E é isto

«Tínhamos a intenção de fazer um golo e, depois, jogar fechadinhos lá atrás procurando fazer uma surpresa, mas não deu. Temos de salientar, e agradecer, o facto do Sporting nos ter respeitado muito. Jogaram contra nós como se fôssemos uma equipa da Liga e isso é elogioso para nós», Renato Valente, jogador do Alba, in Maisfutebol

Anúncios

O maior aplauso, para este gesto técnico no momento da despedida

«Claro que não vou esquecer o Sporting. Foi um clube que apostou em mim, que me valorizou e que me tratou bem. Jamais esquecerei o Sporting, os bons tempos que aqui passei e, claro, as horas menos felizes. E não esquecerei a forma como resolveram a minha situação, porque isso vai permitir-me encontrar um novo clube e dar um novo rumo à minha carreira. Neste momento estou a analisar propostas», Evaldo.

Sporting TV

De acordo com o Correio da Manhã (portanto, vale o que vale), «o Sporting TV terá um custo máximo anual de 1,8 milhões de euros, incluindo obras para a construção dos estúdios e manutenção […] o futuro canal do Sporting terá emissões 24 horas por dia, das quais seis horas serão sempre de programação nova, sem incluir as transmissões de jogos de modalidades e dos escalões de formação do clube leonino. As partidas da equipa B também devem ser emitidas no canal do clube […] A Sporting TV terá três estúdios: um no Estádio de Alvalade, outro na Academia e um outro previsto para o Pavilhão de Loures, que recebe as modalidades do clube enquanto não avança o pavilhão […] haverá mais um posto de diretos instalado no Polo do Estádio Universitário de Lisboa, onde jogam os escalões de formação mais baixos do Sporting até aos infantis e a equipa de râguebi […] O canal deverá estar presente através dos operadores MEO, ZON e Cabovisão e não será Premium» (sendo que, digo eu, esta emissão em regime livre só deverá ter lugar durante os primeiros meses, pois as assinaturas serão importante fonte de receita para o canal.

 

 

Leonardo e as boas dores de cabeça

Depois do jogo de ontem, creio que Leonardo Jardim tem excelentes dores de cabeça à sua espera.
Comecemos pela defesa. Se Patrício, Maurício e Rojo estão de pedra e cal, são várias as dúvidas envolvendo as laterais. Piris, rapaz que chegou sem que quase déssemos por ele, cumpriu, primeiro, à esquerda, frente ao Vitória de Setúbal e, ontem, no seu lado natural, o direito, voltou a deixar clara ideia de ser um jogador bem acima da média. Confesso, até, que estranhei a não utilização de Cédric, dado ter sido sempre preterido nos jogos da selecção. Quererá isso dizer, que Leonardo Jardim já sabe que Jefferson estará recuperado e pondera apostar em Piris para o jogo no dragão. Terá sido uma opção unicamente para dar minutos a Magrão?

Depois, o meio-campo, onde Vítor disse presente de forma vincada. É verdade que o adversário era inferior, mas também é verdade que a entrega ao jogo e os vários pormenores apresentados fazem com que André Martins tenha concorrência apertada. E a titularidade do ex-Paços pode, inclusivamente, ser uma das surpresas reservadas para o próximo domingo.

Eu acho que é uma carapuça mal enfiada

Ou, se preferirem, que alguns Sportinguistas do Porto (e arredores?) estão a fazer uma tempestade num copo de água.
Do meu ponto de vista, isto é dirigido aos labregos que gostam de utilizar a expressão «o Porto (leia-se, fcp) é uma nação», não a adeptos do Sporting.
Mas como já percebi que a questão está longe de ser pacífica, fica via aberta ao direito à indignação (com direito a explicação sobre o que a motiva, espero).

p.s. – grave, grave, foi aquela «falta de atenção» da Antena 1, que, durante várias horas, nos chamou a todos “comédia de portugal”.

torcida

A vitória invisível

Guardo na minha memória uma tarde, jogo de Taça, salvo erro contra o Fátima, em que fizemos uma exibição miserável. Salvou-se o génio de Balakov, os golos do Cadete, mas, no banco, Bobby Robson estava tão aziado como eu. A entrada desconcentrada, que nos valeu levar logo um golo, e a exibição desinteressada, valeram… voltas ao campo no final do jogo.

Hoje, ao ver a forma como o Sporting encarou a recepção ao Alba, clube do qual nunca tinha ouvido falar, veio-me à lembrança esse jogo e vários outros em que os nossos jogadores pareciam fazer um frete, confiando que, dadas as diferenças entre as equipas, o resultado se faria por ele mesmo. Foi impressionante, reforço, impressionante, a postura dos nossos jogadores. Respeitaram o adversário e, acima de tudo, respeitaram a camisola que tinham vestida! E, mais do que encher-me de orgulho por ver uma equipa estar em campo como eu estaria se tivesse a oportunidade de jogar de rampante ao peito, tal facto dá-me a certeza de que a mensagem do treinador está a passar. Dá-me a certeza que o plantel fala a uma só voz. Dá-me a certeza que o trabalho de preparação desta época (e das próximas, arrisco) foi muito bem feito.

Bruno de Carvalho, por mais do que uma vez, explicou que o facto de estar no banco tem a ver com a necessidade que tem de perceber se as pessoas estão comprometidas com a causa. Ou com o clube, se se preferir. O jogo de hoje, foi uma óptima resposta relativamente a esse compromisso. Isto vale infinitamente mais do que três pontos. Isto é daqueles pormenores que, mais cedo ou mais tarde, valem conquistas. Obrigado, rapazes!

goloalba