Falemos, então, de coisas bonitas


O futsal continua a dar-nos alegrias (enorme vitória sobre o campeão espanhol) e a ser motivo para os Sportinguistas estão vivos e bem vivos.
E, a propósito de futsal, foi fantástica a intervenção do Benedito, em pleno relvado de Alvalade, antes do jogo com os tripeiros, não foi?
Para mim, temos ali futuro director desportivo.

Estou farto de ti, ó Nuno Ribeiro!

Ou Maniche, se preferires.
Estou-me literalmente a cagar para que batas no peito quando marcas um golo. Aliás, até podes vir a marcar dez golos que nos levem à final da Liga Europa, que continuarei a estar farto de ti e a contorcer-me de nervos quando penso que deves estar prestes a renovar por mais um ano.
Estou farto da tua falta de pernas para um jogo com um ritmo um pouco mais elevado (contra o Porto, duraste 40 minutos).
Estou farto de ver-te dar porrada, pondo constantemente em risco acabarmos o jogo com 11.
Aliás, acho uma vergonha teres sido titular, no sábado. Se eu fosse teu colega de equipa, sentia-me no pleno direito de, quando me apetecesse, espetar um porradão num adversário e ser expulso. E, depois, de exigir manter a minha titularidade, por mais que tivesse prejudicado a equipa. E, porque deves ter mesmo essa certeza de que és sempre titular, deste-te ao desplante de voltares a agredir um jogador de forma vergonhosa.
Tenho pena, muita mesmo, que não tivesses voltado a ver o vermelho. Podia ser que alguém se passasse da cabeça e te fosse aos cornos a ti e a quem te põe a jogar.

Então e agora, já podemos contar convosco para correr estes vassalos da direcção do nosso Sporting?

“A Associação Juventude Leonina vem informar e explicar o porquê de ter retirado a sua faixa oficial no jogo do passado sábado, dia 27, contra o F. C. Porto.
A Associação Juventude Leonina retirou a faixa oficial da claque em forma de protesto contra a actual direcção do Sporting Clube de Portugal devido ao seguintes factos:

A Associação Juventude Leonina tinha uma coreografia preparada para este jogo, onde durante 2 semanas várias pessoas cederam o seu tempo e onde foram gastos algumas centenas de euros para a elaborar. Pois que a direcção do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL impediu que a mesma se realizasse.

A coreografia consistia na abertura de uma frase na bancada B que iria dizer: “PASSAM JOGADORES, PRESIDENTE E TREINADOR…” complementada com uma outra frase que seria aberta na bancada A, que dizia: “MAS SÓ O SPORTING É O NOSSO GRANDE AMOR”.

Pois a direcção do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, decidiu retirar a primeira frase, depois desta já estar colocada. A direcção da Associação Juventude Leonina achou por bem e em forma de protesto, não abrir frase nenhuma relacionada com a coreografia, bem como retirar a sua faixa oficial.

A juntar a isto, também foi barrada a entrada pelo SPORTING CLUBE DE PORTUGAL a elementos da Juventude Leonina que tivessem vestida uma camisola que dizia nas costas “TRIPEIROS…NÃO OBRIGADO”. Vergonhoso!

Como se não basta-se, na porta 3 mandaram colocar o corpo de intervenção da PSP que fechou várias entradas desta porta o que levou a que vários sócios do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, entrassem no estádio já com mais de 15m de jogo. Mais uma repressão policial na sequência dos ultimos acontecimentos verificados em Coimbra.

Resumindo fomos censurados em nossa própria casa, enquanto os do norte abriram as frases que quiseram, fizeram a coreografia que quiseram e insultaram e ofenderam o SPORTING CLUBE DE PORTUGAL da forma que quiseram, tudo isto com o consentimento da Direcção do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL.”

É isto que temos! (Sporting C.P. 1, F.C. Porto 1)

O Sporting não é mais do que isto. Uma equipa incapaz de segurar um jogo em inferioridade numérica. E sem ideias para capitalizar a vantagem de jogar em superioridade. Um treinador sempre ao sabor da maré. Sem capacidade para intervir no que o desenrolar do jogo oferece. É triste. Nesta didatura em que ninguém ousa afirmar-se como alternativa, o caminho só pode ser uma revolução. A cultura de exigência neste clube não pode ser isto. Só isto!

A paixão

 Sou do Sporting desde os cinco anos.
Não me perguntem o que me levou a escolher o clube do leão, pois os 28 anos passados sobre essa data não me permitem ter noção da razão da minha escolha.
Escolhi, pronto. E, quase três décadas volvidas, sinto-me amargurado com o meu clube como penso nunca ter-me sentido.
Parece que, a cada novo dia, há um motivo extra para irritar-me, como que convidando a desligar-me, aos poucos, de algo que faz parte de mim desde sempre.
A verdade é que, por mais que queira, não consigo ficar indiferente ao que se passa com o meu Sporting, muito menos na véspera de um jogo onde temos muito a ganhar, a começar pelo respeito pela camisola verde e branca.

Se cresci a achar que podíamos ganhar a tudo e todos com equipas onde cabiam Leal, Miguel, Barny, Eskilsson, Ali Hassan, João Luís II, Vital, Quim Berto, Rodolfo Rodriguez, Ivo Damas, Luís Miguel, Luís Filipe, Nené, Vinícius, Leão ou Bruno Marioni, entre tantos outros, treinados por pérolas como Cantatore ou Waseige, porque razão teimo eu em duvidar dos actuais jogadores e treinadores?
Se sempre apostei que ganhava ao Nápoles de Maradona e Careca, ao Inter de Klinsmann e Matthäus ou a qualquer Porto de Mourinho, porque razão hei-de fazer o contrário perante o Porto de Hulk e Falcão?

“É uma questão de paixão”, respondo a mim mesmo.
A mesma paixão que fazia encher o velhinho Alvalade.
A mesma paixão que me fez acreditar, mesmo quando não ganhávamos nada.
E amanhã, dia em que volto a Alvalade, é precisamente isso que peço que me devolvam.
A paixão.

Lenha para a fogueira

No excelente post que escreveu abaixo, Douglas diz “De tão pequeno que aparenta ser, Costinha foi outro dos cobardes desta história […]  alguém vai atirar várias pedras e fugir…”.
Ora, se este artigo for verdade, parece que o rei dos fatos está farto de atirar pedras e tem enorme peso em muita da merda que vai fazendo com o que nosso clube nos cheire mal. Muito mal.