“Yo no solo quiero ganar; ¡también quiero sentir!”

A frase é fantástica, tal como a entrevista, ao El País. O protagonista? Jurgen Klopp, treinador do Borussia Dortmund. E se o clube é visto por muitos de nós, Sportinguistas, como um exemplo de dar a volta e regressar ao topo, eu acrescentaria que será um prazer, um dia, ler uma entrevista deste género, dada por um treinador nosso. Para já, ficam algumas linhas merecedoras da atenção de todos aqueles que gostam de futebol.

 

“No tengo ganas de pasarme el día entero pensando en cosas que podrían ser todavía mejor de lo que son”, dice Jürgen Klopp (Stuttgart, 1967), para explicar su optimismo compulsivo. El técnico del Dortmund, la revelación de la Champions, campeón alemán en las dos últimas temporadas, enseña una sonrisa poblada de grandes dientes y comienza a hablar.

Pregunta. ¿Por qué cambió la filosofía del fútbol alemán?
Respuesta.Se impuso a los clubes la obligación de tener centros de rendimiento: profesores de fútbol, entrenadores juveniles mejor preparados, y mejores condiciones. Y el que no los tenía, no conseguía licencia ni para Primera ni para la Segunda División. Eso fue muy útil y ahora tenemos una cantidad increíble de jugadores con talento. No dejan de aparecer nuevas promesas. Nos hemos vuelto más valientes sacando al campo a chicos de 17 años. Las cosas han cambiado tanto que ahora lo que nos falta es el juego aéreo. En la selección no hay un solo cabeceador.

P. ¿Y la Bundesliga?
R. Es fantástica para el espectador. No es la mejor, pero sí la Liga más atractiva de Europa. Va bien en lo económico y hay una competencia muy reñida. Bueno, el Bayern gana un poco más… Y tenemos estadios nuevos. En Sevilla he estado en los dos estadios: son viejos y sin ningún confort.

P. ¿La tradición del líbero fue buena para el fútbol alemán?
R. El gran impulso evolutivo de principios de los 90 vino con el cambio a un marcaje por zonas centrado en el balón. Ya no se marcaba al jugador. En Alemania, hasta 1994, si tu marca se movía, le seguías hasta el baño. El marcaje en zona hizo que no tuvieras que limitarte a destrozar el juego contrario, sino que podías desarrollar tu propio juego. Tardamos en implementar el 4-4-2.

P. ¿Y los líberos?
R. Fueron perfectos en su momento. Tuvimos a Beckenbauer, a Matthäus, y a Sammer en 1996. Jóvenes que hacían un juego muy inteligente. Pero insistir en eso sin tener un diseñador del juego desde atrás ha sido perjudicial.

P. ¿Cuál fue su mayor fuente de inspiración como técnico?
R. El ballet blanco, el Real Madrid de hace unos años. Entonces pensé: “Si a ese potencial futbolístico le sumamos un plan defensivo… lo convertiría en el equipo perfecto”. Y eso hizo el Barça.

P. El protestantismo inculca el ahorro y la austeridad. ¿Cree que por eso los clubes alemanes fichan menos y los mediterráneos despilfarran?
R. El Mundial de 2006 supuso la mejor publicidad para Alemania. No sabíamos que podíamos ser tan despreocupados, felices y alegres como país. Tuvimos cuatro semanas de clima español, lució un cielo azul. Todos estaban de buen humor, todos amaban la vida. Pero también está dentro de nosotros no gastar más de lo que se ingresa; aunque el Dortmund lo olvidara durante un par de años antes de que yo llegara… El ahorro es un rasgo típico alemán. Pero no es tan triste como parece. Nos divertimos mucho.

P. El Dortmund rozó la bancarrota en 2005. ¿Su equipo es el resultado de la crisis?
R. Cuando el club casi había sido rescatado se dieron cuenta de que había que recobrar vitalidad. Y buscaron un entrenador vitalista, que apuesta por un fútbol vivo, que se divierte, que ríe a pesar del descenso del Mainz 05… Si no tienes dinero y, a pesar de todo, quieres calidad, tienes que ser valiente. Y hemos fichado a jugadores muy jóvenes. Formamos una comunidad muy fuerte. Hemos crecido juntos. No tener dinero no significa no poder seguir trabajando, significa solamente que hay que encontrar otros caminos. El club ha seguido su camino con un entrenador de Segunda y un equipo muy joven. Y hemos sido campeones dos veces, lo que nos ha sorprendido.

P. ¿La imagen del Dortmund como club de trabajadores es real o forma parte del folclore para diferenciarse del Bayern?
R. No, la región es así. Este es un genuino club de fútbol: como uno imagina que debe ser. Y nos encanta que siga siendo un club y no una empresa donde se dice: “hoy éste, mañana aquél…”. Queremos trabajar en equipo con la gente durante más tiempo. Llevo cuatro años y mi contrato acaba en 2016. Así se pueden desarrollar cosas nuevas. Veo ahora a jugadores de 10 o 13 años y los entrenaré en cuatro años.

P. ¿El Bayern sigue siendo el establishment?
R. El Bayern ha tomado decisiones increíblemente buenas desde los años 70. Es el club más rico de Alemania y el más saneado de Europa. Y ficha buenos jugadores y buenos entrenadores.

P. ¿Le ha sugerido alguna idea nueva La Masia?
R. No. Hacemos las cosas a nuestra manera. Copiar nunca es bueno. Somos el único club del mundo que tiene un Footbonaut [dispositivo mecánico de entrenamiento del pase que actúa con estímulos de color para adiestrar la velocidad de reacción y la técnica].

P. ¿En qué se diferencia el Dortmund de la selección?
R. En la mentalidad de los entrenadores. Nosotros somos más vivos. Soy más temperamental que Jogi [Löw]. Ese es también mi problema, ser muy emocional. Cuando llegué al Dortmund, dije: “Si 80.000 personas vienen cada dos semanas al estadio y en el campo se juega un fútbol aburrido, una de las dos partes, el equipo o los fans, tendrá que buscarse un nuevo estadio”. Muchos de nuestros fans recorren 800 kilómetros para vernos y vivir algo especial. Hay que ir a todo gas. Lo hemos llamado fútbol a todo gas. Queríamos derrochar vitalidad. Preferíamos dar cinco veces en el larguero que quedarnos cuatro veces sin tirar a la portería. Mejor perder. Ese fue el comienzo. Tienes que vincular a la gente al club. Los partidos deben tener un efecto más allá del resultado. Todo el mundo sabe que se ha ganado 3-1. Pero lo que se siente es el tiro, el gol, la parada: eso lo llevas dentro toda la semana. Si ganas 1-0 y el juego ha sido muy vivo, el fútbol queda legitimado. No me interesaría tener a Xavi, Messi y Cristiano en el mismo equipo… Ser mejor de todas todas es como si me pongo a jugar al tenis contra una niña de tres años y estoy al otro lado y remato con fuerza y la niña está ahí de pie con la raqueta… no es divertido. Pero si al otro lado hay un hombre y jugamos al ping-pong, si gano está bien y si no gano probablemente me haya divertido. Para los aficionados es como una droga. Yo no solo quiero ganar, ¡también quiero sentir!

