tonel. É esse o tipo mas em bom. Um Phill Babb, um Naybet, um Mozer,  um Bruno Alves. Jogadores líderes que imponham respeito. Os campeonatos ganham-se a defender. À frente, um problema clássico. Para jogar em losango, o médio mais recuado tem que ser um jogador mais posicional. Menos todo o terreno e menos amplo nos movimentos. Um jogador do tipo Paulo Assunção ou Costinha dos melhores tempos seriam ideais. Um varredor que se desmultiplique em tarefas defensivas, cubra a área à frente da defesa e que saiba entregar a bola a quem a sabe jogá-la. Se for o losango, entenda-se. Além disso, tem que ser grande. Por que razão nunca se lembraram do Papa Diop? Um monstro do Senegal que joga no Portsmouth e que esteve a um passo de ir para o Osasuna. Os jogos também se ganham com força. Para mim, este é o problema estrutural do Sporting. E, acho que nem o Paulo Bento nem ninguém se detiveram nele. Na europa, sobretudo, isto sente-se na pele. As equipas são maiores, são mais fortes e, por isso mesmo, têm mais hipóteses de ganhar. Porque não é só força. É um complemento de tudo. Veja-se o eexemplo do Barcelona que todos acreditam ser a antítese do que digo. Um meio-campo técnico onde Xavi e Iniesta dominam a bola mas com as costas bem protegidas pelo gigante Yaya Touré. Isto, para não falar que eles próprios, apesar de pequenos, são secos e resistentes. Nada de gorduras e massas adiposas a atrapalhar como no caso de alguns dos nossos. Na defesa, Abidal é alto e Piqué um monstro pelo ar.

Do meio-campo para a frente, quase tudo mal embora os jogadores até sejam bons. Liedson resolve, Moutinho é a alma da equipa mas pode e deve ser muito melhor. Vukcevic podia ser o nosso Hulk se jogasse perto da baliza e não se desgastasse no interior de um losango em tarefas cretinas. Izmailov não precisa de provar nada. Só necessita um médico que não o transforme num Mantorras. O Caicedo não tem o golo do Liedson mas pode ser o destruidor de defesas que vai permitir os espaços que o Levezinho precisa. E o Matias Fernandez é, naturalmente, melhor que o Romagnoli. Vai trazer à equipa, entre outras coisas, golo. Estes, mais o Pereira, o Roca sem barriga, o Adrien, o Djaló, o renovado Miguel Veloso e o Postiga não envergonham ninguém neste nosso campeonato. Mas precisam de explodir. Para isso, é necessário um treinador que entenda isso e os coloque no devido lugar. `

Paulo Bento, quem não tem cão caça com gato. Se não podemos competir com equipas que têm Saviola, Cardozo e Keirrison a lutar por um lugar no onze, temos o resto. Que tal, trabalhar as bolas paradas e aumentar a altura da equipa?

O que é bonito na pré-época, é que podemos continuar a sonhar. E eu, apesar de tudo, acredito que que este rótulo de outsider que temos que assumir não nos vem nada mal. Deixem o Benfica com as capas dos jornais e o Porto à beira do penta. De facto, partimos no terceiro lugar. Mas isso se for alimentado da melhor maneira para baixar expectativas até pode ser bom. Não sei porquê, mas continuo a acreditar que esta é a época do Moutinho. A época em que ele vai provar que não é somente um bom jogador de equipa. O ano em que ele vai ser o líder e o jogador desequilibrador. É por isto que adoro ser doente. Começo a falar de uma coisa e acabo a desmentir a mesma. Viva o Sporting e as pré-épocas!

7 thoughts on “Sensações

  1. Tinha este blog na lista de tabs automáticos, mas por causa deste texto, a partir de agora, provavelmente não virei cá tão frequentemente.
    O Sporting não precisa imitar as políticas de contratação alheias.
    O objectivo do Sporting não é dar aos empresários razões para festejar, mas sim, dar aos adeptos, razões para, no final da época, poderem sentir que a equipa fez o que podia com as possibilidades que tinha.
    Quem não se identifica com esta forma de estar, provavelmente terá de esperar por outros tempos.
    Mas nos tempos que correm, é esta a única forma de se ganhar alguma coisa sem recorrer à corrupção, ao dinheiro fácil e ao despesismo irresponsável.

  2. José Marçalo,

    Recomendo óculos com graduação corrigida. Podes visitar o blogue se quiseres ou nunca mais pores os pés aqui. O que não podes é afirmar o que não disse. Se leres bem, não digo em momento nehum que devemos imitar fórmulas de Porto e Benfica. Limito-me a comentar que tanto um como o outro se reforçaram melhor. Despesismo irresponsável, corrupção e dinheiro fácil são palavras que tu escolheste baseadas sabe-se lá bem no quê.

  3. Pois eu achei o post do Jordão muito coerente… Coerente com a realidade, atente-se!

    Por mais que o meu coração queira, não consigo desmintir a informação que me invade os olhos e, consequentemente, o cérebro interpreta e analisa.

    Da pré-temporada resulta algo positivo nisto:

    “…Mas isso se for alimentado da melhor maneira para baixar expectativas até pode ser bom”

    Campeões crónicos da pré-tempoarda já todos sabemos quem são. Favoritismo já todos sabemos a quem é atribuido. Mais uma vez partimos como ‘out-siders’… E com um bocadinho de sorte pode ser que o campeonato, apesar de todos os actuais sinais, chegue finalmente a Alvalade…

    SL!

  4. Jordão,
    belo post! Vou voltar a ele depois de analisado o jogo desta noite, mesmo tendo em conta que muito do que dizes ajuda a explicar o que se viu.

  5. Muito sinceramente só vejo uma maneira do Sporting passar esta eliminatória:
    – aos cerca de 25 minutos de jogo, os adeptos do Sporting começam a atirar pedras e cadeiras para o relvado e adeptos do Twente; estes respondem, o campo é ocupado; o jogo é suspenso; o Barbosa (este não que não fala), o Bento diz que o Twente tem que assumir as responsabilidades da organização do jogo; o delegado da UEFA vai ao um núcleo do Sporting em Genebra e decide que dá 3 golos sofridos a cada equipa; como o Sporting estava a jogar fora, empata 3-3 e passa a eliminatória.

    Mas isto é tão surreal que nunca poderia acontecer, só em sonhos…

    ps:agora a sério: somos uma merda e temos o que merecemos;pode-se não jogar nada mas um penalty é GOLO!
    Gosto muito do Moutinho mas o Sporting pode ter ali um grande problema: Moutinho tira espaço no campo e nas obrigações (livres, cantos e também penalties) a Matías Fernandez. Já tinha reparado nisto no jogo de apresentação e hoje foi mais do mesmo; eles discutiram antes do penalty! Vi ali o que João Pinto fez ao Donizete e ao Paulo Nunes. É preciso cuidado…

    ps2: mantenho a minha que disse aqui há um mês: Em Outubro, Paulo Bento mete o orgulho de lado e pedirá a demissão. Como a moda será treinadores com experiencia que nunca tiveram oportunidades (vide caso Jesus) será contratado o Manuel Machado ou o Manuel José. A não ser que, para calar os sócios e para queimar, lá terá que vir o Manuel Fernandes.

    ps3: esta época será muito doloroso enquanto não se perceber que não somos um Grande. Temos História mas isso não basta para ser, desportivamente, candidatos.

  6. Muito bom. grande post. Vou já enviar o link aos meus consócios qeu ontem comigo no estádio se passaram completamente. Conseguiste escrever o que sinto em frustação

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s