Um abraço, onde quer que estejas

E já lá vai uma década sobre o adeus ao imortal Vítor Damas…

Anúncios

51 thoughts on “Um abraço, onde quer que estejas

    • Fartei-me de procurar por imagens do Damas a repôr a bola em jogo, com aquele passar de bola por trás das costas que só ele fazia, mas não encontrei.
      É das maiores memórias que tenho do Grande Vitor Damas pois tive o privilégio de o ter visto jogar.
      Deixo estas imagens de uma época em que por mais pobre que fosse o plantel, havia uma magia única em cada partida do nosso Sporting. Ou então sou só eu que a sinto ao revêr este resumo.

      • Aiii, pois era … já nem me lembrava do passar a bola por trás das costas … mítico!
        E o repôr a bola com a mão até quase ao meio-campo? Via-se mesmo q tinha começado no futsal. Curiosamente o Schmeichel tb fazia isso (obviamente melhor por ser um gigante). Mas na altura do Damas era muito à frente!

    • Acho a camisola nr 1 do Sporting deveria ter algures o nome dos eternos números 1 (Damas, claro, mas tb João Azevedo, Carlos Gomes, Joaquim Carvalho, etc.).
      Quando o Patrício se reformar, espero q o seu nome pudesse tb ser considerado p/ essa lista. Seria um indicador do sucesso q todos esperamos.

      • Para já o Patrício está a ser de uma postura fantástica. Foi muito criticado qd lançado … aguentou, cresceu … resistiu às saída que seria muito fácil …
        Até a corja reconhece, engolindo uns sapos …

  1. Cherba,

    Peço desculpa por transcrever um post de outro blog, mas à parte a questão geracional (a minha geração cresceu com o trio Oliveira/Manuel Fernandes/Jordão), o que me assalta quando penso no Damas é isto: o espírito dele está sempre entre os nossos postes.

    «O que eu desconhecia, até à altura, era a longa história de amor entre o Damas e o Sporting. Entre o Damas e os sportinguistas. Não sabia que ele se tinha “feito” no Sporting, que tinha ido para Alvalade com 14 anos, que fora o inquilino indiscutível da nossa baliza, anos a fio. O Damas.

    Tudo isto por um guarda-redes? Pensava eu: um guarda-redes pode ser bom, mas quem nós idolatramos são os avançados. Manuel Fernandes/ Jordão/ Oliveira era o “tridente” de ídolos da geração mais velha; Di Franceschi/Mbo Mpenza/Beto Acosta são outros. João Pinto/Pedro Barbosa/Mário Jardel eram os meus. Agora, um guarda-redes? Porquê este fascínio pelo Damas?

    O que não sabia, aprendi. Aprendi quem era “o Damas”, o que ele significava e porque é que os sportinguista se deviam pôr em sentido cada vez que o nome dele era pronunciado. Podia não haver uma grande equipa do Sporting. Mas havia grandes sportinguistas na equipa. Como o Manuel Fernandes. Ou o Damas.

    O Damas acabou a carreira, mas nunca nos deixou. Fez parte da grande dinastia de guarda-redes do Sporting. Damas, como diriam os ingleses, sangrava verde e branco. Não se podia conceber o Sporting sem o Damas. Ou vice-versa.

    O Damas morreu pouco antes de fazer 56 anos. Todos o homenagearam, os sportinguistas, os não-sportinguistas, os antigos colegas e os antigos adversários.

    Qual é a moral desta história? Há sessenta ou setenta anos, o guarda-redes do Celtic John Thompson chocou com o avançado do Rangers, Sam English, e sofreu tais lesões que morreu. Diz-se que, enquanto o levavam para fora do campo, estando prestes a perder a consciência, lançou um último olhar para a sua baliza, como se se perguntasse quem a defenderia a partir dali. Desde então que os adeptos do Celtic cantam em sua homenagem uma das mais belas canções jamais criadas no mundo do futebol, aquela em que se cantam os versos: “So come all you Glasgow Celtic/ Stand up and play the game/ For between your posts there stands a ghost/ Johnny Thompson is his name”.

    Agrada-me pensar que sempre que uma equipa do Sporting entrar em campo, seja onde for, o Damas estará presente entre os nossos postes, não para os assombrar, mas para proteger quem quer que ocupe um lugar que, de certa maneira, ainda é e sempre será seu de direito. Rui Patrício terá Vítor Damas a olhar por ele. Rui Patrício terá a honra de defender a baliza que será, eternamente, de Vítor Damas.»

    in As Redes do Damas

  2. Não sei se foi o maior guarda-redes português de todos os tempos. Tivemos o Azevedo, que nunca vi jogar, e também tivemos o Carlos Gomes. um guarda-redes fora de série, a quem vi fazer exibições do outro Mundo.