P. La masa salarial del Dortmund es menos de la mitad que la del Bayern, y menos de un tercio que la del Barça y el Madrid. ¿Cómo retiene a los jugadores?
R. Hablamos de unos 60 o 65 millones… Incluso el Tottenham paga mucho más. Pero somos uno de los seis equipos de Europa que podemos ganar títulos. En España, el Barça y el Madrid. En Inglaterra, el United, el Chelsea y el City. En Italia, solo la Juve. Nuestros jóvenes saben que en otro lugar podrían ganar más dinero. Pero aquí pueden hacer historia. Si llegas ahora al Barça serás campeón, campeón y campeón, pero ya lo eran los 10 años anteriores.

P. ¿Su estilo se aproxima más al Madrid o al Barça?
R. Al Barça por la presión. Por la defensa alta. Todos quieren jugar como el Barça, pero no es posible. El Barça tampoco podría sin Xavi, Iniesta y Messi. Pero su plan defensivo es perfecto. Quizá ese sea también el problema de Mourinho: que aunque ha pensado mucho en mejorar defensivamente, lleva años sin fichar un defensa, porque a nadie la ha interesado quién juega detrás. Nosotros queremos ser muy, muy rápidos con la cabeza y las piernas. Todo a máxima velocidad. No hay defensa frente a lo que hagas de forma rápida y precisa.

R. ¿Por qué contra el Madrid renunció al balón?
R. Ese día tuvimos la mejor idea porque sabíamos quién tiene problemas cuando domina el balón. Sabíamos adónde enviarían los pases, cómo buscarían a Cristiano. Nuestro plan fue dejar fuera de juego a Xabi (disculpa, Xabi, pero ese era el plan A). Porque si Alonso puede jugar como quiere es imposible defenderse del Madrid. Y Götze lo tapó. Sabíamos que si nuestros laterales, Piszczek y Schmelzer, se movían mucho, la ventaja estaba de nuestro lado con Cristiano. Si bloqueas a Xabi, obligas a Pepe a tener siempre el balón. Y eso supone una diferencia.

P. ¿Los jugadores son sus amigos?
R. No. Ellos son amigos míos, pero yo no soy amigo suyo. Eso no funciona.

P. ¿Le temen?
R. Cambiaría eso si pudiera. Me gustaría ser más tranquilo. Bueno, esto de la cara… No sé por qué ocurre. Siempre aprieto los dientes. Cuando veo un niño pequeño, un bebé, aprieto los dientes. Resulta horroroso, el niño empieza a llorar y tengo que marcharme. Con los árbitros, parecido. Pero cuando estoy exultante de alegría tengo un aspecto muy similar. A veces me da miedo esa cara, pero la conozco desde hace 45 años. Se sobrelleva. Cuando juego al tenis, doy un golpe de derecha y también me ocurre.

P. ¿Es supersticioso?
R. A veces. Aunque no tengo buena memoria para eso. Olvido lo que he hecho. Por ejemplo, atar los cordones de los zapatos, derecha, izquierda, la próxima semana ya no sé cómo se hace…

P. ¿Siente que su equipo se ha hecho a la Champions?
R. Teníamos que ofrecer estos resultados internacionalmente para que ahora nos miren todos los periódicos ingleses. El año pasado celebramos una doble victoria y no interesó a nadie. Arrebatamos ocho puntos al Bayern, los derrotamos 5-2 en la final de la Copa. Y el mundo entero dijo: “¿y qué?”. Y llega la Champions, vencemos al Madrid, vencemos al City y ahora nos miran todos.

P. ¿Y su favorito entre todos los jugadores del mundo?
R. Messi es el mejor. Pero tiene que haber vida en algún lugar ahí fuera, en algún otro planeta. Porque él es demasiado bueno y nosotros somos simplemente demasiado malos para él… A mí no me interesa quién es el mejor, sino quién saca lo mejor de sus posibilidades. Con el que disfruto realmente es con Michu del Swansea. Nadie lo conocía, ahí está la emoción. Todo el mundo conoce al mejor, cualquiera sabe quién es el mejor. Pero ¿quién resulta fascinante?

P. ¿Y el mejor entrenador?
R. Del Bosque es un superentrenador pero tiene un equipo extraordinario. Sería interesante ver qué hace con Osasuna. Soy el entrenador del año en Alemania, pero lo de Christian Streich en el Friburgo es increíble. Como yo antes en el Mainz: hicimos algo realmente bueno pero no le interesaba a nadie. El mejor no siempre es el que tiene el mejor equipo. Cualquiera podría entrenar a mi equipo. Quizás no se conviertan todos los jugadores en maestros, pero lo que es entrenarlo, eso puede hacerlo cualquiera, son superjugadores. Si tienes un equipo con poco talento y, sin embargo, tienes éxito, entonces es emocionante.

P. ¿Qué le aportó Guardiola al fútbol?
R. Lo más impresionante del Barça es con qué ganas juegan. Messi marca y grita de júbilo como si fuera la primera vez. Xavi recibe cada balón como si fuera el primero de su vida. Y tienes la sensación de que querría cogerlo y besarlo y contemplarlo y seguir jugando. Lo mismo Iniesta. Busquets es el antipático en el centro del campo, el responsable del trabajo duro. Puyol es increíble, un peinado espantoso, pero un superjugador, un ser humano de primera, con un corazón muy grande, se rompe el codo y al cabo de dos semanas está jugando otra vez. Con cuánta motivación luchan por la victoria. En eso son un modelo. Leí una entrevista a Xavi. Le preguntaban si quería ser entrenador y él decía: “No tengas tanta prisa, déjame disfrutar de mi época de jugador”. Y piensas: “Juegas al fútbol cada dos días desde hace 20 años ¿y aún quieres seguir?”. Eso lo dice todo sobre el juego, pero también sobre Xavi. Son los mejores del mundo. Y eso lo ha impulsado Pep, está claro. Ha sido un trabajo excelente. Pero no siempre tendrá jugadores como esos en todos los clubes, y él lo sabe. Ahora tiene que enseñarnos cómo se hace cuando los jugadores son algo menos buenos.

Anúncios

78 thoughts on ““Yo no solo quiero ganar; ¡también quiero sentir!”

  1. “No tener dinero no significa no poder seguir trabajando, significa solamente que hay que encontrar otros caminos.”

    Esta afirmação deve ser a filosofia de base do Sporting nos próximos anos.

    • exacto jonas.

