O Bloco de Notas do Gabriel Alves – jornada 8

É um estádio bonito, novo… arejado
Sporting – Gil Vicente
24 Outubro 2011
20h15, Estádio José Alvalade

Uma humidade relativa, muito superior a 100%
Pese estar a chover o que não choveu no último mês e meio, ainda por cima com a água tocada a vento daquele que nos lixa o penteado, as previsões apontam para 40 mil em Alvalade. A confirmar-se, é caso para dizer que o Sporting está, definitivamente, de volta.

A selecção do Mali tem um futebol com perfume selvagem e com um odor realmente fresco…
O Gil começou a época a empatar a 2 com o Benfica, num jogo com golos manhosos para os encarnados. Depois, foi roubado de forma escandalosa no Dragão, perdendo 3-1. Entretanto, perdeu 3-1 em Braga e fecha em Alvalade o ciclo de jogos mais complicados numa posição confortável na tabela (pese a pouca diferença para os lugares de despromoção). Chegam a Alvalade com um futebol que aposta nas saídas rápidas para contra-ataque e numa considerável eficiências nos lances de bola parada.

Este homem é um Mister
Paulo Alves tem lugar na galeria de matrecos que vestiram a camisola do Sporting. Ainda assim, melhor do que na galeria dos barretes ou das valentes merdas. Como treinador, encontrou em Barcelos um clube que gosta de si e do qual ele gosta. Não sei se vão ser felizes para sempre, mas sei que o rapaz merece o meu aplauso por tentar colocar a sua equipa a jogar à bola em vez de apostar no célebre autocarro.

Ele é excelente nestes lances porque a bola está morta e passa a estar viva
Pedro Moreira, no meio-campo, e Laionel, no ataque, são jogadores que se destacam na equipa de Barcelos.

A vantagem de ter duas pernas!
Está na hora do Halisson conhecer o Wolfswinkel.

E agora entram as danças sevilhanas da Catalunha
Domingos, estamos todos ansiosos por continuar a alimentar a onda verde. Ou, se preferires, pela 9ª vitória. A receita, tu já a sabes: entrar bem e marcar cedo. Calculo que o Onyewu entre para o lugar do Carriço, o Insua para o lugar do Evaldo e o Carrillo para o lugar do Pereirinha, por isso a grande questão é quem vai juntar-se a Rinaudo no meio-campo? Schaars e Elias? Schaars e Matias? Matias e Elias?

Vamos jogar no Totobola
Sporting – Gil Vicente   1

Anúncios

Ao ritmo do Cantiflas

Na noite em que o Sporting praticamente carimbou o passaporte para a fase seguinte da Liga Europa, e em que o futebol português teve o prazer de passar a conhecer túneis que não envergonham quem quer que seja, obras assinadas por Matias Fernandez e por Carrillo, há vários pontos dignos de destaque:
– impossível não destacar Matigol, com pormenores deliciosos ao longo da partida, dois deles directamente ligados aos golos. Primeiro, a cueca (eu tinha pedido desculpa ao romeno), depois a classe com que finalizou, de trivela. Pelo meio, lampejos de classe e daquele jogador que queremos ver não apenas na selecção chilena (até tivemos direito a um livre a sério) e muita vontade de ajudar. Sobe a olhos vistos e a equipa só tem a ganhar com isso (para além de ser um luxo tê-lo a ele e a Elias a refrescar a equipa em semanas mais sobrecarregadas);
– depois, Capel. A arrancada no segundo golo é uma maravilha e o jeito amarrecado coloca-o no coração dos adeptos. Está a ganhar ritmo, confiança, e é de sublinhar a empatia entre ele e as bancadas;
– Pereira, Polga, Carriço e Evaldo estiveram bem a jogar em conjunto. Enterrámos mais um fantasma?
– Carrillo é craque e foi um prazer vê-lo “a jogar na praia” com o Matias. Fez-me lembrar Quaresma na forma arrogante como encarou os adversários;
– O estado de alma dos adeptos que marcam presença nas bancadas mudou definitivamente. Estão com a equipa. E isso sente-se. Arrisco mesmo a dizer que, neste momento, já não ninguém no plantel que prefira jogar fora do que em Alvalade;
– Ver Gladstone como médio defensivo é algo que jamais esquecerei…

p.s. – vou passar a chamar Mary Poppins ao João Pereira. Só pode ter sido magia a forma como, com um simples toque na careca do Wesley, foi capaz de passar-lhe a acefalia.

Ponto de encontro

Seria impossível ficar indiferente à tentativa de reunir cacifeiros. E, para que seja mais simples, aqui fica o que está alinhavado:
– roulotte das boas, a partir das 19h. “É debaixo do viaduto do campo grande… a mais proxima do sinal junto ao antigo bingo do SCP.. E está carregada de miudas a atender… Não deves demorar muito a perceber qual é”, explica o GPS do Verdete.

Quem não tiver oportunidade de estar presente, já sabe que pode ir comentando o jogo em directo ou trocar opiniões no final. Onde? Aqui, claro!
Spoooooooooooooooooooooooooorting!