    Quanto ao Damas, não quero pôr em causa os sentimentos dos sportinguistas pela sua memória. Mas foram sportinguistas que numa tarde de chuva, em Alvalade, depois de perdermos, salvo erro por 4-3, com a Académica, o assobiaram e insultaram, levando-o a deixar o clube para jogar em Espanha.

    E quando regressou, não veio logo para o nosso clube, para vergonha dos dirigentes de então. Felizmente o erro foi corrigido, e ele pôde ficar até ai fim onde era (e devia ter sido sempre) o lugar dele.

    Que saudades!

    • O meu pai também me contou essa história, acho que foi um enxovalho monumental… Da minha parte, lembro-me que, curiosamente também contra a Académica, o Rui Patrício deu um frango logo ao início (empatámos 1-1- ou ganhámos 2-1, já não sei) e ao minuto 90 ainda o assobiavam… Moral da história: acarinhemos o que é nosso enquanto podemos que depois só nos resta a saudade e o remorso. Felizmente, o Rui ainda é nosso e orgulha as nossas cores, mas o que ele suportou foi indescritível.

      Da minha parte, curvo-me perante a memória de Damas, a sua mística e afectividade ao Clube, mas sinceramente desconheço se foi o melhor da nossa História, como o Carlos refere. Sei é que neste momento temos o melhor GR que já vi a actuar pelo nosso Clube – e não me esqueço do mediático e carismático, embora pré-reformado e sem grande ligação sentimental, Schmeichel.

  3. o grande “culpado” pelo meu sportinguismo…(junto com o tambem eterno Joaquim Agostinho…
    8 ou 9 anos de idade, radio de pilhas encostado á orelha, no meu quarto e a imaginar osvoos e as defesas impossiveis que o radio me ia deixando “ver”…
    descansa em paz Grande Leao…

  4. Por cada Leão que cair outro se levantará!

    Obrigado Vítor Damas, por tudo o que deste ao Sporting Clube de Portugal!

    Eterna gratidão e saudade!!!

  5. Boa noite Sportinguistas! Sou muito assíduo neste blogue, embora nunca comentando (peço muita desculpa) mas tenho de comentar agora. Grande jogador, grande profissional, grande Leão! Venho aproveitar para dizer que há pouco tempo criei também o meu blogue do Sporting. Curiosamente chama-se http://www.balizadodamas.blogspot.pt Peço-vos que se quiserem comentem e partilhem. Deixo também os meus parabéns a este blogue que é o meu preferido e a minha maior inspiração. Saudações Leoninas,

    Baliza do Damas

  6. Nunca mais me esquecerei daqueles 3 penaltis que ele defendeu e que me fizeram sair do estádio convencida da passagem à eliminatória seguinte e depois já no carro oiço na rádio, de que nada serviram aquelas defesas, pois, as regras tinham mudado e o árbitro esquecera-se desse pormenor. Descansa em paz VÍTOR DAMAS.

  7. o redes mais estiloso e o mais cool de todos os tempos! e o meu favorito desde que me lembro de ser Sportinguista…
    e pensar que diziam que o azeitola do Bento de cabeleira longa aos cachos com aquele bigode ou barba estilo rafeiro cheio de pulgas era melhor que o Damas!

  8. Boa Cherba! É bom lembrar o que é um mito do Sporting, contrastando com vedetas com tiques da louis vuitton que andam a saltitar todos contentes porque o contrato é gordinho. O Damas é tão distante do futebo de agora que é outra fibra, outro tipo de objectivos. Eu gostava de acreditar que esta era de valores não acabasse. Pelo menos no Sporting.

    • Oh meu amigo, não tens mais de 20 aninhos pois não?
      Se há clube c/ muitos símbolos é o Sporting! No futebol e noutros desportos tb.

      Agora se me disseres q há poucos c/ a dimensão do Damas, aí já concordo. Mas tb estamos a falar provavelmente do GR português mais carismático de sempre.

  9. Tive o prazer de o ver jogar, já “velhote” a meio dos nos anos 80’s (salvo erro), era eu pequeno e moço 12\13 anos quando ele voltou ao Sporting.
    Tinha uma presença em campo, que só muitos anos mais tarde vi em outro guarda-redes (Schmeichel), parecia que a baliza se tornava mais pequena quando o “monstro” Damas lá estava.
    Já depois de ter deixado de ser jogador, sempre um Sportinguista como poucos.

    Saudade Imensa desse “fantasma” que protege a baliza ao nosso Patrício

  10. O meu ídolo de infância.
    Chorei no dia em que se retirou, tinha aí uns 10 anitos.
    Sei que sofreu muito pelo nosso clube, sempre na ânsia de voltar.
    Diziam aqui em Carcavelos, que a mulher do Damas rogou uma praga ao Sporting quando deixou Alvalade: que o clube não voltaria a ser campeão, enquanto ele não voltasse ao clube.
    A verdade é que Damas voltou em 97/98 creio, e o Sporting foi campeão logo em 99.

    Grande Damas. Um abraço de Leão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s