      Vamos ter um orçamento próximo do que tivemos com o Paulo Bento. Com competência, criatividade, unidade, trabalho e o talento da cantera, é possível regressar á Champions, que deve ser o objectivo a curto e medio prazo.

      • a parte mais simples para mim é:
        “Pero también está dentro de nosotros no gastar más de lo que se ingresa;”

        isto é a dura realidade, obviamente que podemos fazer mais que temos feito e devido a alguns problemas que temos o nosso orçamente durante alguns tempos vai ser miseravél mas nunca se pode perder a ilusão e saber o que é ser sporting.
        agora o problema vai ser os cabeças duras de adeptos aceitarem isso e não irem pró estádio assobiar.

        porque apesar de tudo quando sair o plantel do ano que vem vai ser tudo a reclamar que os putos não têm qualidade suficiente, etc… esse sim é o problema do sporting a quantidade de visionários fora da realidade e o barulho que fazem.

    • O Sporting tem que apostar em reforços de categoria, relativamente baratos e que não joguem nas selecções.

      Danilo Dias, Douglão, Leandro Salino, Mossoró, Carlão, Jefferson, Steven Vitória, Diogo Valente, Bruno Gama, são algumas das opções.

      O Sporting também que procurar mais receitas alternativas e uma delas é a aposta no merchandising especialmente no preservativo Sporting e no papel higiénico Sporting.

  2. Tão relevantes como as respostas são as perguntas. Isto é jornalismo diferente. São perguntas a sério que suscitam respostas a sério. Absolutamente fantástico.

    • Calma.. as respostas são muito boas mas as perguntas não foram nada de especial e ao nível do que já vi cá no burgo, também. Agora claro depende é dos canais ou jornais que vês/lês.

  3. Um homem certamente muito, muito inteligente. Pelo menos por esta amostra.
    Uma excelente entrevista. E Dortmnund pode-se gabar de ser tema de uma bela história, em que este será um dos principais protagonistas.

    Mas eu gostava, já agora, que houvesse mais calma com as comparações.

    Isto é, para que não haja confusões: no meu imaginário há muito de Sporting neste Dortmund. Só que na realidade não somos alemães. E há uma passagem que me desconsolou, e que foi aquela em que ele transmitiria aos jovens a ideia que para ganhar muito dinheiro e ser “mais um” teria que ser noutro sítio, mas que ali teriam o privilégio de ganhar menos, candidatando-se porém à imortalidade (mais coisa menos coisa). A modos que o pequeno Grande Gimli nos preparativos da batalha final contra as tropas de Sauron às portas de Mordor: “poucas hipóteses de vitória; uma morte quase certa; do que estamos à espera?”.

    Isto é aquilo que qualquer adepto percebe. Pelo menos qualquer adepto do Sporting. Só que isto, que é tão óbvio, esbarra depois em “montinhos” de merda de mentalidades pequeninas, e a realidade teima em desmistificar o sonho.

    Bem, parece que por terras de Dortmund há lugar para o sonho. E já não é mau, saber que é possível, algures.

  4. “No tener dinero no significa no poder seguir trabajando, significa solamente que hay que encontrar otros caminos.”

    Não falo a língua (se bem que a entrevista possa bem ter sido feita em inglês) mas não me parece que o conceito alemão de “não ter dinheiro” possa ser comparado ao português.

    Virar clubes “falidos” que devem entre 120 e 140 milhões de €; que têm, semana sim, semana não, 75 mil adeptos nas bancadas com rendimentos médios de 3 ou 4 mil € ou mais; que jogam em ligas verdadeiramente competitivas como a alemã… Isso é o Easy no CM (FM é radio, caralho).

    A quem pega em 400 milhões de dívida; 20 mil adeptos com rendimentos médios de meia dúzia de tostões; um campeonato de merda atrelado ao “sistema” como o português… isso nem no Very Hard. O nível de dificuldade “Sporting” só com código secreto. Haja unhas.

    • Totalmente correcto, infelizmente. Todavia, isso deve impedir-nos de lutar. Até porque os nossos inimigos se caracterizam pela sua extrema cobardia.

  5. Duas passagens que me pareceram particularmente interessantes, na óptica do Sporting:

    “Si no tienes dinero y, a pesar de todo, quieres calidad, tienes que ser valiente. Y hemos fichado a jugadores muy jóvenes. Formamos una comunidad muy fuerte. Hemos crecido juntos. No tener dinero no significa no poder seguir trabajando, significa solamente que hay que encontrar otros caminos. El club ha seguido su camino con un entrenador de Segunda y un equipo muy joven. Y hemos sido campeones dos veces.”

    “Este es un genuino club de fútbol: como uno imagina que debe ser. Y nos encanta que siga siendo un club y no una empresa donde se dice: “hoy éste, mañana aquél…”. Queremos trabajar en equipo con la gente durante más tiempo. Llevo cuatro años y mi contrato acaba en 2016. Así se pueden desarrollar cosas nuevas. Veo ahora a jugadores de 10 o 13 años y los entrenaré en cuatro años.”

  6. Creio que não deveríamos esquecer o nome que ele aponta na penúltima pergunta, quando lhe pedem para nomear os melhores treinadores: Christian Streich.

    • o friburgo com uma equipa mediana está em 5º ou 6 no campeonato, quem os quiser ver jogar eles amanha jogam com o bayern para a meia final da taça e o jogo dá na sportv

      eu vi o jogo da eliminatoria anterior com o mainz, eles aos 5 minutos estavam a perder 2-0, falharam um penalty na primeira parte, acabaram pro fazer o 2-2 de penalty ja depois dos 90, e no prolongamento ganharam o jogo

  7. Lugares do conselho Leonino são alterados de modo a que os seus lugares “previligiados” possam estar á disposição dos adeptos.

    São as pequenas coisas…

  8. o dortumund em 2005 estava numa situaçao um bocado parecida a nossa( e tinham ido a uma final da uefa em 2002), basicamente tinham de ser os rivais a emprestarem-lhes jogadores e o bayern chegou a dar-lhes 2 milhoes de euros.

    depois veio o presidente actual e mudaram de politica desportiva, apostando na formaçao.foram desencantar o Klopp que em 3 anos tinha levado o mainz da 3º a primeira divisao, nas primeiras 2 epocas ficaram em 6º e 5º e depois foram campeoes 2 anos seguidos.

    eles actualmente têm 80 mil no estadio em todos os jogos( um pouco menos na uefa devido a razoes de segurança) e num jogo do titulo tinham 80 mil la dentro e 100 mil á porta.

    como o pedro ribeiro disse no ultimo mais futebol sao uma especie de irredutiveis gauleses. o seu rival historico é o schalke, mas fora de Dortmund dificilmente encontras um adepto do clube.

    por exemplo eles para esta epoca subiram 2 ou 3 jogadores da formaçao(que praticamente nao jogam, ou so jogam quando nao ha mais ninguem, os da formaçaoa que jogam mais sao os que subiram na epoca passada como o Leitner) e basicamente foram buscar o reus por 17 mmilhoes, porque saiu o kagawa( e na epoca anterior tinha saido o sahin que entretanto voltou em janeiro, porque o perisic saiu)

    • Se bem que as grandes referências do clube não são da formação deles, foram contratados jovens para o clube – entre os 18 e os 21 anos.

