A lógica, a falta dela e vai mas é lamber um servette

Ainda ontem defendi que, por uma questão de lógica e de justiça para com os restantes elementos do plantel, João Pereira devia reflectir sobre a muita merda que tem feito, vendo o próximo jogo do banco. Ao olhar para a convocatória, vejo Arias e Pereirinha de fora o que, parece-me, implica que João Pereira venha a ser titular frente ao Moreirense. Estou totalmente em desacordo, tal como discordo da ausência de Rubio nessa mesma convocatória. E, a confirmar-se a titularidade de Ribas, começo a não perceber a compra de Bojinov. Se o treinador acha que ele rende mais nas alas, onde as opções são várias e melhores, se o treinador se mostra pouco interessado em ter um plano de jogo que inclua dois avançados, então que raio está o búlgaro a fazer no plantel?!?

Para equilibrar a balança, Domingos teve, hoje, uma excelente prestação na conferência de imprensa que antecipou o jogo de amanhã, onde nem perdeu a ocasião para afrontar as duvidosas declarações do Godinho (estas, sim, e depois da rábula dos imagens, ficaram aquém do exigido) e onde só faltou perguntar ao Luís Duque se ele acha mesmo que o Sporting não é um clube grande ou se o disparate que disse resultou de ainda estar a arrotar o jantar, numa combinação sonora que lhe toldou o pensamento (até me admiro como é que tamanha barbaridade não ganhou outras proporções na nossa bela imprensa desportiva).
Não vou estar a transcrever tudo, que, quem quiser, pode espreitar aqui e aqui, mas destacaria dois momentos:
– primeiro, a história: «No final do último jogo, houve dois jogadores do Sp. Braga que no acesso aos balneários me disseram: toma! Sabem qual foi a minha reacção? Positiva! A minha reacção, se calhar, na mentalidade de outras pessoas, seria: Hugo Viana, no Valencia não jogava, fui busca-lo, consegui levantar-lhe a carreira e hoje é um jogador diferente. Fogo, faz-me isto!… O Mossoró, era suplente utilizado com o Jesus, comigo fez um grande campeonato, teve uma grave lesão, fui visitá-lo ao hospital…, que ingratidão! Mas eu não penso assim. Penso que formei dois campeões e que aquilo é a minha imagem. E sabem o que quero? De hoje para amanhã quero ouvir o mesmo do Onyewu, do Van Wolfswinkel, quando eles estiverem adaptados a este campeonato, mas para melhor ainda, porque é assim que trabalho. Não fico chateado porque é esse tipo de jogador que quero, é isso que procuro no Sporting».
– depois, uma espécie de resposta ao reaparecimento de Costinha, em versão abutre. «[…] Dá-me a sensação que muita gente que por aqui passou fala de forma ressabiada e quem por aqui queria passar fala de forma injustiçada […] Estou aqui há seis meses mas quando sair do Sporting não vou dizer mal, tal como não disse em Leiria, Coimbra e Braga. Para este clube ser diferente temos de mudar muita coisa, para sermos grandes temos de mudar muita coisa, porque eu quero ganhar e quero dar alegrias aos adeptos»

Aliás, esta é uma carapuça que assenta que nem uma luva às centenas que se assumem como grandes Sportinguistas. Recordo-me de uma entrevista do Costinha, onde o gajo defendia que um dos maiores problemas do Sporting era o facto de haver tanta gente a opinar e sempre pronta a criticar de forma pouco construtiva. Ora, o que este palerma deste ministro (porra, acho que nunca uma alcunha foi tão bem dada) veio, ontem, fazer, foi precisamente contribuir para esse ambiente que, segundo ele, só serve para impedir o clube de ser cada vez maior.
Para ele, para os fadistas e demais artistas, quero mais é que vão lamber um enorme servette de duas bolas. Uma verde e outra branca. Para ninguém colocar em causa o seu sportinguismo.

Anúncios

Ponto final passado

«Grémio? Nunca foi ventilada essa possibilidade, pelo menos comigo. O Anderson tem mais um ano de contrato, todos anos existe especulação, mas ele está bem no Sporting. Se houver interesse, primeiro temos que saber se o Sporting aceita liberá-lo. Jogador com contrato tem que cumprir», Gilmar Veloz, empresário de Anderson Polga.
Caro Gilmar, acredito que o Polga esteja bem, muito bem, e nem me chocaria vê-lo como quarta opção, mais não seja por acreditar que é importante termos jogadores mais velhos e que o rapaz é mais Sportinguista do que o gordo que bate com a mão no peito e vai ser posto a andar com um cheque de 1,5 milhões de euros, ou lá o que é. Mas, ainda assim, sinto que a sua passagem pelo Sporting já deu o que tinha a dar.

