E enchermos Alvalade?

É verdade que não percebe porque raio voltamos a jogar às 20h15, num dia que até é feriado e onde não há outros jogos, por exemplo, às 18h.
Mas, por outro lado, o tempo vai melhorar. E esta equipa merece que, sábado, o vulcão de Alvalade volte a cuspir lava!

Os bilhetes para o Sporting-Vitória de Setúbal, jogo da sétima jornada da I Liga, estão à venda a partir desta terça-feira. Os ingressos estarão disponíveis na Loja Verde do Multidesportivo (das 10h00 às 21h00), em http://www.sporting.pt/bilhetes e nas bilheteiras (das 12h30 às 19h30).

Bancada A 
Central: 22 euros para sócios e 32 euros para adeptos.
Lateral: 17 euros para sócios e 27 euros para adeptos.
Superior: 12 euros para sócios e 22 euros para adeptos.
Jovem/Sénior/BIM: 7 euros para sócio.

Bancada B
Central: 17 euros para sócios e 22 euros para adeptos
Lateral: 12 euros para sócios e 17 euros para adeptos.
Superior: 7 euros para sócios e 12 euros para adeptos

Tal como aconteceu diante do Rio Ave, é disponibilizado o «Bilhete Anticrise», ao preço único de 5 euros, para os sócios com quotas em dia (com possibilidade de trazer um acompanhante não sócio, por 17 euros).

Estará ainda disponível o «Bilhete Família», para três pessoas (preço de 21 euros, sendo obrigatório haver um sócio com quotas em dia + adulto + sub-11), quatro pessoas, por 25 euros (obrigatório um sócio com quotas em dia + adulto + sub-17 + sub-11). Existe a possibilidade de adquirir bilhetes adicionais, até ao limite de seis membros por família (adulto 10 euros e sub-17 5 euros).

 

Anúncios

hoje escreves tu: Qual o limite?

A resposta ao desafio foi pronta e aqui temos o texto sobre a vitória de João Sousa.

“Qual o limite?”, by Talk Talk

Vi o João Sousa jogar pela primeira vez há alguns anos no Estoril Open! Percebi ali que tinha algo mais do que os outros jogadores portugueses que despontavam como profissionais. Tinha características físicas ideais (estatura e físico esguio), peso de bola, jogo de pés, garra, técnica e atitude, tudo características que nenhum dos outros possuía na totalidade.
Demorou o seu tempo a ascender no ranking. É preciso entender a dificuldade que há para ascender no ranking quando factores como a condição financeira para fazer determinados torneios podem impedir essa mesma ascensão. Com a mudança de treinador, Frederico Marques, um ex jogador que será pouco mais velho do que o próprio João, a ascensão tornou-se uma realidade permitindo a sua recente entrada no top 100 mundial, tornando-se ainda o número 1 nacional.

Bem, mas falando desta vitória. Tenho que começar por dizer que… apenas vi o terceiro e último set. Factores de força maior impediram-me de acompanhar o encontro desde o início: uma jogatana de pares com mais 3 artistas do ténis numa guerra sem tréguas que desta vez acabou estranhamente num empate (na prática ganhou o Sporting pois somos 3 leões em 4).
Do que vi notei um João Sousa confiante, a tentar impor o ritmo. Iniciou com um break (vitória num jogo a responder ao serviço o que é sempre óptimo porque quem serve tem geralmente vantagem), resistindo depois a varias bolas de break do adversário. No fim e após alguns pontos perdidos por nervosismo alcançou a glória tornando-se no primeiro português a vencer um torneio ATP!

Sem me alongar muito mais gostava de fazer uma analogia com o nosso Clube.
Começo pelo título: qual o limite?
Essa dúvida anda nas nossas cabeças em relação ao potencial da nossa equipa. Até onde podemos chegar? Qual o nosso limite? Em relação ao João a dúvida é basicamente a mesma, até onde poderá chegar o João?
Espero que a resposta para ambos os casos seja: “o céu!”