      Houve uma grande capacidade de captação de jogadores jovens no próprio mercado alemão e arredores.

      • Nesse sentido damos 10 a zero aos alemães,enquanto eles tiveram que ir à 2ª e 3ª divisão buscar aguma qualidade,nós não o temos que fazer pois temos a formação.

      • o subotic tem 23, e está la desde os 17 quando o foram buscar ao schalke( onde esteve pouco tempo), o schmelzer é da casa, o gotze tambem, os polacos ja la estao há 6 ou 7 anos( com excepçao do piechzek)o gr tem 30 anos, mas é da casa, o kehl esta la ha 10 ou 11 anos, o leitner é da casa ,o gundogan tambem, o hummerls apareceu na primeira equipa com o klopp, o felipe santana tem 23 anos está lá ha 7.

        o ovomoywela tens razao veio de outro lado, o reus chegou este ano , o schieber o ano passado, o langerak lja la está ha anos. e t~em 2 putos centrais que ainda nao jogaram este ano e outro puto que jogou a semana passada a titular, o hoffman que é da casa.

        so nao sei de onde é o bender, ja que o irmao gemeo esta no leverkusen

      • eu nao disse que eram : o resu foi para la este ano, o subotic foi com 17 anos, mas foi o schalke quem o foi buscar aos estados unidos e os polacos qeu disse que ja la estavam ha muito tempo: e o kuba tem 26, esta la ha 8 anos, o lewandowski tem 23 ou 24mas esta ha 4 ou 5 tal como piezchek que tem 27

      • Eu quero uma equipa que prrratique um futebol lindo, seja com jogadores da formação, da segunda divisão ou bascos.

      • Correctíssimo Edu, a expressão recorrente, “fazer omelete sem ovos” não se deve aplicar no nosso caso, e estar-se a aplicá-la presentemente a JUJU ou a outro qualquer que se sente no nosso banco é redutor a nível do treinador, dos adeptos e da formação Leonina….

  9. Ainda na semana passada falamos de os sócios contribuírem, de alguma forma, para ajudar o clube depositando dinheiro numa conta. Eu proponho algo diferente. Algo à lá Dortmund. E se na próxima época comprarmos todas as gamebox disponíveis? Querem melhor contribuição que essa? E se os sócios que puderem fizessem um esforço titânico e pagarem já um ano de quotas?
    Apenas quem possa. São duas medidas que talvez fossem ajudar o clube. Um ano de quotas e gamebox, ainda que fosse a mais barata. Pensem nisto.

      • Mais nada Zandonaide.
        Para mim gamebox para o ano só mesmo se não puder. Este ano (depois das eleições) paguei logo 4 meses de cotas adiantadas.É o melhor que pudemos fazer para ajudar o SCP e o Presidente.

    • A minha está garantida, e acho que era uma excelente politica, isso e baixarem o preços das camisolas para que mais gente tenha acesso a comprá-las e para que o estádio fique pintado de verde e branco!

      SL

      • Urgente disponibilizar camisolas aos miúdos. Ir às mil escolinha que por ai pululam e fazer acordos de equipamentos. Pintar tudo que é relvadinho artificial :) e os jogos com os amigos levar as camisolas que os Lamps ficam logo todos nervosinhos :))

  10. Enorme Klopp e muito, muito boa entrevista. Este entusiasmo e sentido de construção colectiva é o que o Sporting precisa agora e sempre. Só nos temos de preocupar em fazer as coisas bem e de valorizar aquilo em que nunca deixámos de ser fortes: formação.

    Concordo em absoluto com o que Klopp diz em relação ao entusiasmo dos craques do Barça, que por muito que ganhem parece não diminuir em nada. O próprio Klopp demonstra um entusiasmo semelhante umas perguntas antes, quando fala de actualmente observar jogadores de 10 ou 13 anos que vai estar a treinar daqui a quatro anos… A isto se chama acreditar num projecto.

    Se dúvidas houvesse, agora já tenho a certeza por quem torcer na Champions.

  11. Já há algum tempo que defendo que deveríamos ter um treinador da escola alemã. Outra coisa interessante é o departamento de alto-rendimento desportivo existente no clube, de que ele fala na entrevista e que Bruno de Carvalho propôs ainda antes das eleições, algo que certamente nos permitirá fazer mais com menos.

  12. treinador alemão pelo futebol espetaculo mas a nossa mentalidade é muito diferente.
    um gajo que venha da alemanha para cá vai ter de ter tempo e o sporting quase nunca dá tempo.
    é um futebol e mentalidade diferente

      • Seara, QPR, Norwich

        Três equipas que tiveram o P.Sousa na segunda divisão… E esteve lá pouco tempo…

      • Eu queria diZer swansea mas aparentemente a escrita inteligente nao deixou escrever o nome completo… Mas o Paulo Sousa nunca teve um projeto em Portugal, e o Sérgio Conceição já.. Isto indica ou que ele é de outro nível ou que o seu empresário nao se movimenta cá ( outro nível quero dizer em termos monetários)

  13. Entrevista brutal! Este Klopp teve um mérito impressionante na recuperação do Dortmund. É bom que todos ponham os olhos neste caso…poucos recursos mas muita competência! Venderam-se os jogadores mais caros, apostou-se nos jogadores da formação e foram-se buscar jovens jogadores a outras equipas alemãs. O clube tornou-se sustentável e vencedor…passado 5/6 anos.

    A aposta em jovens jogadores com potencial (como os nossos) com tempo e paciência dará os seus frutos. Tenho muita confiança nos miúdos (André Martins, Dier, Ilory, Bruma, Cédric, Betinho, João Mário…)!

  14. De tudo o que disse, destaco a frase em que espelha dois dos principais aspectos diferenciadores do Futebol moderno e que há muito tempo desapareceu do relvado de alvalade, Rapidez e Precisão:

    “Nosotros queremos ser muy, muy rápidos con la cabeza y las piernas. Todo a máxima velocidad. No hay defensa frente a lo que hagas de forma rápida y precisa.”

  15. Adorei a entrevista. Oxalá possamos ter um dia no nosso banco um treinador com esta visão e optimismo. Assertivo, inteligente e com a necessária dose qb de loucura.

    O que mais me interessou nesta entrevista é verificar, uma vez mais que á muitas semelhanças entre as dificuldades actuais do Sporting e as que passou o Borussia Dortmund.

