E pode ser de boca calada?

Virou-se um ciclo. Disse-o Bettencourt. Disse-o João Moutinho. Disse-o Caneira. Só faltou dizê-lo Jorge Cadete, o tal que o jornal Record insiste em tentar fazer regressar ao nosso clube.

Virou-se um ciclo, dizia eu. Depois das choramingadelas e das conferências de imprensa tresloucadas, a saída de Paulo Bento é um facto consumado e enterrado, selado com uma entrevista onde o ex-treinador leonino mostrou exactamente aquilo que é: uma das pessoas mais teimosas que alguma vez vi (“jogámos em vários sistemas para além do losango, mas ninguém deu por isso”… pois, os treinadores adversários é que eram muito inteligentes e sabiam sempre antecipar as nuances tácticas que ias utilizar) e, também, uma das pessoas mais directas e frontais que alguma vez tive oportunidade de “conhecer”.

Fruto desta frontalidade, Paulo Bento aproveitou para dar uma machadada na subserviência leonina aos rivais nortenhos, dizendo que ele defendeu que o Sporting devia ter-se insurgido contra a nomeação de Duarte Gomes para o Dragão mas, estando contra, acatou a ordem directiva para não levantar ondas antes do jogo (e, imagino, deve ter tido que beber um balde de água para fazer descer o sapo que foi ouvir o presidente afirmar que confiava em quem nomeava).

Fruto, também, desta frontalidade, Paulo Bento apontou o dedo aos doutores, os chamados notáveis: “[…] esses doutores que gostam de estar de forma permanente na comunicação social, alguns deles com responsabilidades no clube, não tiveram comportamentos próprios de acordo com certos valores e não foram solidários, especialmente nestes quatro meses.”

Rogério Alves enfiou a carapuça até aos olhos e atacou pelo lado mais fácil: acusando Paulo Bento de, em termos classificativos, ter deixado o Sporting numa situação miserável. A ele se seguiram outros doutores, incomodados pois então, chegando a acusar Paulo Bento de falta de solidariedade. Até aqueles palermas que se denominam Associação de Adeptos Sportinguistas, emitiram um comunicado onde aproveitam para cuspir o resto de azia que a presença de Paulo Bento lhes deixou.

Vocês sabem a minha opinião sobre Paulo Bento: grande profissional, treinador limitado. E, neste caso, custa-me que se aproveite para cruxificar o homem por ter dito algo que é uma grande verdade: no Sporting existem demasiados papagaios, demasiados doutores, notáveis ou o caralho que lhes queiram chamar a opinar, a minar, a desestabilizar, a irritar, a procurar protagonismo.

Um tem uma coluna num jornal. Outro falta a compromissos do Sporting para ir ganhar uns milhares de euros num programa de debate semanal. Outros são apenas adeptos, mas chegam mais depressa aos jornais do que chegaria o Pedro Barbosa a sprintar. E é desta verdadeira corja que o Sporting não precisa.

Se o Presidente quer mudar algo e acabar com aqueles Sportinguistas que afrontam o Sporting, então que aproveite o início deste novo ciclo para mandar calar esta gente (nem que seja com um cala-te pá, cala-te!), estabelecendo uma regra simples: se são membros da estrutura directiva do Sporting, não têm nada que andar a opinar na praça pública. Não querem? Então fiquem com a coluna no jornal e com o programa semanal, que destes sportinguistas de merda, estou eu farto!

62 thoughts on “E pode ser de boca calada?

  1. Absolutamente de acordo. “aqueles palermas que se denominam Associação de Adeptos Sportinguistas” …é incrível, não é? Mais uma extraordinária singularidade. O Sporting é mesmo grande para conseguir suportar e conviver com estas merdas todas.
    SPORTING!!

  2. Totalmente de acordo contigo quanto a Associação de Adeptos Sportinguistas, um nome bonito, que fica bem, mas gente que não me representa minimamente. Só no Sporting, realmente, é que coisas destas existem. Vejo-os nos jornais a falar sobre tudo, a falar sobre nada. O Sporting tem um presidente como os outros clubes têm, eleito à larga, é ele que tem de representar e prestar as devidas contas aos sócios. Não um grupo de gente muito ou pouco altruísta que se denomina Associação de Adeptos Sportinguistas que tem ganho uma dimensão pública e um protagonismo inexplicável. Era capaz de os respeitar se não visse a cara deles estampada constantemente em jornais.

  3. Eu não tenho nada conta a AAS. Nem a favor.

    Agora para quem diz que “eles não me representam”, têm toda a razão. A mim também não. Mas há uma coisa a salientar.

    Aquilo chama-se Associação DE Adeptos Sportinguistas e não Associação DOS Adeptos Sportinguistas. Há uma diferença semântica substancial que leva a que se esteja a falar de coisas bem diferentes…

  4. Um clube falido, a caminho de se tornar um Não Grande, ainda assim, tão apetecido por muitos.

    Todos falam e todos adoram ter a sua opinião. Num período que se queria de alguma paz, qualquer “abutre” vem para as rádios e jornais dar o seu palpite, bota-abaixo, táctica, enfim…

    Tudo isto demonstra um clube dividido e onde todos querem ter proveito próprio e não o bem comum do Sporting Clube de Portugal.

    Creio que Bento quis fazer algo tipo o que Pedroto e Pinto da Costa fizeram no Porto. Não deu. Faltou dominar os “abutres” e os árbitros. Vamos ver (mais adiante) se o seu plano era o melhor ou não.

    No Porto,a até os “paineleiros” falam de acordo com o que está estabelecido pela direcção! No Sporting, todos são dirigentes, treinadores, médicos e até jogadores.

    Não há casa que aguente uma “família” assim.

    ps: e o pior é que muitos nem são sócios (ou fizeram-se neste consulado) e assistem aos jogos à borla. Então, o que é que de bom fazem ao clube?

  5. Fora de assunto, há quantos anos é que nos andam a chamar de não grande ou a caminho de não grande?

    As minhas primeiras recordações dessa conversa são daquela fantástica era com Raul Águas a treinador.

  6. Cherbakov,

    Então o que é que serve o Sporting? Somente a sua visão e capacidade de destilar azia em direcção a quem vê o clube de outra forma?