«No dia do fecho das inscrições, subi ao quarto do hotel à espera de três entradas. Fui ao site da Liga à meia-noite e ainda não tinham nada. Fui aos sites dos países de onde eram suposto vir os jogadores e nada. Pensei logo: já fui», Paulo Sérgio, in Mais Futebol.
Caro Paulo, quando perdemos em Paços de Ferreira, na primeira jornada, pensei logo: já fomos. Mas a tua frase é uma grande frase. E não entendo porque razão, já que tiveste logo essa certeza, não bateste com a porta. Ah, já sei. O cheque…

«Entrou o Tales, sobre o qual tinha dado uma opinião negativa. É um miúdo fantástico, trabalhador, mas não tem dimensão para jogar no Sporting», idem.
Mas fazem o que querem e tu continuas sem bater com a porta. Ah, já sei. O cheque…

«Tenho o maior respeito por Bettencourt, mas ele não me disse que havia dificuldades para contratar jogadores. Para onde é que foi o dinheiro de Moutinho e Veloso? Não foi para o reforço do meu plantel, certamente», idem.
Ouvi dizer que o do Moutinho vem às mijinhas. E que ajudou a pagar o ordenado. Do Bettencourt. Ah, e o cheque…

Mas, afinal, temos medo de quê?

É a pergunta que não consigo deixar de colocar a mim mesmo, depois do presidente do Marítimo ter tido a decência de colocar preto no branco o assunto Kleber.

Portanto, sabemos que oferecemos mais do que o Porto. Sabemos que, ao contrário do Porto, demos conhecimento ao Marítimo da intenção de contratar o jogador. Sabemos que a nossa proposta de pagamento era exactamente igual à do Porto.
Em resposta, fomos apelidados de “ridículos” por um cabrão de um presidente brasileiro que deve estar a receber por baixo da mesa umas boas centenas de milhar de euros.

E a nossa resposta é um simples “ridículas foram as declarações do presidente do Atlético Mineiro. A proposta que apresentámos foi a que eles pediram, por isso, não vou entrar num diálogo baixo”, dito por José Couceiro?
Mas custa assim tanto apontar o dedo aos filhos da puta nortenhos, que fazem do futebol uma banca de fruta?
p.s. – espero que pelo menos um dos futuros candidatos venha com intenção de pôr um ponto final nesta vassalagem.

A cereja no topo do monte (de merda)

[…] Vamos dar-lhe as boas-vindas, e agradecer-lhe o espírito de ter querido vir, ter aceite arriscar, porque é sempre um risco[…], sobre a chegada de Cristiano.

[…] Ridículas foram as declarações do presidente do At. Mineiro. A forma como todo o processo decorreu, a lisura de processos do Sporting não são compatíveis com este tipo de diálogo […], sobre o falhanço Kleber.

[…] Nem sei se pode utilizar-se o verbo falhar. Queríamos saber a possibilidade do jogador sair e foi o que fizemos. Contudo, as partes tem todo o direito de não querer negociar […], sobre o falhanço Djalma.

[…] Uma equipa da dimensão do Sporting tem de arranjar soluções. O Sporting não pode colocar em causa questões relacionadas com o seu futuro. O Liedson ainda é jogador do Sporting, marca um momento especial e vai sair a bem, mas não há insubstituíveis. […] Não podemos ter uma atitude de desânimo, o futebol é o momento, na ausência de uns surgem outros. […] Se estivesse lesionado ninguém diria nada […], sobre a venda de Liedson.

[…] A gestão de uma equipa não se faz por querermos este ou aquele jogador, e entendemos que a situação ganhava contornos complicados […], sobre Paulo Sérgio ter pedido mais um avançado e ter ficado sem o melhor.

É desta forma que o homem forte do nosso futebol explica um dos dias mais tristes da história do nosso Sporting. Um dia em que se deixa sair o último símbolo do clube. Um dia em que uma espécie de Douala angolano, jogador do Marítimo, nos diz que não. Um dia em que o presidente de um clube do meio da tabela do campeonato brasileiro, provavelmente com mão dos filhos da puta azuis e brancos, nos apelida de ridículos.
A tudo isto o neto de um histórico que, a esta hora, deve estar às voltas no outro mundo, responde desta forma leviana. Pior, agradecendo ao tal do Cristiano, que não é Ronaldo, ter aceite correr o risco de vir para o Sporting. Pior, dando a entender que os desejos do treinador valem tanto com zero. Pior, deixando no ar a suspeição sobre a saída de Liedson.

Por tudo isto, por esta verdadeira cereja no topo do monte de merda composto por esta gentalha que gere os destinos do nosso clube, não há volta a dar: José Couceito e Francisco José Costa, só têm um caminho a seguir; juntar-se ao José das maracas. Rua, caralho! Rua!

Mas Quem Será o Pai da Criança?

Como dizia a letra da canção que tocou em tudo o que foi baile de verão,”Mas quem será o pai da Criança”?

.