    Com o nosso Sporting, não tenho dúvidas de que vai ser tremendamente dificil, pois estamos em espiral recessiva e em contra-ciclo económico, mas como já não podemos fazer mais nada, depois do regabofe criminoso dos útlimos, temos que tentar.
    Eu estou disponível para contribuir, o melhor que souber e puder. Pode passar por pagar as quotas de uma ano inteiro + gamebox, como se falou por aí.
    É que pela primeira vez em muitos anos, temos um presidente que pensa como um adepto e não no seu próprio umbigo, vaidade e telegenia.
    Isso basta-me.

    SL

  16. “Nuestros jóvenes saben que en otro lugar podrían ganar más dinero. Pero aquí pueden hacer historia. Si llegas ahora al Barça serás campeón, campeón y campeón, pero ya lo eran los 10 años anteriores.”

    Bruma, le isto:)

  17. ó cherba, eu nao percebo tanta insistencia em treinadores estrangeiros de nivel médio! falas do treinador do friburgo porque? querias que ele viesse para o sporting? depois chegava cá e era um vercauteren! se temos uma liga tao especifica e temos treinadores tao bons porque raio ir buscar estrangeirada?!
    para além do nosso juju, temos marco silva, paulo fonseca, nuno espirito santo, domingos, jesus, leonardo jardim, avb, mourinho.

    P.S ó scp de viseu, vai ler o post anterior, ontem à noite deixei uma mensagem/convite para ti

    • o klopp na entrevista fala do treinador do friburgo, como sendo alguem como ele, que estao em clubes de media/baixa dimensao e com poucos recusros fazem grandes resultados, e que podia, tal como o proprio Klopp dar um salto para um clube de maior dimensao.

      o marco silva e o paulo fonseca sao á nossa escala um desses treinadores.

      o Klopp como jogador nunca foi nada de especial e até 2006 dividia o tempo entre cklubes da treta e o ser dj na radio.

      em 2006 andou a comentar os jogos do mundial( e a dar forte e feio na selecçao alema)

      fdo anda fez aquilo nio mainz e vem para dortmund fazer isto

  18. O maior elogio que posso fazer ao Borussia de Dortmund, a Jurgen Klopp e `a Paixao dos seus adeptos e´ que me fizeram ter Paixao pelo Futebol Alemao, outrora frio, cinico e cerebral.

    Neste momento, para mim, Borussia (mais este) mas tambem Bayern sao os meus preferidos a ganhar a Champions.

    Nunca esperei dizer isto do Pais de Hitler e de Merkel.:)

    • eu colocava o bayern noutra escala, pelo que se tem visto este ano, o bayern está muito mais forte que o Dortmund, mas indo os 2 a uma final, num jogo tudo é possivel

      • sem duvida, leao verde. e de muitos mais: Nietzsche, Novalis, Herman Hesse, Brecht, Wagner, Brahms, Bach, Strauss, Car Orff, Karl Marx, Heidegger, Schoppenhauer, Leni Riefensthal, etc, etc, etc, podiamos estar aqui o dia todo.

        mas nao deixa de ser o pais de Hitler (sim, era austriaco, mas a Alemanha foi dele e ele foi da Alemanha, e de Angela Markel.

        atençao: isto nao e nenhum statement xenofobo. ate porque gosto muito da Claudia Schiffer e da Heidi Klum:)

      • Todos temos os nossos esqueletos no armário. Também podemos dizer que somos o país do Salazar, da PIDE, da tortura, do Tarrafal, da escravatura de milhões de seres humanos, dos milhares chacinados nos autos-de-fé em massa na India, do massacre e expulsão dos Judeus, etc, etc.

        Assim como já não somos esse pais, também o país do Hitler pouco ou nada tem a ver com a Alemanha que conhecemos. A título de exemplo, naquela altura passava-se fome a sério e meio-quilo de carne custava a módica quantia de 30 biliões de marcos…

  19. e ele nao destaca nenhum jogador seu, destaca o Michu que joga no swansea e que o ano passado estava no rayo vallecano. e ele destaca-o por uma razao: ser um grande jogador numa grande equipa e destacar-se é facil, dificil é destacar-se numa equipa de media/baixa dimensao

    e descubrir esse tipo de jogadores, aqueles jogadores que se sabe que vao dar alguma coisa é muito complicado e o Klopp tem olho para isso

  20. Em maio de 2008 Klopp pegou nestes

    Mario Götze (18 years)
    Sven Bender (21)
    Marcel Schmelzer (22)
    Neven Subotic (21)
    Shinji Kagawa (21)
    Robert Lewandowski (22)
    Jakub “Kuba” Blaszczykowski (24)

    mais velhos havia estes:

    Sebastian Kehl (28)
    Patrick Owomoyela (29)
    Roman Weidenfeller GR (28)

    e em dois anos transformou uma equipa que em 2005 estava na bancarrota.

    Foi campeão em 10/11 e em 11/12, batendo um dos colossos mundiais do futebol.

    2 anos. Com putos.
    Muita exigência, Muita competência. É isto.
    A pergunta é:
    Jesualdo é o homem capaz de poder fazer uma transformação deste género no Sporting? Tenho as minhas dúvidas.

    Acho que para o Sporting CP kloppar era preciso outro rasgo. Rui Faria, talvez.

    • Podem concerteza, da mesma forma quePaulo Fonseca ou o Rui Vitória, ou outro deste nível, portugues ou alemao, também podem fazer um bom trabalho. Mas a questão ultrapassa em muito jogadorese treinadores que estejam ou possam vir a estar no Sporting.

      Quando aqui se fala de mentalidade diferente, não me parece que o importante seja a diferença de mentalidade/exigência de um alemão para com jogadores portugueses. A verdadeira diferença está na mentalidade do fenómeno futebolístico (mais do que isso, desportivo) que existe na Alemanha (para usar o exemplo dado). Onde se vê a competitividade do campeonato como a sua maior virtude. Onde ganhar significa tornar o bolo maior em vez de comer sempre a maior fatia. Por isso enquanto aqui não se mudar esta mentalidade a pouco poderemos aspirar pois o bolo está há muito viciado.

      Z

  21. P: O que há a destacar desta entrevista?

    R: TUDO!

    Pois é amigos o nosso Sporting tem muito de parecido com este Dortmund, excepto que eles descobriram um Génio para os orientar.

    Nós temos o Jesualdo que é experiênte e competente “and so yon and so yon…”

  22. Post muito interessante, que vem numa altura muito importante, numa fase em que é necessário que a maioria dos Sportinguistas mudem a sua mentalidade por força das necessidades que o clube vive nos dias de hoje.

    Das várias afirmações interessantes as que mais me chamaram à atenção foram:

    – “No tener dinero no significa no poder seguir trabajando, significa solamente que hay que encontrar otros caminos.”
    – “Hacemos las cosas a nuestra manera. Copiar nunca es bueno. Somos el único club del mundo que tiene un Footbonaut [dispositivo mecánico de entrenamiento del pase que actúa con estímulos de color para adiestrar la velocidad de reacción y la técnica].”

