Qual higiene, o que a malta precisa é de LCDs maiores

http://www.publico.pt/Sociedade/apenas-quatro-em-30-roulottes-com-nota-positiva-metade-com-falta-de-higiene_1429112

Diga-se, em abono da verdade, que há roulotes em Alvalade com uma qualidade muito acima da média. Cada um terá a sua preferência, cada roulote terá as suas vantagens competitivas. Obviamente, nada bate uma lourinha laroca, com luvas nas mãos. Mas isso, são escolhas. Desde que haja fatias de porco e cerveja vivaça, qualquer adepto se sente recompensado. E eu, ao contrário do resto da malta, até prefiro a nova localização. A caminhada até ao estádio é ligeiramente maior, o suficiente para ir arejando a carga etílica no sangue.

FODA-SE!!!

´E com tristeza que escrevo este post que, amanha de manha, enchera´ a blogosfera leonina e servira´ para nos enfernizarem a vida durante todo o dia.
E, a confirmar-se, cheira-me que sera´ o proprio Carvalhal a nao querer ficar mais que seis meses…

A noticia, dada pelo Record, e´ esta:

Murros e empurroes cancelam conferencia
Liedson e Sá Pinto desentenderam-se violentamente no final do encontro, já em pleno balneário do Estádio José Alvalade. Na base da discussão, ocorrida na presença de todos os jogadores, esteve o erro de Rui Patrício que resultou no segundo golo do Mafra e, embora ninguém assuma que avançado e diretor de futebol chegaram a vias de facto, é certo que existiram empurrões e alguns murros pelo meio.
Diversos jogadores tentaram separar os dois contendores, mas o ambiente só serenou quando o luso-brasileiro foi retirado do balneário, argumentando que, a partir de ontem, dificilmente conseguirão conviver no mesmo espaço. “É ele ou eu!”, foi a ideia deixada pelo goleador.
Carvalhal assistiu à cena incrédulo e impotente. Um problema para o técnico, que poderá ver-se privado do concurso de Liedson. O dianteiro de 32 anos está sob a alçada disciplinar do clube e poderá ser alvo de um pesado castigo. A discussão começou ainda no banco de suplentes, com o diretor-desportivo a criticar o erro do guarda-redes e Liedson a sair em sua defesa. A troca de argumentos alastrou ao balneário e foi subindo de tom até ao contacto físico.

Portanto… depois da suposta troca de galhardetes entre o Stojkovic e o Barbosa, temos este suposto problema entre o Liedson e o Sa Pinto. E, se querem que vos diga, nao me admira nada que o Sa Pinto tenha sido uma besta na forma como criticou o Rui Patricio (sim, foi um frango), pois na altura em que eu defendia o seu nome para o lugar do Barbosa, um dos elementos da nossa actual direcçao disse-me: “as pessoas querem o Sa Pinto mas vai ser um erro. Um gajo que agrediu o seleccionador?! O gajo nao tem postura nem feitio para ser director desportivo. Ainda este fim-de-semana (esta conversa foi depois do empate, 2-2, em Vila do Conde), quando o Caicedo falhou o golo, levantou-se e berrou “este gajo e´ um anormal! Anorma!!!”. Um director desportivo nao pode agir assim, de cabeça quente”.

Nao sei se tera´ tambem chamado anormal ao Rui Patricio. Mas sei que, se eu mandasse e o Liedson dissesse “e´ ele ou eu”, eu respondia “es tu!”.

Foda-se pra esta merda!!!

Actualizaçao
O jornal O Jogo confirma a troca de murros. Fica a noticia (foda-se, nao bastavam os tres golos do chines, caralho?!?)

Sá Pinto e Liedson envolveram-se ontem numa cena de pancadaria no balnéario logo após o triunfo diante do Mafra por 4-3, soube O JOGO. A pega começou ainda no relvado mas alastrou-se até ao balneário, onde dirigente e futebolista chegaram ao confronto físico. Foi este o “problema pessoal” invocado pelo treinador Carlos Carvalhal para não comparecer na sala de Imprensa após a partida. Os próprios jogadores do Sporting também demoraram mais tempo do que é habitual para irem à zona mista.
Tudo terá começado na sequência da falha de Rui Patrício no lance do segundo golo do Mafra. O público apupou o jovem guardião, o 31 não gostou e insurgiu-se contra a reacção dos adeptos. Sá Pinto colocou-se do lado das bancadas e repreendeu com veemência o ex-companheiro. A discussão subiu de tom e alastrou-se ao balneário, onde ambos se pegaram num confronto físico a que só outros jogadores e elementos do “staff” verde e branco puseram cobro.
A cena apanhou todos de surpresa, mas o filme já vem de trás. Sá Pinto e Liedson nunca tiveram uma relação fácil. Na época 2003/04, num jogo frente ao Rio Ave, o baiano preparava-se para bater um penálti frente ao Rio Ave e o então camisola 10, contra as ordens do técnico Paulo Bento, tirou-lhe a bola, assumindo a conversão, perante a estupefacção do brasileiro.
Resta agora saber quais as consequências desta cena, que promete reacender os ânimos no seio de um grupo que recuperava de uma acidentada primeira metade de época.

Flop ou inadaptado?

Ao que parece, Felipe Caicedo e o Sporting estão de acordo: os seus dias, em Alvalade, terminaram. Para a posteridade, fica um canto ganho contra o Twente (que resultou no golo do Patrício), uma bola ganha de cabeça que o Vuk transformou num grande golo (contra o Olhanense) e dois falhanços monumentais, de baliza aberta, que nos dariam, nesta altura, mais quatro pontos (Marítimo e Rio Ave).
Assim, o equatoriano deixa Alvalade com o mesmo registo patético com que chegou: uma carreira com quatro ou cinco golos, cartão de visita medonho para qualquer avançado que se preze.