    Anos e anos de pessoas que sempre serviram(?) mal o Sporting e todos caladinhos como ratos a fingir que nada se passava. Agora que abrem os olhos, fingem que afinal sempre estiveram atentos não é? Coerência e frontalidade é o que falta no Sporting – e os seus “textos” são exemplo disso.

    Nastase, realço o seu “esclarecimento”. Efectivamente, é muito pertinente face à quantidade de lapsos e falhas de interpretação.

    Saudações Leoninas

    • Caro Malcato,
      o que serve o Sporting, em primeira instância, é ser dirigido por pessoas que remem todas para o mesmo lado e que, quando tiverem opiniões diferentes, as façam ouvir nas reuniões de direcção, em vez de virem mandar recadinhos pelos jornais.

      Quanto à merda (sim, à merda) da sua AAS, tenho apenas a dizer-lhe o seguinte: uma coisa é, como adeptos, dizerem o que pensam. Outra coisa é reunirem duas mãos cheias de idiotas para estarem presentes em tudo o que é momento complicado do Sporting, insultando e provocando jogadores, treinadores e direcção.

      Já agora, aproveitando a sua alusão a falhas interpretativas, tenho a dizer-lhe que lamento o facto de não ter tirado as palas quando se sentou ao computador e resolveu responder-me. Dê-se ao trabalho de ler os meus posts, e vai ver que, afinal, coerência e frontalidade andam de mãos dadas nos mesmos.

  7. Cherba:
    Vejo que os objectivos que o PB pretendia atingir relativamente à AAS e Rogério Alves e mais genéricamente em relação à massa associativa do Sporting foram plenamente atingidos.

    Não bastava ter-nos deixado a pão e água, ainda deixa a bombinha armadilhada para dividir.

    Fosse ele tão grande profissional e seria um profissional competente. Andou 4 anos a pregar contra os que encheram do seu futebolzinho medroso e limitado, como se tivessemos que comer e calar, e por isso protestavam, para fazer pior do que os seus piores criticos, não premitindo que Carvalhal tivesse um arranque tranquilo, como lhe havia sido permitido a ele.

    Abutres estão do outro lado da 2ª circular que eu saiba.

    Como já aqui afirmei não sou da AAS mas puderei muito bem vir a ser no futuro. Sendo uma associação consituída livremente é a aos seus associados que lhes cabe em primeiro lugar dizer o que pensam sobre os seus comunicados e são eles que devem sentir bem ou mal representados.

    Uma vez que já todos perceberam que é “DE” e não “DOS” já não posso dizer que o se escreve sobre a AAS é ignorância, uma vez que toda a informação está disponivel no site, mas antes má vontade.

    • leão,
      pode, efectivamente, questionar-se o timing da entrevista do PB e a incapacidade em reconhecer os próprios erros, mas quanto ao resto estou de acordo. Acho patético, para não dizer vergonhoso, ter um sr doutor, que faz parte da nossa estrutura directiva, a opinar num jornal diário contra o próprio treinador. Não gosta? Que o diga nas reuniões de direcção ou, se tiver tomates, que o diga directamente aos responsáveis pela SAD ou ao pp treinador.

      Acho patético, para não dizer vergonhoso, continuar a saber que aquele outro sr doutor, o tal que levou uns cascudos no focinho (e foram poucos os que se perderam), opina semanalmente num programa, diz-se, onde se debate futebol.

      Quanto à AAS, peço-te que vejas a resposta que vou dar ao teu compadre que me respondeu antes de ti.

  8. “De” ou “Dos” é semântica. A AAS tem todo o direito a existir e emitir opinião. É um país livre, e é seguramente um clube livre – mais livre que isto não há, neste clube tudo e todos podem dar palpites. E quem quiser tem todo o direito a ser associado da mesma. Existem os Stromps, os Leões de Portugal, pode existir a AAS. Mas eu, na qualidade de sócio do clube, com quotas em dias, também tenho o direito a achar que têm ganho um excessivo protagonismo e um peso que não cabe na cabeça de ninguém com miolos para pensar.

    E falemos de exemplos. Eu, por exemplo, não concebo o seguinte à segunda jornada desta época e antes da 2ª mão com a Fiorentina:
    “Associação de Adeptos Sportinguistas pede demissão de Paulo Bento”
    daqui – http://www.ionline.pt/conteudo/19548-associacao-adeptos-sportinguistas-pede-demissao-paulo-bento

    À segunda jornada? Depois da derrota com o Braga? “Pede a demissão?” Mas isto cabe na cabeça de alguém? E logo antes do jogo mais importante da época? Que valia a entrada ou não na Champions?

    Paulo Bento esgotou o seu tempo no Sporting, saiu inevitavelmente, tinha de sair, era insustentável. Mas por que carga de água é que têm este à vontade em pedir a demissão de Bento naquele momento da época? Isto não é desestabilizar um grupo de trabalho? Não é dividir?

    Portanto, deixem-me ver se entendi: parece que Paulo Bento deu agora uma entrevista para dividir os sportinguistas. Já a AAS pode dar-se ao luxo de emitir estes comunicados antes de jogos decisivos. Isso não dividir? Tenham juízo.

    Se existirem enquanto associação que representa os valores do Sporting, muito bem. Se querem mandar no Sporting, muito mal. Foi um presidente eleito, é dele a responsabilidade de demitir treinadores, e a AAD não tem de “pedir” demissões.

    Mais: se a AAS se julgar no direito de pedir demissões na estrutura de futebol -e eu não concordo-, que o faça como tem de ser feito. Peça uma reunião ao presidente e comunique. Não tem de publicitar as suas opiniões desta forma por tudo o que é comunicação social. É incorrecto, não cabe na cabeça de ninguém. Foram eleitos elementos da Associação de Adeptos Sportinguistas para o Conselho Leonino. Manifestem-se aí. É o sítio próprio.

    Mas vocês vêm isto no Porto e no Benfica? Queria ver uma Associação DE Adeptos Portistas “pedir” a demissão de Jesualdo Ferreira ao Pinto da Costa à segunda jornada da época, antes de uma jornada decisiva da Champions. Havia de ser o bom e o bonito. No dia a seguir Pinto da Costa renovava-lhe o contrato para mostrar quem manda no clube e para chatear a dita Associação.