    E as conclusões que tiro é que para se ser competente, ambicioso, rigoroso e atingir a nivel elevado de competitividade e qualidade não é obrigatório ter dinheiro, mas sim ter criatividade e paixão pelo desporto.

    Dentro dos nossos parametros, e já o disse aqui, para mim o Paulo Fonseca é um treinador que se enquadra na perfeição, é ambicioso, rigoroso, tem uma excelente relação com dirigentes, técnicos e jogadores, vê o jogo de uma forma muito positiva!
    Para além de que tem potenciado jogadores que já muitos davam como mortos, como o Antunes, André Leão, Cicero. E foi buscar outros com grande qualidade como o Vitor ou o Hurtado.

    Oxalá consigamos de uma vez por todas, e eu acredito que sim, que se mude a mentalidade porque temos um enorme potencial a nivel desportivo e a nivel de mobilização de massas, o que se pode revelar importantissimo na recuperação financeira, com a venda de lugares, angariação de sócios, vendas de produtos Sporting.

    SL

      • Também gosto dele, mas tem filosofia de ataque a mais, prefiro modelo atacante mas com uma defesa competente.

        O Estoril também tem tido muita sorte, não lhes tiro o mérito, mas tem tido muita sorte, como em alvalade.

    • Estás enganado, “Nunca ficamos em 6.”
      A filosofia do Paulo Fonseca está bem mais aproximada à de um grande, pois tem por base o ataque posicional.
      O Estoril joga no contra golpe. Para além de que o Paços tem mais 11 pontos que o Estoril, teve uma melhor participação nas taças (ainda não perdeu com um não grande em qualquer competição), e tem um plantel muito inferior.

  23. Enquanto o Sporting não se livrar dos abutres, croquetes e corruptos que o têm minado o clube, nunca conseguirá fazer da sua formação um projecto vencedor. Mesmo que toda a matéria-prima esteja, está, lá toda. Se esta nova direcção conseguir impôr uma liderança forte, há grandes chances de os seus jogadores começarem a render aquilo que eles valem.

    Entretanto, o problema pode ser resolvido através de soluções mais drásticas! “Patrão Sérgio, avô de Bruno Gomes, sugere: «Tudo preso para o Alentejo, para lavrar a terra. E se não trabalharem em condições, chicotada no lombo». – “Parece que estou a ver o José Eduardo Bettencourt ou o Godinho Lopes, nos seus fatos brancos e calças cremes, com os óculos estilo pedófilo e lenços de seda nos blazers, a sujar os sapatos cor de caju enquanto pegam numa enxada”. Para rir até cair, esta segunda-feira, no Palavras ao Poste. “As coisas que diz o meu avô” – leiam! http://palavrasaoposte.wordpress.com/2013/04/15/as-coisas-que-o-meu-avo-diz/

  24. desculpem la´ o off topic, mas penso que e´ apropriado num contexto de politica de rentabilizaçao que o BdC começa a encetar:

    http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Sporting/interior.aspx?content_id=815847

    ————————–

    Os lugares reservados ao Conselho Leonino no Estádio de Alvalade foram alterados por Bruno de Carvalho. O sector destinado aos conselheiros consistia em quatro filas de cadeiras na bancada central poente, com a classificação VIP e acesso pelo piso 2, situadas a seguir aos camarotes e por baixo da tribuna presidencial. O novo líder leonino decidiu transferir esses lugares para uma posição equivalente mas na bancada oposta, a nascente, tendo convocado os representantes das duas listas que concorreram ao órgão (a própria e a de Carlos Severino) para explicar a decisão. “Os lugares foram deslocalizados por razões de incremento de receitas, pois estão bem posicionados e podem ser vendidos. Naturalmente, num grupo de 50 pessoas, houve reações menos simpáticas mas vamos entender-nos com quem possa ter ficado mais magoado”, garantiu a Record João Mesquita Trindade, cabeça-de-lista de Bruno de Carvalho ao Conselho Leonino, que reunirá a equipa de 32 eleitos sábado em Alvalade.

    Não a mordomias

    O movimento Saudade Sporting, liderado por Carlos Severino, colocou 18 elementos no organismo. A troca no estádio suscitou uma proposta que está em análise internamente. “Estamos a ponderar pôr os lugares à disposição para o que a direção entender. Queremos ajudar o Sporting e abdicar dessa mordomia”, disse-nos Severino.

    ————————–

    • Quer dizer que vai acabar a festa do croquete?!
      Ganda Bruno!
      Esta medida vale milhões…. Porque os cogulos vão ficar sem saber de que terra são… Logo, deixam de proliferar.
      Pumba!!!

  25. Digam o que quiserem, mas eu olho pra entrevista do Klupp e penso que podia perfeitamente ter sido dada pelo Loco Bielsa.

    E, raios, como eu gostava de ter o Bielsa aqui a liderar uma equipa baseada nos nossos putos.

  26. É isto a que devemos aspirar para o nosso Sporting!!!

    Temos que o sentir, para depois podermos envolver os Sportinguistas com a sua paixão única e seremos concerteza mais fortes!!!

    Só que isto não interessa aos “senhores da lama”, ou seja, quem manda no futebol em Portugal. Eles querem a bipolarização, e para lá chegarem foram-se aproveitando de quem geria o SCP com outros propósitos que não a melhoria do clube, mas sim tirar proveitos próprios. Quem têm sido esses invertebrados? Todos sabemos. Contudo uma nova era está a nascer em Alvalade, a era da paixão, dos garotos aos saltos, de felicidade nas caras dos Sportinguistas a cada golo da nossa equipa.

    E é essa nova atitude que nos fará mover montanhas! Vamos SCP!!!

    Gostei muito de saber que os lugares do Conselho Leonino foram alterados, é por aqui o caminho, mas como dizia o poeta, ” o caminho faz-se caminhando…”

    Força Bruno de Carvalho!!!

    Vamos coadjuvar o novo Presidente a transportar o Sporting para o patamar que é nosso por direito próprio!!!

    • Quanto ao treinador, não me parece que o JuJu seja o homem para esta fase de ruptura, é a minha opinião. Que fique até ao fim do contrato parece-me bem, e depois siga o seu caminho que o Sporting tem de acelerar rumo ao sucesso!!!

  27. Sou suspeito a falar de Jurgen Klopp. Como igualmente seria, se fosse o Bielsa. Ou qualquer outro que acredite convictamente num futebol ofensivo, praticado por jovens da formação. Porém, se olharem para este exemplo como inspiração para o futuro, aceito e aplaudo. Se for para comparar ou tentar fazer igual, rejeito. E explico já a seguir.

