Os senhores que se seguem

Roda ao meio dia e, a vermelho, estão os clubes que, para já, gostava de evitar (embora não me importasse de ver o recuperado Quaresma em Alvalade)

ACTUALIZAÇÃO
Sorteio simpático: Lille, Levski Sofia e Gent

Pote 1
Atlético Madrid (Esp)
Liverpool (Ing)
Sevilha (Esp)
FC Porto (Por)
Villarreal (Esp)
CSKA Moscovo (Rus)
PSV Eindhoven (Hol)
Zenit St. Petersburgo (Rus)
Juventus (Ita)
SPORTING (Por)
Estugarda (Ale)
AZ Alkmaar (Hol)

Pote 2
Steaua Bucareste (Rom)
Lille (Fra)
Dinamo Kiev (Ucr)
Anderlecht (Bel)
Bayer Leverkusen (Ale)
Paris Saint-Germain (Fra)
Club Brugge (Bel)
Palermo (Ita)
Getafe (Esp)
Besiktas (Tur)
Manchester City (Ing)
Sampdoria (Ita)

Pote 3
Sparta Praga (Che)
AEK Atenas (Gre)
Metalist Kharkiv (Ucr)
Levski Sofia (Bul)
Rosenborg (Nor)
FC Salzburgo (Aut)
CSKA Sofia (Bul)
Odense (Din)
Nápoles (Ita)
Borussia Dortmund (Ale)
Dínamo Zagreb (Cro)
BATE Borisov (Blr)

Pote 4
Aris Salónica (Gre)
Rapid Viena (Aut)
PAOK Salónica (Gre)
Lech Poznan (Pol)
Karpaty Lviv (Ucr)
Young Boys Sui
FC Utrecht (Hol)
AA Gent (Bel)
Lausanne (Sui)
Sheriff Tiraspol (Mol)
Debrecen (Hun)
Hajduk Split (Cro)

Anúncios

RESPIRA LEÃO!

Respira, respira fundo, vamos todos respirar, vá…. ahhhhhhhhh…. respiremos!

Os problemas estão todos lá, mas não interessa nada hoje. O que interessa é que ganhámos oxigénio, houve coisas boas, marcámos três golos, todos improváveis normalmente. E, agora, no balneário, no avião, amanhã na Academia, está toda a malta bem disposta, a brincar, a conhecer-se (“olha, tu é que és o André Santos, prazer, sou o Liedson”).

Respira Paulo Sérgio, cuja louca teimosia no Djaló rendeu. Calou-nos a todos. Foi do Djaló o momento mais importante do início de época do Sporting e da própria carreira do Paulo Sérgio. E ele respondeu, com classe! Sem frangos, sem ressaltos, sem buracos… limpinho!

Respira Paulo Sérgio, que vem aí o Pedro Mendes para agarrar a equipa neste 4-4-2 gelatinoso.

Respira Costinha, que já há dinheiro para ir buscar um avançado a sério, daqueles que marquem golos e não atrapalhem os outros.

Respira João Pereira, que se te aguentares jogas os jogos todos desta época.

Respira Evaldo, que inauguraste uma nova comemoração de golos, o “manguito imparável”.

Respira Carriço, porque tens um grande central ao teu lado. NAC-1, Moutinho-0! E os cantos são todos dele.

Respira Patrício, que salvaste o Sporting. Com classe, desafiando a balística.

Vamos respirar, malta! Esta noite, vamos respirar! Na 2ª feira logo se vê. Agora vamos respirar que até a comida nos vai saber melhor!

Odeio…

O Hélder Postiga e a sua participação inócua no processo de construção de jogo…

O Abel e o seu futebol trolha de lateral das distritais…

O Yannick Djaló e os seus constantes erros técnicos básicos…

Nem o melhor treinador do mundo poderia salvar uma equipa composta por fulanos desta índole.

O Sporting é uma mulher que se ama

“O Sporting é uma mulher que se ama”.

É a ideia mais profunda que vi escrita sobre o Sporting nos últimos anos. Pertence a Ivone De Franceschi, que deu esta semana uma entrevista que me fez pensar. Sobre o Sporting, sobre nós.

“Sinceramente não sei porque recebo tanto afecto [dos adeptos do Sporting], recebi mais do que dei, mas a vida tem estes mistérios. Nem tudo o que é belo se explica”.

Eu gosto muito do De Franceschi. Ele diz que não sabe porquê. Eu sei. Foi campeão pelo Sporting. Tinha uma óptima personalidade, dava ao futebol leonino algo relativamente raro (profundidade, simplicidade, rigor, dedicação e regularidade). Não era extraordinário, era eficaz. E apaixonámo-nos. Mas apaixonámo-nos porque ele foi campeão. E essa é a poesia negra do futebol. A poesia negra que, nos tempos que correm, envenena tudo e todos. Quando não se ganha, o feitiço quebra-se e ficamos sós, com as nossas frustrações.

O Sporting é uma mulher que se ama. A frase ecoa na minha cabeça há dois dias. Até podia ser um cântico. Uma tarja permanente no estádio. Porque, tal como as mulheres que se amam, o Sporting leva-nos ao desespero. Leva-nos a isto: “Esta ‘squadra’ tem de perder o medo. Assim que se sentir tranquila, vai poder exprimir-se”, uma profecia do poeta italiano.

Nós não damos tranquilidade, porque estamos envenenados. De anos de frustrações colectivas e vidas desportivas complicadas. O Sporting é como uma mulher que se ama… mas que também se odeia por fazer-nos mal. Porque cuida-se pouco, trata-se mal, é invejosa, maldosa, incompetente. E quando se ama uma mulher assim, depois de anos a fazer-nos mal, não lhe damos tranquilidade, somos quase só rancorosos.

Alimentamo-nos um ao outro. Ela com medo, cada vez mais feia por causa dele. Nós tão embrulhados nos seus defeitos que mascaramos o nosso amor por ela. Estamos assim. Um amor doentio cada vez menos correspondido que arrisca asfixiar a bela mulher que cada vez mais só existe na nossa cabeça. Tão insano que basta um brinquinho novo para nos pôr a ferver de paixão outra vez, por instantes… uma paixão tão intensa como efémera, que se esvai na mais pequena insuficiência futebolística.

O verdadeiro amor está nos olhos de quem vê… essa é a responsabilidade que temos. Amar incondicionalmente. Para tentar curar o medo que torna feio este Sporting, o medo que nos impede a todos de ser felizes. Sob pena de um dia já só nos definirmos pelo rancor e não pelo amor.

Sem golle

É bem verdade que, dificilmente, Pongolle valerá os 6,5 milhões que custou. Mas, parece-me, começa a tornar-se num mistério o facto do rapaz nem sequer ser convocado (ao contrário do Tonel que, já se percebeu, está para sair para quem der mais).
Duvido, muito sinceramente, que Pongolle seja pior jogador que Yannick, Postiga ou Saleiro. Não é um goleador? Não é não senhora, e se o compraram com esse objectivo então ainda são umas mais repimpadas bestas do que eu pensava. Mas, e principalmente quando Paulo Sérgio opta pelo 4-4-2, exigindo a um dos avançados mobilidade para surgir nas alas e nos espaços entre os centrais e os laterais, creio que jogador poderia ajudar a melhorar um bocadinho as coisas.
E já nem vou falar da importância de tentarmos valorizar um gajo que nos custou uma pipa de massa…