    Já agora, se tivermos o azar de perder sábado e aquilo correr mesmo muito mal? Vão pedir a demissão do Carvalhal? Só para saber com o que posso contar…

    Mal ou bem o presidente foi eleito há 5 meses e quem nele votou fê-lo sabendo que Bento iria ser o futuro treinador. Ninguém escondeu nada a ninguém. E mesmo com Bento ganhou 90 por cento dos votos. E com isto tudo a AAS achou por bem pedir a demissão de Bento a 23 de Agosto de 2009. Parabéns, são o realmente o perfeito exemplo de não querer dividir o clube.

    • Paranoid:
      Só falo por mim, a AAS tem quem a represente.

      E se eles entenderem que a saída de PB à 2ª jornada tinha servido melhor os interesses do clube que a sua manutenção, até chegar onde estamos hoje?

      Tivesse o presidente agido mais cedo e não teria sido PB a entender quando lhe daria mais jeito a abandonar o clube mas sim o próprio JEB a decidir o que seria melhor para o clube.

      Afinal o que pedia a AAS à 2ª jornada era muito diferente do que era pedido aqui ou noutros foruns?

      Dizia o Cherba após a derrota com o Braga:
      “não seria mais urgente, e visto que o homem está agarrado que nem uma lapa ao tacho e recusa-se a colocar o lugar à disposição, trocar de treinador?”

      • leãodealvalade,

        “E se eles entenderem que a saída de PB à 2ª jornada tinha servido melhor os interesses do clube que a sua manutenção, até chegar onde estamos hoje?”

        Tu leste bem o que escreveu o Paranoid?

        Há uma diferença muito grande em escrever uns posts num blog, ou emitir um comunicado que é mostrado na imprensa, não achas?

  9. “E se eles entenderem que a saída de PB à 2ª jornada tinha servido melhor os interesses do clube que a sua manutenção, até chegar onde estamos hoje? ”

    A AAS pode achar o que bem quiser. Não pode é pedir ou exigir nada. E se quer pedir, repito, que o faça nos sítios correctos e onde estão representados. Agora se o fazem à segunda jornada, antes de um jogo da Champions, e o fazem bem publicamente, não venham com o argumento que Bento quer dividir o clube. Já outros dividiram muito antes.

    “Afinal o que pedia a AAS à 2ª jornada era muito diferente do que era pedido aqui ou noutros foruns?”

    O dia em que o Sporting for gerido por Fóruns e por blogues, é o dia em que deixo de pagar as minhas quotas. Convençam-se disto: quem anda por fóruns não sabe mais do que quem trabalha todos os dias no clube. Nem sequer sabe mais do que os sócios anónimos que passam boa parte do dia no Alvaláxia.

    “Dizia o Cherba após a derrota com o Braga:”

    O Cherba pode dizer o que quiser. O Cherba é um adepto como qualquer outro, o Cherba – imagino eu – não foi eleito para o Conselho Leonino.

  10. Paranoid,

    Vamos por partes:

    Em primeiro lugar, a AAS obteve lugar no Conselho Leonino após apresentar uma lista nas últimas eleições. Outro tipo de movimentos, têm lugar por inerência, podendo participar sem obterem qualquer tipo de “interesse”.

    Quanto ao Paulo Bento – O que é que o tempo nos diz? Que o Sporting acumulou vitórias atrás de vitórias? Praticámos o melhor futebol de sempre? Metemos medo a qualquer clube da Europa?

    Vai dizer-me que foi por um Comunicado ao fim de duas jornadas que o Paulo Bento fez um mau trabalho? Os sócios e adeptos do Sporting estiveram descontentes com o trabalho do treinador do Sporting, por causa do comunicado emitido pela AAS? Obviamente que não foi astrologia, mas o comunicado simplesmente fez uma antevisão do que estaria para acontecer.

    Não se trata de uma questão de divisão, trata-se de uma questão de exigência. Servir o Sporting não deve – em minha opinião – basear-se na pregação em uníssono do “Somos diferentes” e “Assim não é mau de todo” e mais uma série de expressões que foram aparecendo. Cada vez mais se nivela por baixo no nosso clube e aquilo a que se assiste é o discurso do “temos de nos sujeitar e temos de nos unir e temos de acreditar”. Pois, se isto a que assistimos não é o Sporting com que crescemos e aprendemos a amar – e vai muito além de “resultados desportivos” – temos de estar unidos à volta “disto”?

    Quanto a Carlos Carvalhal e nova estrutura de futebol do Sporting, foram felicitados aquando da sua chegada ao Sporting. Além disso, comparar um treinador acabado de chegar a um treinador que teve 4 anos no Sporting é simplesmente incomparável.

    Cherbakov,

    É naturalmente a sua opinião que, bem ou mal, há de estar fundamentada nos argumentos que dispõe.

    Naturalmente que só sabe de duas coisas: Do que quer e do que lhe chega. Portanto, pegando nas palavras do meu “compadre”, ou estamos perante ignorância ou estamos perante má-fé – ambas também podem ser apelidadas com as “palas” que proferiu.

    Sabe o caro cherbakov que canais de comunicação são utilizados no Sporting? Sabe o cherbakov o funcionamento – efectivo e não a forma prática – dos órgãos sociais? Sabe quantas reuniões já existiram e quantas ideias/sugestões já foram apresentadas às chefias do Sporting Clube de Portugal?

    O rol de questões poderia continuar…

    E caro cherbakov, coerência existiria nos seus textos se tivesse a mesma atitude o mesmo tipo de comportamentos. O que não é o caso. Uns são gregos e outros são troianos. Uns são hereges e outros são puritanos. A forma como aponta o dedo agora a uns pode ser utilizada para apontar a outros, mas é isso que faz?

    Finalizando: Frontalidade? Se quiser ser frontal, abandone o “distanciamento” (até pode manter o “anonimato” e transmita as suas opiniões e posições de forma directa à AAS em vez de recorrer constantemente a “artigos de ódio” quanto à actuação da mesma.

    Dessa forma, talvez as suas críticas consigam ser construtivas… Se assim entender como relevante.

