Eu proponho uma terceira

Para ser vota a expulsão deste e de outros doutores, de sócios do Sporting!

“Esta AG servirá para discutir se existe ou não justa causa para a destituição dos órgãos sociais e, depois, no final, terá de ser convocada uma nova AG para ser votada a destituição”, argumenta o advogado, de 65 anos, reconhecendo que esta é a sua interpretação dos estatutos e admitindo poderem existir outras. (in Record)

O enxovalho não tem limites?

Houve dezenas de treinadores que se ofereceram para treinar o Sporting. Enquanto os nomes iam correndo, nós já tínhamos escolhido Franky […] É uma pessoa que aposta na formação, é ganhador e é um antigo jogador de qualidade. […] O treinador tinha de chegar a um projecto formado e estável, razão pela qual pedimos ao Oceano para orientar a equipa nas últimas semanas. […] Estou certo de que esta mudança vai permitir criar condições para que o Sporting volte aos lugares de ribalta que merece. Acredito no trabalho que estamos a fazer“,
Godinho Lopes, 30 Outubro 2012.

 

Não se preocupe, engenheiro. Ainda há pessoas que acreditam em si e que defendem que a culpa é de quem assobia. Afinal, tudo o que precisamos é de estabilidade. E de um projecto. Este, o sexto em menos de dois anos, é que vai ser. E se algo correr menos bem, pode sempre despedir o Aurélio Pereira por ter-lhe dito que o Jesualdo era uma boa escolha.

Eu acabei de contribuir

Não sei se estes dez euros são muito ou pouco. Mas sei que tudo farei para tirar o meu Sporting do poço. E que bastariam seis mil Leões a fazer o mesmo, para termos hipótese de alterar o estado actual das coisas (ou três mil, tendo em conta o ponto IV). Aliás, bastariam 60 mil leões disponíveis para tranferir 1 euro (sim, um) e não haveria forma de contornar a marcação da AGE.

I. O Movimento Dar Rumo ao Sporting anuncia que esta noite (6 de Janeiro) os organizadores André Patrão e Miguel Paim entregaram à Mesa da Assembleia Geral o requerimento para a concretização de uma Assembleia Geral Extraordinária deliberativa com objectivo único de discutir e votar a destituição da actual Direcção. Juntamente com o requerimento foram entregues as 800 assinaturas correspondentes a 3.500 votos. Agradecemos publicamente a atenção dada, a urgência com que fomos recebidos, e a cordialidade com que fomos tratados.

II. A Mesa da Assembleia Geral apreciará agora o documento, e aguardará que os serviços do Sporting Clube de Portugal confirmem a validade das assinaturas entregues.

III. Dado que não se apresentou o valor monetário completo para a concretização da Assembleia Geral, como exigem os Estatutos, o requerimento será indeferido caso não se reúnam os fundos necessários até à audiência prévia a realizar após deliberação da Mesa da Assembleia Geral. Urge-se, por isso, a todos os Sportinguistas, Sócios e Adeptos, um derradeiro esforço para ultrapassar o último obstáculo à concretização da Assembleia Geral! Qualquer contribuição deverá ser feita para o NIB 0038 0000 4024 4237 771 55 (mais informações sobre as normas desta conta no nosso site).

IV. Aproveita-se também para anunciar que a Assembleia Geral poderá realizar-se no Pavilhão de Odivelas, reduzindo por isso os custos previamente indicados para menos de 30.000€ (por precaução, todavia, será este o valor a ser solicitado).

É ir experimentando, para ver o que dá

Godinho Lopes é uma verdadeira caixinha de surpresas. Más, infelizmente. Já tínhamos percebido que o homem tem opiniões bastante volúveis, nomeadamente quando demorou dois dias a mudar o discurso em relação a Domingos ou, noutro exemplo, quando decidiu procurar investidores num país que, por altura das eleições, se revelava proibido: a Rússia.

No fundo, parece-me, a presidência de Godinho assemelha-se a uma experiência. Ele vai experimentando, para ver o que dá, sempre na ânsia de poder gritar ao mundo que acertou.
Primeiro, experimentou Domingos. Depois Sá Pinto. Depois Oceano. Depois Vercauteren. Mas o desfilar de treinadores perde relevância perante o último momento com a assinatura do pequeno Godo.

Ao que parece, perante o Conselho Leonino (que rica merda inventaram), Godinho anunciou que vai contratar um director desportivo o mais rapidamente possível, de forma a não estar tão directamente ligado ao futebol e à equipa. Ora, portanto, primeiro, Godinho apostou num modelo que assentava em Luís Duque e Carlos Freitas. Deu merda, atirou-os para a fogueira, anunciando ter percebido que o que o Sporting necessita é de um modelo presidencialista. Dois meses volvidos, parece voltar a questionar as suas próprias opções.
Mas há mais. Primeiro, anunciou 100 milhões, apostou na contratação de jogadores de elevado investimento e recheou o plantel de internacionais. Agora, diz que se gastou demasiado, abre-se a porta à saída de jogadores que custaram milhões e anuncia-se uma redução no orçamento que pode chegar aos 20 milhões, deixando entender que a aposta deve passar, em muito, pela formação. Mesmo sem ter criado uma sólida estrutura profissional, que permita aos mais novos não terem a responsabilidade de salvarem o clube e conduzi-lo a objectivos alucinantes.