Na realidade, e ao que tudo indica, a resposta é fácil. Digamos que o pai da criança é o José Eduardo Bettencourt. A mãe não interessa. Uma rameira qualquer, provavelmente. Padrinhos é o que não falta à criança. Costinha, Couceiro, Roquette, Dias da Cunha, Soares Franco, Rogério Alves, Orgãos Sociais do Sporting, Conselho Leonino, BES, BCP, Paulo Bento, Carlos Carvalhal, Paulo Sérgio, Dias Ferreira, Rui Oliveira e Costa e Eduardo Barroso.

A família é numerosa e corro o risco de deixar alguém de fora. Perdoem-me, por isso. Mas todos estes, directa ou indirectamente, são responsáveios por terem deixado o menino nas nossas mãos.

E quem é esta criança?

É o Sporting. Um clube catatónico. Com uma Direcção demissionária mas que se acha na legitimidade de gerir com um critério mais do que duvidoso. Autora moral dos maiores atentados futebolísticos dos últimos anos:

Sem Liedson, valor e símbolo do clube. Incapaz de o vender no melhor momento. Incapaz, em alternativa, de o segurar e fazê-lo terminar a carreira no clube. Incapaz de entender que o mesmo estava na curva descendente da carreira há anos sem nunca ter demonstrado vontade e perícia para garantir a sua natural sucessão. Incapaz de entender que mesmo na curva descendente da carreira este Liedson é mehor com uma perna de pau do que todos os outros que ficaram e a quem se convencionou chamar de atacantes.

Sem Moutinho, capitão e símbolo do clube. Incapaz de o vender quando o valor de mercado apontava noutra direcção. Incapaz de o fazer crescer enquanto futebolista. Incapaz de o contrariar e apresentar-lhe um projecto vencedor. Aceitar com naturalidade a sua ida para um rival directo.

Sem Izmailov, valor e símbolo da arte de bem jogar. O único verdadeiro desequilibrador do plantel. Incapaz de garantir uma estrutura que o fizesse sentir cómodo. Abrindo frentes de batalha numa questão onde a guerra estava perdida à partida.

Sem um plantel competitivo e sem futuro à vista.

Sem símbolos e jogadores do passado entregues à causa.

Com menos adeptos e menos sócios.

Mais longe do primeiro lugar e da Champions League.

Refém da Banca, da Olivedesportos, do Jorge Mendes e do Pinto da Costa.

Com um estádio novo cheio de bicho e caruncho.

Submerso num profundo coma em que a cultura da impunidade se instalou e viciou toda a gente desde o Presidente ao gajo do torniquete.

Na realidade, pouca importa saber quem o pai da criança. Porque na verdade, o menino está nas nossas mãos. E é a nós, sócios e adeptos do Sporting, quem cabe a difícil missão de o educar e fazer crescer nas melhores condições possíveis.

Venha de lá essa mudança!

«Depois de uma reunião de mais de duas horas, o presidente da mesa da Assembleia Geral dos leões, Dias Ferreira, anunciou que, por unanimidade, os membros dos órgãos sociais do Sporting decidiram renunciar aos respectivos mandatos com efeitos a partir do dia 14 de Fevereiro.
Em consequência dessa decisão, Dias Ferreira anunciou para o dia 26 de Março uma assembleia geral eleitoral»

Os estranhos desígnios da arte de gerir (take 1)

Ao passar os olhos pelos desportivos de ontem e de hoje, fico com a ideia de que Couceiro será capaz de resolver dois dos problemas do plantel: Caneira e Izmailov.

Caneira, um dos homens fortes de Paulo Bento, tornou-se numa verdadeira pedra no sapato. Apontado como o principal bufo do balneário, passando informações em demasia ao seu amigo Seara, deixou o bandalho do seu empresário, Paulo Barbosa, dificultar ao máximo a tentativa do Sporting para resolver a situação de um jogador sem lugar no plantel. Bolton e Fulham foram dois dos três clubes ingleses propostos pelo Sporting e a todos eles Caneira torceu o nariz, preferindo fazer finca pé enquanto o seu empresário choramingava um tratamento discriminatório por parte da entidade patronal.

O mesmo empresário é figura incontornável no caso Izmailov, um caso que não só me enche de vergonha como de tristeza: pela forma como o Sporting tratou um dos seus mais valiosos e dedicados jogadores; pela forma como Izmailov se deixou conduzir por aquele bandalho anteriormente citado. Com um bocadinho de sorte, em Março o russo estará de volta e, fica já o recado, só espero que Paulo Sérgio (se ainda cá estiver) não faça o que fez Carvalhal, obrigando um jogador vindo de paragem prolongada e com pouco ritmo a fazer todos os minutos e mais alguns.

Nos dois processos há, também, outra figura incontornável: Costinha. E aqui, a questão é muito simples: se Couceiro conseguir acalmar as águas e resolver estes dois bicos de obra, como é que o fatiotas justificará o seu total insucesso para levar a bom porto contas que eram do seu rosário?