    Saudações Leoninas

    • “a forma como aponta o dedo agora a uns pode ser utilizada para apontar a outros, mas é isso que faz?”

      foda-se, começas a irritar-me, meu (desculpa lá, mas caguei no tom formal, ok?). Já de pedi para leres a merda dos posts que escrevi. Se quiseres, claro, mas, caso não queiras, ao menos não digas que aponto o dedo a uns e não aponto a outros.

      E, desculpa, por muito que tentes dizer-me, a minha opinião sobre a AAS continua uma e a mesma, até porque não posso concordar que pessoas que fazem parte do Concelho Leonino, andem a financiar duas mãos cheias de marmanjos para armar arruaças nas mais variadas situações.

      Ah, e a propósito de opiniões, também mantenho a minha opinião sobre o trabalho de Paulo Bento (lês os posts) ou sobre o trabalho de Bettencourt (lê os posts).

      • cherbakov,

        Isso que dizes é totalmente falso! A AAS não tem nada a ver com financiamentos ou organização de qualquer tipo de manifestações.

        Não posso negar que elementos afectos à AAS tenho participado nos mesmos, mas são duas coisas totalmente diferentes. É que se tentar associar ambos, qualquer dia dizemos que o presidente do Sporting Clube de Portugal é responsável por isso, já que tais elementos são também sócios do Clube…

      • É uma questão de mentalidade das pessoas. E não é o seu caso, mas durante as eleições, uns eram os arruaceiros por terem estado nas claques enquanto que no caso do JEB diziam que ele era um grande sportinguista, porque ia com a Juve ver as modalidades ou nos comboios até Guimarães. Mais uma vez, gregos e troianos…

        Dou-lhe um exemplo real desta nossa Europa: O Hamburg Supporters Club elege o Vice-Presidente do Hamburgo para a área dos Sócios e Adeptos.

  11. Paranoid,

    Vamos por partes:

    Em primeiro lugar, a AAS obteve lugar no Conselho Leonino após apresentar uma lista nas últimas eleições. Outro tipo de movimentos, têm lugar por inerência, podendo participar sem obterem qualquer tipo de “interesse”.

    Carlos Carvalhal é o novo treinador do Sporting e recebeu o nosso apoio assim que chegou ao clube. Ou seja, não estamos a falar de alguém que ao fim de 4 anos demonstrou sucessivas limitações.

    Quanto ao Paulo Bento – O que é que o tempo nos diz? Que o Sporting acumulou vitórias atrás de vitórias? Praticámos o melhor futebol de sempre? Metemos medo a qualquer clube da Europa?

    Vai dizer-me que foi por um Comunicado ao fim de duas jornadas que o Paulo Bento fez um mau trabalho? Os sócios e adeptos do Sporting estiveram descontentes com o trabalho do treinador do Sporting, por causa do comunicado emitido pela AAS? Obviamente que não foi astrologia, mas o comunicado simplesmente fez uma antevisão do que estaria para acontecer.

    Não se trata de uma questão de divisão, trata-se de uma questão de exigência. Servir o Sporting não deve – em minha opinião – basear-se na pregação em uníssono do “Somos diferentes” e “Assim não é mau de todo” e mais uma série de expressões que foram aparecendo. Cada vez mais se nivela por baixo no nosso clube e aquilo a que se assiste é o discurso do “temos de nos sujeitar e temos de nos unir e temos de acreditar”. Pois, se isto a que assistimos não é o Sporting com que crescemos e aprendemos a amar – e vai muito além de “resultados desportivos” – temos de estar unidos à volta “disto”?

    Cherbakov,

    É naturalmente a sua opinião que, bem ou mal, há de estar fundamentada nos argumentos que dispõe.

    Naturalmente que só sabe de duas coisas: Do que quer e do que lhe chega. Portanto, pegando nas palavras do meu “compadre”, ou estamos perante ignorância ou estamos perante má-fé – ambas também podem ser apelidadas com as “palas” que proferiu.

    Sabe o caro cherbakov que canais de comunicação são utilizados no Sporting? Sabe o cherbakov o funcionamento – efectivo e não a forma prática – dos órgãos sociais? Sabe quantas reuniões já existiram e quantas ideias/sugestões já foram apresentadas às chefias do Sporting Clube de Portugal?

    O rol de questões poderia continuar…

    E caro cherbakov, coerência existiria nos seus textos se tivesse a mesma atitude o mesmo tipo de comportamentos. O que não é o caso. Uns são gregos e outros são troianos. Uns são hereges e outros são puritanos. A forma como aponta o dedo agora a uns pode ser utilizada para apontar a outros, mas é isso que faz?

    Finalizando: Frontalidade? Se quiser ser frontal, abandone o “distanciamento” (até pode manter o “anonimato” e transmita as suas opiniões e posições de forma directa à AAS em vez de recorrer constantemente a “artigos de ódio” quanto à actuação da mesma.

    Dessa forma, talvez as suas críticas consigam ser construtivas… Se assim entender como relevante.

    Saudações Leonina

  12. Hugo Malcato,

    “Em primeiro lugar, a AAS obteve lugar no Conselho Leonino após apresentar uma lista nas últimas eleições.”

    Bem sei. Votei nela. Hoje não votava.

    “Outro tipo de movimentos, têm lugar por inerência, podendo participar sem obterem qualquer tipo de “interesse”.”

    Bem sei também. Por saber disso é que votei na AAS para o Conselho Leonino. Mas tanto hoje, como na altura das eleições, não tenho o Conselho Leonino em grande conta. Pensei: ‘para lá estar um grupo de pavões, ao menos voto nesta gente’. Hoje votava em branco.

    “Quanto ao Paulo Bento – O que é que o tempo nos diz?”

    Nada. A mim diz-me que a AAS não foi eleita para o CL pedir publicamente demissões de ninguém dentro da estrutura do futebol. A mim diz-me que a AAS não tem autoridade moral para isso. Elegi um presidente para isso, 90 por cento elegeram um presidente que se apresentou com um treinador às urnas.