    1) Adeptos

    Começo por aqui porque acho que é aqui que está a chave do sucesso do Dortmund. Adeptos fiéis o suficiente para encher um estádio mesmo quando se luta pela manutenção ou pela Europa. Não duvido da nossa fidelidade e da nossa paixão. Duvido apenas do nosso compromisso. E o que é esse compromisso? Primeiro, é percebermos que com esta mudança directiva, mudámos uma filosofia de prostituição do clube para uma filosofia de sentimento genuíno pelas nossas cores. Segundo, é fazer sacrifícios para ajudar o clube nesta fase como aumentar o nr de sócios, comprar gameboxes e merchandising do clube. Sim, mesmo com as dificuldades financeiras que são comuns a todos. Por isso é que se chama sacrifício. Terceiro, é parar com a merda dos assobios durante os jogos que correm mal. E nestas 3 coisas, somos diferentes do Dortmund. Muito diferentes. Para pior, infelizmente. Mas estamos na altura certa para mudar isto.

    2) Historial

    Aqui não há comparação. Temos mais do dobro dos títulos do Borussia. E talvez seja isso que esteja na base da nossa falta de paciência. Um adepto do Borussia não se importa de ganhar um título de 10 em 10 anos. Para nós é inconcebível. Foi preciso batermos no fundo para percebermos que um projecto de sucesso tem de ser feito por fases. E não é na primeira fase que somos campeões. Mas, enquanto uma “fase de reestruturação” do Borussia significa lutar pela manutenção durante 2/3 anos, para nós, uma “fase de reestruturação” significa ficar em 3 lugar durante igual periodo de tempo. Esta diferença é, sobretudo, devido às diferenças de competitividade entre a bundesliga e a nossa merda de liga. Porque aqui, com um trabalho minimamente competente e com a quantidade de recursos que o Sporting tem (mesmo em crise financeira) é obrigatório ficar em 3 lugar. Porque os outros todos são realmente muito maus. Na bundesliga, se perdes um bocado de qualidade, tens logo 3/4 clubes prontos para ocupar o teu lugar.

    3) Arbitragens

    Roubos há em todos o lado. Aqui, a diferença é que há clubes que dominam a Liga não apenas pelo futebol praticado.E dominando a competição, numa altura em que é preciso um determinado “edge”, ele é dado de variadas formas. Nomeações suspeitas, critérios desiguais, subserviência dos dirigentes e árbitros aos clubes que dominam a competição, por aí fora. Isto na Alemanha não acontece. Por isso é que o Bayern, com um orçamento estupidamente superior ao do Dortmund perdeu 2 campeonatos seguidos. Aqui, seria impossível. Se, por algum milagre e neste contexto actual, porto ou benfica perdessem um título para nós, no ano seguinte a pressão seria brutal. É tudo uma questão de mentalidade e honestidade. Se aqui os corruptos são absolvidos, a mensagem que se passa é que a corrupção compensa. Na Alemanha isto não só não acontece como é repudiado por todos os intervenientes.

    4) Rivalidades

    Na Alemanha, a rivalidade não se sobrepõe ao respeito. Aqui, a rivalidade é um eufemismo. Cá no burgo, há guerra. E quem não pensa desta forma, é deixado para trás. Aqui, nem em sonhos uma equipa financeiramente mais estável ajuda outra em dificuldades. Mais depressa se rebenta com um autocarro, enfarda-se em adeptos ou qualquer merda do género. Não dá para ser anjinho numa terra de animais.

    Agora, o que podemos tirar deste exemplo do BVB, é a paixão e o orgulho daquilo que é nosso. A paixão, temo-la. Temos é de materializá-la em sacrifícios. O orgulho nos nossos miúdos também temos. Eu, pelo menos tenho. Já repararam que com uma equipa recheada de internacionais estavamos na linha de água e hoje, com miúdos da formação estamos quase a chegar à Europa? Só isto devia ser suficiente para venerarmos estes putos. Foram eles que nos salvaram da descida de divisão. Se chegam à Europa? Não sei nem quero saber. Já muito fizeram eles. E ganharam, por mérito próprio, o direito de apostarmos neles sem reservas e sem receios nos próximos anos.

  28. Já agora…mais um off-topic, ou nem por isso:

    Sportingleaks
    há cerca de uma hora

    ORÇAMENTO DO FUTEBOL CAI 50%

    Reestruturação Clube e banca esticaram a corda, negociações ficaram por um fio, mas acordo financeiro global está fechado

    “Assim não dá! Não vale a pena.” Terça-feira à noite, as negociações entre Sporting e banca estiveram à beira da rutura, tão extremadas que estavam as posições. Menos de 72 horas depois, deu-se a reviravolta: o acordo global da reestruturação financeira do Sporting foi alcançado. E, para já, com uma certeza: o orçamento para o futebol ficará abaixo dos €20 milhões, cerca de metade do valor atual.

    “A reestruturação financeira é crucial para o grupo Sporting, e em concreto para a SAD, na medida em que permitirá à sociedade elevar os capitais próprios, criar condições para assegurar o cumprimento de requisitos do fair play financeiro exigidos pela UEFA e dotar a sociedade dos meios necessários à gestão da sua atividade”, refere o comunicado enviado ontem à CMVM.

    De forma contraditória, o ambiente só se apaziguou no momento em que a corda quase partiu. Foi nessa altura que o clube convocou uma conferência para denunciar os motivos do afastamento. Que prometia ser ‘bombástica’: as exigências dos credores eram vistas como uma forma de pressão para a queda do novo elenco diretivo. Tanto que, na reunião dos órgãos sociais convocada de urgência, quarta-feira à hora de almoço, foi abordada a possibilidade de levar o assunto a assembleia geral e, mediante a decisão final dos sócios, haver, no limite, uma demissão em bloco.

    Aí, terá sido a intervenção de Ricardo Salgado, presidente do BES, a serenar os ânimos. A conferência foi mais leve do que era expectável, apesar dos ‘recados’ do presidente leonino. As negociações foram retomadas, chegando a um primeiro bom porto na madrugada de sexta-feira: o dinheiro para salários em atraso, que estava cativado, foi cedido. E a reestruturação ganhou desenvolvimentos prometedores para ficar fechada em breve. Foi na manhã seguinte.

    Bruno Carvalho e Carlos Vieira, presidente e ‘vice’ para as finanças do Sporting, e Miguel Maia e Joaquim Goes, representantes de Millennium bcp e BES nas negociações, acabaram por ceder em questões de que não abdicavam no início da semana. Tinham surgido várias pressões para que se chegasse a um acordo global que pudesse pôr fim ao clima de guerrilha dos últimos dias.