O Sporting de Godinho é isto; uma experiência falhada.
Dava jeito era mandá-la para a sucata, e experimentar algo completamente diferente. Nem que fosse para ver o que dá…

Se não se importarem…

… eu vou buscar a minha filha. Já abdiquei de demasiado tempo de qualidade que ela me proporciona, para estar a ver este bando de bandalhos a enxovalharem o nome do meu clube.
Ah, só duas notas. Se alguém tiver o número do Polga, peçam-lhe para voltar. Se se agendar uma recepção à altura do que temos estado a ver, seja no aeroporto, seja onde for, avisem-me. Terei todo o gosto em cantar “só eu sei, porque não fico em casa”.

p.s. – peço-vos que não respondam aos sacos de merda que, com toda a certeza, aqui vão cair. Estarão a facilitar a limpeza. Obrigado.

E nem se trata, obviamente, de colocar o treinador em causa

«Sabe qual é a minha consciência? É um bocado sobranceria minha, mas sinto que se não tivesse vindo para cá, se não tivesse a equipa que tenho, se não tivesse feito o investimento que fiz, o Sporting tinha acabado».

As palavras são de Godinho Lopes e foram proferidas há quase um ano, numa entrevista ao Expresso. Basicamente, depois de, durante a campanha eleitoral, ter conseguido instalar numa determinada franja de adeptos, a ideia de que era ele ou um Vale e Azevedo de verde e branco vestido, pode dizer-se que partiu dele a “brilhante” ideia de que o Sporting podia acabar. Não há dúvida que o homem se tem empenhado a fundo para fazer-nos, a todos, acreditar que esse fim está próximo, mas, muito sinceramente, soa a patético esse discurso. Estou cansado deste demagogo de metro e meio, estou cansado deste discurso de merda em tom alarmista, como que a ameaçar roubar a reforma aos sócios com mais votos. Estou cansado do Sporting desta gente. E, por estar tão cansado, resta-me assinar por baixo o repto lançado por Bruno de Carvalho, no Facebook.

«[…] Apenas um novo escrutínio eleitoral dará a força necessária, ao próximo presidente, para implementar as medidas fundamentais para alterar de forma substancial ,e com efeitos duradouros, o rumo que temos vivido e que não queremos mais. A solução até pode passar por Godinho Lopes, bastando para tal que se recandidate, com uma nova equipa e um projecto, e que o mesmo seja do agrado da maior parte dos votantes. A solução não pode é passar por nada fazer com a esperança que Vercauteren faça tudo sozinho.[…]»

 

p.s. – eu acrescentaria que, aceitar este desafio, até seria uma prova de godinho mostrar o seu sportinguismo (assim mesmo, em caixa baixa). Ainda por cima, em recente entrevista à RTP, o homem afirmou ter a certeza de que voltaria a ganhar as eleições. Não podiam existir duas ideias balofas e patéticas sem uma terceira, pois não?

O Sporting são vocês mas é o caralho!

Não é fácil conseguir concentrar-me nesta necessidade de termos um treinador. Não que não considere a questão totalmente fundamental e pertinente, antes porque vejo o Sporting transformado numa espécie de pântano. Os papagaios do costume já começaram a dar sinais de vida (com destaque para aquele senhor que ainda deve estar fodido por lhe terem cortado a mesada que ganhava a servir gambas no Estádio de Alvalade) e, embora estranhamente ignorada na imprensa, aquela história do Fernando Mendes ter passado a ser o macaco do Godinho, solto de cada vez que é preciso ameaçar quem se manifesta contra.

A ser verdade o que se passou no Dragão, é caso de polícia. Ou não, porque, ao que se conta, a polícia terá fechado os olhos às agressões que iam tendo lugar à sua frente. Mas, se a polícia fecha os olhos, se a imprensa só pica a internet e a blogosfera para o que lhe interessa (alô, Xandão), é demasiado vergonhoso que a nossa direcção ignore tudo isto. Pior, esse silêncio, essa falta de vontade de apurar o que, realmente, terá acontecido, leva-nos à triste confirmação de que a direcção do nosso clube tem alguns membros que não foram apresentados aquando das eleições.

Eu já tinha manifestado a minha indignação perante o silêncio, aquando da compra de bilhetes para a final da Taça. Agredir e ameaçar sócios, muitos deles a terminar uma noite em branco para conseguir o seu lugar no Jamor, para “arrebanhar” todos os bilhetes e mais alguns e, depois, às claras, colocá-los à venda na casinha. O impunidade é tal, que se deram ao desplante de colocar uma tabela de preços afixada na porta, com os valores a quintuplicar no espaço de horas. E o que fez a direcção? Nada!

Agora, conta-se à boca cheia, o novo macaco e alguns seguidores que adoram exibir tarjas onde pode ler-se «o Sporting somos nós», terão sido promovidos a segurança secreta do Godinho Lopes e, vai daí, receberam ordens para caçar aqueles que, à porta do Solar do Norte, se manifestaram contra esta verdadeira palhaçada que vai sendo a presidência do anão de jardim. O terreno escolhido para ajustar contas com aqueles que não calaram a boca em troca de viagens à Bélgica e à Suíça, terá sido a bancada do Estádio do Dragão, num episódio que promete ter continuidade na já anunciada reacção do Directivo.

Portanto, como se tudo o resto não bastasse, existe a possibilidade de assistirmos a uma guerra de claques patrocinada… pela direcção.
Resta saber se este é um caso em que pode aplicar-se o provérbio “quem cala, consente”.