    Quanto a Bento, teve épocas que podemos considerar como positivas no Sporting -tendo em conta que partíamos sempre atrás dos outros a nível de plantel e orçamental (sim, eu acho que estes detalhes contam para o sucesso de uma equipa de futebol)-, e teve este início de época absolutamente desastroso. E teve erros, na construção do mesmo plantel, e pagou por isso. Da minha parte, Bento é passado, mas merece ser respeitado como treinador e como pessoa que defendeu o clube como nunca vi a AAS fazer (ou porque não podem ou porque não sabem). Não merecia pedidos públicos de demissão por parte da AAS à segunda jornada do campeonato e antes do jogo da Fiorentina. É falta de solidariedade, é manifestação de falta de paz no clube, é abrir o clube a ataques de outros, é desmiolado.

    “Quanto a Carlos Carvalhal e nova estrutura de futebol do Sporting, foram felicitados aquando da sua chegada ao Sporting. Além disso, comparar um treinador acabado de chegar a um treinador que teve 4 anos no Sporting é simplesmente incomparável.”

    Não, não é. Abriram um precedente com Bento. Agora têm todo o direito de pedir demissões a torto e a direito e quando bem quiserem. Afinal, quem estabelece as regras para pedidos de demissões de treinadores? Aliás, proponho que todas as semanas, a cada resultado negativo ou a cada dois, peçam demissões no Sporting. E podem-se sempre esconder atrás da ‘cultura de exigência’. Publicamente, claro. Se formos goleados pelo Benfica, nada me garante que não vão pedir a demissão de Carvalhal. É a tal ‘cultura de exigência’. (Enfim, existe o bom-senso, mas pedir publicamente a demissão de Bento naquela altura por ‘antevisão’ não me parece uma grande manifestação de bom-senso, pelo que agora espero tudo.)

    Já agora, se fizeram uma ‘antevisão’ quanto a Paulo Bento, era melhor já definirem agulhas quanto a Carvalhal. Que antevêem à partida? E consideram pedir a sua demissão se ficarmos em 3º ou 4º ou não? E se ganhar uma taça merece ser demitido ou não? Fico à espera da ‘antevisão’ da AAS. Antevejam lá e depois mandem um comunicado para as redacções com o que acham ser legítimo pedir a Carvalhal. Com adendas: “Se Carvalhal falhar o [escolham a vosso prazer]º lugar no campeonato, a AAS pede desde já a sua demissão.”

  13. Cherba,

    Compreendo que quando alguém se expõe, emitindo publicamente uma opinião, fica sujeito aos julgamentos dos outros – é assim que as coisas funcionam. Isso vale para a AAS e vale para ti. Fica-te mal dizeres que estes ou aqueles são uns palermas ou são uma merda, mas esse é o teu estilo – e, ainda que eu preferisse que esses epítetos fossem dirigidos para outras bandas, isso é contigo. No Sporting, não falta quem chame a outros sportinguistas aquilo que não chama a adversários, aquilo que não admitiria que outros nos chamassem a nós. Admitiriam que o presidente do Porto chamasse terroristas, anormais e cretinos a sportinguistas?
    Mas, escrevendo tu publicamente, e por muito que isso aparentemente moleste o ‘multiopticas’, sujeitas-te a ouvir. E por isso a minha reacção, sócio da AAS, é de que estás a ter uma postura generalizadora, de quem toma a parte pelo todo, e de quem não sabe como as coisas são na sua plenitude. Tu não sabes o que é que é dito em pessoa aos dirigentes para além dos comunicados; tu não sabes o que se discute no Conselho Leonino, por que é se discutem algumas coisas. Mas se calhar podias pensar por que é que hoje falas no Conselho Leonino e ainda há uns meses nem te devias lembrar que ele existia; podias pensar que o célebre comunicado a pedir a demissão do Paulo Bento à segunda jornada se calhar até veio com dois meses de atraso, se olhares para tudo o que o Paulo Bento diz agora. Se calhar podias dar o benefício da dúvida e inferir que a reacção desta semana acerca do Paulo Bento não foi extemporânea, mas antes na sequência de coisas que ele disse na entrevista ao JN.
    Estás no teu direito de dizer o que pensas. Mas estás errado.
    Um abraço,
    e um pedido de desculpas aos ‘multiopticas’ pela maçada.

  14. A vossa Associação não tem razão de existir. É materialmente nula. Não pode haver uma associação dentro de uma associação. Se é só uma questão semântica (“de” ou “dos”) então ainda é mais estúpido. A não ser que seja para esconder objectivos obscuros e aí é simplesmente perigoso. Mais; eu (na qualidade de sócio do Sporting Clube de Portugal – Associação de utilidade Pública) não posso simplesmente admitir que haja quem pretenda falar em nome e por conta da minha “associação”. A característica essencial de uma “associação” é a de ter órgãos representativos. O que os senhores fazem é pura e simplesmente um abuso. Uma espécie de usurpação de funções (poderes).

      • Não. Esses estão previstos nos ESTATUTOS do Sporting Clube de Portugal que subscrevi quando me tornei sócio…
        A propósito o que é o etc? A “Associação dos adeptos do Sporting que não cospem no chão…”?

      • Citando:

        “A vossa Associação não tem razão de existir. É materialmente nula. Não pode haver uma associação dentro de uma associação.”

        Não existe uma associação dentro de uma associação. Existe uma associação juridicamente constituída e legalizada, composta por sócios e adeptos do Sporting que apresentou uma lista às eleições e foi sufragada, elegendo 3 conselheiros. O principio de organização e representatividade está consagrado no Direito Português e nada disto viola os estatutos do Sporting.

        Os grupos mencionados não estão previstos pelos estatutos do Sporting, são APENAS reconhecidos nos estatutos através da inerência no Conselho Leonino.

        Por isso insisto: Que razão tem de existir cada um dos grupos citados que também em certos momentos, falam em representação (mesmo que simbólica) pelo Sporting?

      • Já percebi que o Hugo tem um inclinação para a semântica e as suas nuances, tentado obter aí o acolhimento que a razão (e os factos) não lhe dá. Quando eu me fiz sócio, as organizações que referiu (menos a etc) já existiam e já tinham sido aprovadas nos termos estatutários – logo, em termos práticoa ganharam foros de “previsão estatutária”. ao fazer-me s´ócio nessas circiunstãncias eu assumo como legítimas as referidas organizaçãos. Acresce um dado essencial: elas existiam e SÓ existiam para promover o Sporting e o Sportinguismo. Não é o caso da sua Associação. Aliás, volto a referir, só o facto de se designar Associação é, por si só, um absurdo. Um non sense. Como é, aliás, esta frase (pérola) da sua autoria: “Não existe uma associação dentro de uma associação. Existe uma associação juridicamente constituída e legalizada…”

      • Dinis,

        A que factos é que se refere e que não me dão razão? Já lhe fiz uma questão por diversas vezes e ainda não respondeu.