    QUEM DÁ O QUÊ E A QUEM

    A posição inicial de todas as partes era clara: o Sporting queria fazer uma última reestruturação financeira para que se começasse a falar mais de desporto e menos de números; o Millennium bcp, o principal credor, desejava resolver a situação para cortar depois com financiamentos a clubes de futebol; o BES pretendia assegurar um acordo que permitisse recuperar parte do investimento. Foi nesta base que as conversas começaram, tomando como modelo a proposta discutida pelo anterior presidente leonino, Godinho Lopes. A ideia acabou por cair. Pensava-se que era possível chegar a outro tipo de compromisso. Até que a banca começou a ponderar exigências diferentes. Impraticáveis para o clube: “Não vale a pena assinar nada que sabemos que depois não cumprimos”, explicou fonte do clube.

    Um dos problemas era, por exemplo, a impossibilidade prática de aumentar muito as receitas se os custos com o futebol baixassem para valores inferiores aos €20 milhões. No entanto, essa parece ser uma das medidas impostas. Como a base da equipa em 2013-14 será a formação, a banca terá concordado em disponibilizar mais de €15 milhões para a reorganização interna (rescisões e acordos com jogadores e alguns funcionários para a saída) para o clube se equilibrar, gastar menos no futebol e deixar de ser deficitário na tesouraria. De tal forma que, na próxima época, a meta é apresentar já resultados positivos.

    Segundo soube o Expresso, os ‘leões’ estão também obrigados a realizar mais de €10 milhões em mais-valias de jogadores no verão e a gastar menos de €5 milhões em reforços, caso não realizem receitas extraordinárias. Aliás, o problema não teve a ver com o conteúdo da proposta, mas mais com a substância – os atuais responsáveis encontraram mais percentagens de passes de atletas vendidas do que esperavam, bem como contratos de funcionários blindados com rescisões avultadas.

    INVESTIDOR, AUDITORIA E FUTEBOL

    As negociações em torno da reestruturação financeira acabaram por consumir muitas horas a Bruno Carvalho, que ainda tem de resolver a questão da entrada de investidores na SAD para, depois, agarrar alguns dossiês internos do clube. E à cabeça está a auditoria de gestão. Segundo uma fonte da banca, nem o Millennium bcp nem o BES se opõem a essa radiografia, pelo que o trabalho sobre as últimas duas décadas do clube deverá começar em breve a ser definido. Também a pasta do futebol merecerá atenção especial, devendo ser anunciado o terceiro elemento que completará a troika com Virgílio e Inácio e que só entrará em funções no final do campeonato.

    LINHAS GERAIS DO ACORDO

    FUTEBOL
    O orçamento vai sofrer redução em relação às temporadas anteriores e será mais baixo ainda do que nos tempos de Soares Franco (€25 milhões). Assim, a base da equipa voltará a ser a formação do Sporting

    VENDAS/CONTRATAÇÕES
    O Sporting está obrigado a realizar mais-valias na ordem dos €10 milhões no Verão e, em paralelo, a chegar a acordo com alguns dos elementos com ordenados mais altos. Estão neste lote Boulahrouz, Jeffrén, Pranjic ou Marcos Rojo, entre outros. Além disso, a margem para contratações será bem mais curta, a não ser que surjam outras receitas extraordinárias.

    TESOURARIA
    Parte da verba disponibilizada pela banca – salários à parte, fevereiro e março começaram a ser pagos porque algumas verbas cativadas foram libertadas – será para fazer uma extensa reorganização interna de todo o grupo Sporting (empresas e clube). A meta passa por atingir resultados de exploração positivos, evitando mais problemas de tesouraria.

    SAD
    Vai haver um aumento de capital social da sociedade que gere o futebol leonino, permitindo a entrada de novos investidores a breve prazo. Durante a campanha, Bruno de Carvalho garantiu que tinha parceiros disponíveis a entrar no imediato com €15 a €20 milhões. Os requisitos para cumprir o fair-play financeiro da UEFA ficam preenchidos.

    JUROS E DÍVIDA
    A maturidade da dívida foi revista, com um alargamento dos prazos de pagamento por mais anos, mas continuará a haver um valor fixo anual obrigatória para abater o passivo, em moldes diferentes dos que estavam a ser negociados com Godinho Lopes.

    in Expresso
    Edição 2111
    13/04/2013

  29. “Segundo soube o Expresso, os ‘leões’ estão também obrigados a realizar mais de €10 milhões em mais-valias de jogadores no verão e a gastar menos de €5 milhões em reforços, caso não realizem receitas extraordinárias. Aliás, o problema não teve a ver com o conteúdo da proposta, mas mais com a substância – os atuais responsáveis encontraram mais percentagens de passes de atletas vendidas do que esperavam, bem como contratos de funcionários blindados com rescisões avultadas.”

    “Aliás, o problema não teve a ver com o conteúdo da proposta, mas mais com a substância – os atuais responsáveis encontraram mais percentagens de passes de atletas vendidas do que esperavam, bem como contratos de funcionários blindados com rescisões avultadas.”

    A ser verdade o que o Expresso diz, a coisa não parece assim tão má (atendendo a que já nos tínhamos mentalizado que nos próximos tempos limitar-nos-iamos a jogar para atingir as competições europeias).

    A “mais-valia” de €10M, atendendo a que o SCP não detém a totalidade de grande parte dos passes dos jogadores, deverá significar a saída de pelo menos Patrício e Capel (Rojo?) (espero que não Dier!), e eventualmente outros (com mais altas remunerações) que o SCP entenda, de forma a ganhar pouco na venda mas a cortar no payroll…

    Os € 5M deveria ser dedicados totalmente à aquisição de (2) avançados.

    Sinceramente, este esqueleto parece-me suficiente para fazer um campeonato descansado e conseguir chegar “nas calmas” a um lugar europeu:

    Boeck/Flopes/Llori/Dier/Rojo?/Rinaudo/André Martins/Labyad/Carrillo/Bruma/Ghilas?

    Quanto aos contratos de trabalho com “cláusulas de rescisão avultadas”, a coisa poderá ser comabtida no plano da legalidade das mesmas, a qual me parece discutível.
    NO MÍNIMO, deveriam ser divulgados quem são esses trabalhadores, os seus ordenados e o valor das tais cláusulas!

    SL

  30. Ter uma mentalidade “à Dortmund” implica que JF possa ficar em 6º no próximo ano (e falhar as competições europeias), e em 5º no seguinte.

    Pela amostra deste ano (alguns, poucos jogos, sem pré-época, com a moral em níveis rasteiros, e com os resultados que se tem visto com a consequente subida na tabela classificativa), das duas uma, ou vai tudo pelo cano abaixo a meio da próxima época e a chicoteada semelhança não passa de um delírio de poucos, ou cabe a uma eventual (?) maioria até agora silenciosa criar condições para dizermos, sem que todos à volta se fiquem a rir, que temos algo a ver com estes boches.

    Para já tenho dúvidas, muitas dúvidas….

    PS1: e não vale dizer que “JF não é Klopp”, já que Klopp só é Klopp depois de lhe terem dado condições para isso.
    PS2: quem diz JF diz outro qualquer no seu lugar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s