O Bloco de Notas do Gabriel Alves – Liga Europa, jornada 3

É um estádio bonito, novo… arejado
Sporting – Vaslui    
20 Outubro 2011
20h05, Estádio José Alvalade

Uma humidade relativa, muito superior a 100%
Num Alvalade cada vez mais verde (a minha vénia aos pintores), espera-se uma noite a pedir cachecol e qualquer coisa para além da camisola oficial. Nas bancadas deverão estar perto de 30 mil.

A selecção do Mali tem um futebol com perfume selvagem e com um odor realmente fresco…
O Vaslui é um clube pequeno, de uma terriola pequena, com um presidente cheio de dinheiro para gastar (não é à toa que o Wesley diz que ganha tanto como alguns jogadores do Porto). O resultado é uma equipa competitiva para a liga romena, com um mau arranque de época (eliminado nas pré da Champions, pelo Twente, derrotado duas vezes para o campeonato, em quatro jogos) mas que soube começar a dar melhor conta de si ocupando, actualmente, a sexta posição da liga. A nível europeu, chegou a Liga Europa eliminando o Sparta de Praga e fez um brilharete ao empatar no Olímpico, com a Lazio (2-2), o mesmo resultado que viria a registar na recepção ao Zurique. Em Alvalade, jogarão com toda a certeza à espera de um erro nosso para lançar contra-ataques rápidos, transformando o 4-5-1 num 4-4-2.

Este homem é um Mister
«O jogo em Lisboa vai ser cinco vezes mais difícil que o derby com o Steaua Bucareste», afirmou Viorel Hizo, o homem que já treinou na China, que venceu a Intertoto há três anos e que já deu tantas voltas aos clubes romenos como o Mário Reis e o Vítor Manuel nos seus tempos áureos.

Ele é excelente nestes lances porque a bola está morta e passa a estar viva
Os dois jogadores em maior destaque no clube romeno são nossos bem conhecidos: Pavlovic, o médio sérvio que passou pela Académica, e Wesley, um bom avançado, que deu nas vistas em Penafiel e confirmou créditos em Paços de Ferreira e no Leixões. Černiauskas, guarda-redes lituano, também costuma dar boa conta do recado

A vantagem de ter duas pernas!
Ver Gladstone, o homem que estuda pela net os avançados que vai defrontar, voltar a pisar o relvado de Alvalade é mais assustador do que pensar que vamos voltar a jogar com a defesa dos nossos pesadelos.

E agora entram as danças sevilhanas da Catalunha
Domingos, ganhar ao Vaslui é carimbar o passaporte para a fase seguinte da Liga Europa. Eu sei que é uma merda não termos Ogushi, Rodriguez, Ínsua e Elias mas, ainda assim, quer-me parecer que exageraste um bocado na conferência de imprensa ao dizeres que vamos defrontar uma grande equipa (tem o Wesley e uma três ou quatro calmeirões perigosos nas bolas paradas). Este Vaslui estará, em minha opinião, ao nível de um Marítimo ou de um Guimarães, mas isso pouco importa. Jogamos em Alvalade e esta é uma óptima oportunidade para aumentarmos a nossa série de vitórias, aumentarmos a confiança e fazermos crescer a onda verde.

Vamos jogar no Totobola
Sporting – Vaslui    1

O confirmar do que tantas vezes aqui se disse

«O primeiro a interessar-se foi o F.C. Porto, cheguei a ir conhecer o Estádio das Antas, mas depois o Aurélio Pereira convenceu-me a ir para o Sporting […] Tive uma formação muito boa, que no F.C. Porto não teria. Em termos humanos podia ter aprendido mais coisas, mas em termos desportivos o Sporting é enorme, com excelentes condições, do melhor que há na Europa», David Caiado em entrevista ao MaisFutebol.

No fundo, isto só vem reforçar o que aqui vamos dizendo de cada vez que levamos com putos a dizerem que sonham jogar aqui e ali ou a fazerem birras porque querem ir jogar para um qualquer clube de meio de tabela, em Espanha, Inglaterra ou Itália. No dia em que formarmos homens como a mesma qualidade com que formamos jogadores, seremos muito, mas muito maiores.

Piada (de mau gosto) do dia

«Simão Sabrosa esteve a um pequeno passo, no último defeso, de regressar a Alvalade e, sabe o DN, este é um processo que ainda não morreu, podendo ser reatado no próximo mês de Janeiro quando o mercado reabrir. O internacional português, nas conversas que manteve regularmente com Godinho Lopes, com quem mantém uma boa relação, fez ver que queria sair da Besiktas e que a questão salarial não era um problema. Por outro lado Simão tinha de consultar o Benfica, pois fez uma promessa a Luís Filipe Vieira de que os encarnados seriam sempre a sua prioridade quando voltasse a Portugal. E isso foi feito, tendo sido comunicado a Simão que Jorge Jesus não via com bons olhos a sua contratação.»