        Na sua óptica sapiente, tais associações são legítimas porque estavam consagradas por “foros estatutários” quando se fez sócio, por essa lógica, eu sócio desde 1983 devo achar que os “Leões de Portugal”, fundados em 1984, não são legítimos face à minha filiação no Sporting. É isso?

        Já vi que para si, Juventude Leonina e DUXXI, associações juvenis relacionadas com o Sporting e legalizadas, não são portanto “legítimas”. É isso?

        Por último, a meu ver, a única “pérola” está na sua persistência em afirmar que a AAS é uma associação dentro de uma associação, quando estamos a falar de duas pessoas jurídicas totalmente distintas.

        SL

      • A minha Mãe não me deixa dialogar com quem diz “já lhe fiz uma questão”. Sorry. Princípios sagrados.
        Só para que conste: um destes dias essa organização vai ter que, pelo menos, alterar a sua designação. Certinho.

  15. “Nada. A mim diz-me que a AAS não foi eleita para o CL pedir publicamente demissões de ninguém dentro da estrutura do futebol. A mim diz-me que a AAS não tem autoridade moral para isso. Elegi um presidente para isso, 90 por cento elegeram um presidente que se apresentou com um treinador às urnas.”

    Defende portanto a participação nas urnas e “alheamento” do que se passa? É que as suas palavras parecem aquele ponto de vista “Estão eleitos agora trabalhem. Agora só me preocupo daqui a 4 anos”. Acredito que não seja que o que defende…

    Por essa ordem de ideias, um presidente apresenta-se a urnas é sufragado com 90% dos votos com a máxima do “forever” que pelos vistos não é. Então pronto, já não está lá a fazer nada. É isso? Acredito que não seja o que defende…

    Além disso, puxar à conversa o que foi dito durante as eleições e o que tem sido dito agora, dá muito pano para mangas. E nesse momento, já a AAS indicava que o “ciclo” de Paulo Bento havia terminado. Afastou-se do que defendeu?

    E não está aberto nenhum antecedente quanto ao treinador. Pelas suas palavras, até parece que a AAS é responsável pela primeira vez que alguém defende a saída de um treinador no Sporting Clube de Portugal.

    • “Defende portanto a participação nas urnas e “alheamento” do que se passa?”

      Não. O que defendo devia ser muito básico para todos: defendo que existem alturas e lugares-próprios para dizerem o que pensam sobre a estrutura do futebol profissional do clube – uma área particularmente sensível. Defendo que quando o fazem em público, à segunda jornada da liga, antes do jogo com a Fiorentina, por ‘antevisão’, estão a dar tiros nos pés na vossa credibilidade enquanto associação.

      É simples, é puro bom-senso.

      Defendo também que estão lá pessoas para decidir o futuro dos treinadores, e o futuro dos jogadores. Pessoas que foram mandatadas, bem ou mal, para isso. Defendo que nenhuma das áreas que referi anteriormente é da vossa competência – como não é da minha, nem do tipo que se senta ao meu lado do estádio, nem do meu vizinho de cima que é adepto do Sporting, nem do Abílio Fernandes, nem do Aguiar de Matos, nem do Subtil, nem do Abrantes. Defendo que vocês já ganharam um estatuto público de algum relevo – pouco mas algum -, que vos devia obrigar a reflectir bastante antes de emitirem comunicados a pedir demissões no futebol. Se querem paz e estabilidade no clube, pouco contribuíram para isso.

      Acham que o Conselho Leonino é uma patetice ou não funciona e por isso lançaram o comunicado a pedir a demissão do homem para o exterior? Olhem, aí está um óptimo motivo para comunicados. Não vejo mal nenhum nisso, em expor o que julgam não funcionar no CL. Digam que pensam da utilidade do Conselho Leonino. E podem fazê-lo publicamente, não me incomoda nada. Pedir demissões no futebol por ‘antevisão’, naquelas condições, lamento, mas não concebo.

      “E não está aberto nenhum antecedente quanto ao treinador.”

      Não está? Não me digam que Bento era um tipo especial. Então se pediram a sua demissão, imagino que podem pedir mais demissões caso assim o entendam, ou não? Parece-me legítimo. Se conseguiram antever o que se iria passar com Bento, vão conseguir antever mais jornada menos jornada o que se passará com Carvalhal e emitir a vossa opinião. Aliás, exijo que sejam uma espécie de provedor de qualidade quanto a treinadores.

      E não se fiquem por aí. Sentem-se, votem entre vocês, e decidam quem deve sair e ficar no plantel. E depois comunicados para as redacções: “AAS pede o afastamento do plantel de jogador X.” Eu pessoalmente não vou com o Grimi, nem com o Marques, nem com o Pedro Silva, nem com o Abel, nem com Djaló, etc.. Tratem-me lá disso.

      • Mas eu ainda não entendi tudo. Esclareçam-me só mais isto, sff.

        Hugo Malcato Diz: “Além disso, puxar à conversa o que foi dito durante as eleições e o que tem sido dito agora, dá muito pano para mangas. E nesse momento, já a AAS indicava que o “ciclo” de Paulo Bento havia terminado. Afastou-se do que defendeu?”

        Pois não sei. Fui pesquisar o que a AAS dizia por altura das eleições. Encontrei uma entrevista dada ao Record, dada ao Vitor Almeida Gonçalves.

        http://sporting.planetaportugal.com/noticias/associa_o_de_adeptos_sportinguistas.html

        Sobre Paulo Bento encontro o seguinte:

        “(…) Polémica “ultrapassada”, o presidente da AG [Nuno Manaia Costa] não está “certo que o Sporting faça bem em deixar ir embora Paulo Bento”, tanto mais que “o problema do Sporting não são nem nunca foram os seus treinadores.” Pedro Silva acha que Paulo Bento “devia ser muito mais apoiado.” “A imagem dele está desgastada e a culpa é de quem não o defende”, completa Nuno Costa.”

        Portanto, o Hugo Malcato escreve acima que a AAS já no período eleitoral “indicava que o “ciclo” de Paulo Bento havia terminado”. E depois de ler esta entrevista reparo que dois destacados elementos da Associação dizem: a) que não “está certo” se é boa opção ou não o Sporting deixar sair Bento, b) que o problema do Sporting não são nem nunca foram os seus treinadores, e c) que Paulo Bento “devia ser muito mais apoiado”.

        Não há para aqui uma contradiçãozinha qualquer? Mudaram de opinião pela má pré-época? Pelo empate 2-2 com a Fiorentina em casa (a nossa melhor exibição desta época, registe-se). Pela derrota com o Braga? O que mudou, afinal, do período eleitoral até à segunda jornada do campeonato?

        Passaram de não ter certezas sobre se a saída de Bento é boa – e esta dúvida só fica bem, desconfio sempre de pessoas que têm a certeza de tudo -, passaram de “o Paulo Bento deve ser muito mais apoiado”, enfim, passaram disto tudo para um pedido público de demissão do homem antes da 2ª mão em Florença.

        Há uma mudança de registo significativa.

      • Nada mudou depois do período eleitoral. As declarações prestadas nessa entrevista, não foram transcritas da forma mais “adequada”, tal e qual a nossa imprensa tem vindo a habituar-nos.

        O que se aplica ao Paulo Bento em termos de “apoio da Direcção”, aplica-se presentemente ao Carvalhal e foi isso que foi dito pelo Nuno Manaia Costa na entrevista, que pouco adiantava a saída do Paulo Bento se tudo o resto se mantivesse na mesma, o que resultou na frase “não está “certo que o Sporting faça bem em deixar ir embora Paulo Bento””.

        Já nessa entrevista, foi mencionado que o “ciclo” de Paulo Bento parecia ter terminado e que a sua imagem estava desgastada. No entanto, frisou-se o facto de sempre ter tido um comportamento profissional e dedicado na defesa do Sporting, o que demonstra que o treinador do Sporting – neste caso, Paulo Bento – está desprotegido e teve que fazer mais do que o seu papel.

        Saudações Leoninas

  16. Que grande post! Eu também estou cansada de ver pessoas que fazem parte da direcção e do conselho leonino a opinarem e a levantarem ondas. Notáveis? Notáveis somos nós, que vos aturamos!

  17. “…existem demasiados papagaios, demasiados doutores, notáveis ou o caralho que lhes queiram chamar a opinar, a minar, a desestabilizar, a irritar, a procurar protagonismo.” – Se fosse só isso, não era mau!!!!

  18. Cherba:
    A 1ª vez que ouvi falar em AAS tive a mesma reacção que parece ser recorrente esta associação suscitar. Até que decidi saber quem são estes “gajos”. A informação está disponível no site da associação e quem quiser fazer uma critica fundamentada poderá recorrer a ele para fazer a sua avaliação. É que pela comunicação social não se vai lá, uma vez que os métodos empregues são em tudo semelhantes aos que usam com o clube em geral: vão buscar o que interessa, quando dá jeito.

    Entre concordar e discordar com a AAS hoje tenho um profundo respeito pela sua actuação, cuja postura corajosa contra um clima manifestamente adverso, como se vê, saúdo. Mesmo reconhecendo os fundamentos como válidos, a altura que mais discordei das suas tomadas de posição foi quando se remeteram ao silêncio. Porque, ao contrario da grande maioria, eu quero ouvir a AAS falar. Mais, há quem fale em protagonismo excessivo eu acho que AAS devia divulgar as suas iniciativas com maior intensidade, e não deixar que a “usem” apenas como emissora de comunicados. Hoje sou amigo de alguns dos seus elementos e conhecendo o seu trabalho e a sua dedicação sinto-me obrigado a defendê-los quando acho que a critica é injusta. O mesmo faria se alguém escrevesse que o Cacifo só escreve disparates.

    O Hugo e o Bruno foram convidados por mim para escrever no blogue. Estes meus “compadres” são membros da AAS. Quando convidei o Hugo não o sabia e o convite ao Bruno, que é um Sportinguista “ANorte” como eu, ficou em suspenso por ter hesitado em ter 2 elementos da AAS. Acabei por decidir que, ao invés de um estigma, tinha fortes razões por me sentir orgulhoso de partilhar o espaço editorial do blogue com alguém tão empenhado e dedicado à causa Sportinguista. E esse empenho e dedicação é cumprida religiosamente a acompanhar o Sporting para todo o lado, em todas as modalidades, apesar das elevadas exigências das suas carreiras profissionais e vidas pessoais.

    Lamento a tua anuência aos comentários do gajo que vê mal, cujo histórico de comentários aqui abonam em favor da sua ininputabilidade. Lembro-te que sou comentador dos vossos artigos muito antes de ter decidido ter o meu próprio blogue, e assim tendo continuado após isso. Não posso é concordar sempre com o que escreves. Para que serve afinal um blogue? Para nos encher o ego de elogios dos que concordam connosco e chamar “compadres” aos que discordam?

    • Mas… mas… foda-se!… mas o Cacifo não escreve “só disparates”? Pronto… acabaram de estragar-me o dia. Este projecto deixa de fazer sentido. É que eu só andava aqui pelo gozo de escrever disparates. Só disparates. Mas afinal enganei-me. Enganaram-me. Cabrões destes cacifeiros merdosos.

      • Cintra:
        “O mesmo faria se alguém escrevesse que o Cacifo só escreve disparates.”

        Até agora não houve quem o dissesse, ou que eu me tivesse apercebido. Se e quando acontecer cá estarei para o desmentir.

    • mas alguém pediu para concordares sempre com aquilo que eu escrevo? Ou será que vais dizer-me, como o outro compadre da AAS, “podes dizer o que pensas. Mas estás errado”?

  19. Jedi Master Atomic:

    Li bem o que escreveu o Paranoid e espero que tenhas feito mesmo em relação ao que escrevi. Quanto ao que dizes:

    Depende do blogue e da consideração que temos pelos autores dos post´s. Porque é que a AAS não pode dizer que quer o PB na rua e o Cherba pode? Porque vem na imprensa? E o cacifo não é citado provavelmente muito mais que a AAS na mesma imprensa? Se com isso tivessem, o Cacifo e AAS juntos, tirado de lá o PB mais cedo, pelo menos os 4 meses mais as 2 semana que se seguiram, teriam feito um grande favor a todos nós.

    • Num registo mais sério: ó Leão… não pá, o Cacifo não é “citado provavelmente muito mais do que a AAS na mesma imprensa”. Só podes estar a gozar connosco, pá. Não temos a presunção (e muito menos a petulância) dessa malfadada AAS. Não nos damos ao trabalho de emitir comunicados supostamente representativos dos estados de alma dos adeptos que eles se arrogam representar (lá está, a petulância). O nosso humilde contributo para a causa sportinguista foi abrir este espaço de opinião. A nossa opinião e a (sempre bem vinda) opinião de quem nos lê e critica. Mais simples não podia ser.
      Quanto à presença na imprensa… o mais que tínhamos era uma cunha n’O Jogo, mas deduzo que o-gajo-que-nos-citava-dia-sim-dia-não tenha integrado o despedimento colectivo que o Oliveira organizou lá por aquelas bandas. Provavelmente com justa causa, no caso dele: não tinha nada de citar blogues que só dizem disparates.

      • Cintra:
        Como deves imaginar nao ia fazer uma afirmação como a que fiz podendo de imediato ser desmentido. Vou reunir as provas e enviarei com todo o gosto para que o Cacifo veja que tem uma exposição maior do que a AAS. O que, seguindo o critério de muitos dos que aqui se pronunciaram, retiraria o direito aos cacifeiros de vir pedir a cabeça do treinador.

    • “Porque vem na imprensa?”

      Sim, porque vem na imprensa. Qualquer pessoa, assim que se torna figura publica, deixa de poder fazer algumas coisas que fazia quando não o era. Já viste o que era o Herman José fazer publicidade constante a um partido politico, de forma as pessoas votarem nesse partido? Onde está a responsabilidade?

    • leão, não compares alhos com bogalhos, sff. Nós não fazemos chegar comunicados às redacções nem “compramos” protagonismo. Escrevemos aqui pelo gosto de escrever, pelo fomentar da troca de ideias e, acima da tudo, porque o Sporting é parte incontornável das nossas vidas. Se a imprensa, ou melhor, se alguma imprensa acha pertinente chamar a atenção para o que escrevemos, fá-lo por livre e espontânea vontade e não porque inventámos um nome pomposo e passámos a achar-nos mais importantes do que realmente somos.

      p.s. – se realmente conseguires reunir as várias vezes que fomos citados, envia-nos por e-mail. É que nós só demos por isso quatro ou cinco vezes…

  20. E bola não se discute por aqui? Será que Pereira joga a defesa? Caneira na esquerda?

    PS. Assumo que não estou muito informado sobre as competências dos sócios eleitos pelo Conselho Leonino, mas se são 30 sócios, e cada um decidisse emitir um comunicado cada 2ª feira a criticar o clube, pelas minhas contas, seriam 30 cretinos que não deviam pertencer ao Conselho Leonino.

    O Eduardo Barroso, o ROCosta, e o Dias Ferreira são maus a falar na tv.

    Qual é a opinião da AAS sobre a exposição actual destes dois membros do CL e do presidente da AG?

    Qual seria a opinião da AAS se os três emitissem um comunicado cada 15 dias?

  21. Caros AAS e simpatizantes,
    para encerrar a minha argumentação, queria só convidar-vos a fazerem um exercício simples.

    Imaginem que são presidentes de um clube. Imaginem que esse clube atravessa uma crise de exibições e resultados e que vocês, mesmo tendo a noção de que a situação é insustentável, dão um voto de confiança ao homem que escolheram para treinador.

    Passam essa mensagem à restante direcção e ao denominado conselho, mesmo sabendo que, tal como a maioria dos adeptos, muitos dos presentes em ambos os “poleiros” estão contra a continuidade do técnico.

    De repente, abrem o jornal e encontram um dos membros da vossa direcção a “cascar” forte e feio no treinador. Abrem outro jornal e dão de caras com um comunicado, assinado por membros do conselho, que exige a demissão do treinador. Ligam a televisão e… cucu, mais um director a questionar a continuidade do técnico.

    Pergunto-vos eu: em que é que este tipo de atitude favorece o vosso clube?

    Fica ao vosso critério.

  22. Não me parece assim tão mau existirem opiniões divergentes, julgo é que no Sporting elas são dadas mal,sem timing e pelas pessoas incorrectas. Os paineleiros não fazem mossa nenhuma, aliás estarem lá estes ou alguem nomeado pelo JEB era a mesma coisa,todos apoiavam Bento mesmo que se visse nas caras que o sapo estava ali mesmo, a fazer força para abrir a boca e saltar cá para fora, não ficaram bem na foto.Depois há os ex-orgãos sociais, e esses sim,pelo papel que já desempenharam no clube,deviam comentar o que quisessem dentro de portas em vez de vir para a rua dizer merdas que depois não servem para nada,apenas para gerar mais instabilidade e confusão,onde fica o Sportinguismo?
    Existem certamente opositores, esses têm mantido uma postura sóbria, ninguem atacou despudoradamente Bento ou os jogadores,mesmo quando o barco encalhou e quase virou.
    Olhando para o lado,vejo que pelo Porto se critica logo que o treinador se engana numa substituição ou perde um jogo na champions,a diferença é que todo o mundo sabe que quando tal sucede não se está a pôr em causa o presidente ou a política desportiva do clube,está-se somente a exigir mais,o que é um hábito por aqueles lados apesar do chorrilho de titulos dos anos mais recentes.
    Isto significará que em alvalade falta à muito, uma liderança sólida e incontestada, alguem que defenda intransigentemente a instituição, que a faça crescer estruturadamente, que contrate bons jogadores sem hipotecar as finanças, que arranje treinadores que ganhem titulos e que não sejam jarras intocáveis,que diga as coisas certas quando aparece em público,que faça de todos nós Sportinguistas,uma plebe mais feliz à segunda-feira (e à terça e sexta,porra que já não sei os dias em que se joga à bola).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s