Não é querer falar mal, mas confesso que isto faz-me alguma confusão

Já há uns tempos que ando para escrever sobre a verdadeira “brigada do reumático” em que se tornou a nossa equipa.
Tirando a lesão do Grimi, que aconteceu como  aconteceu (apesar de todos sabermos que o gajo tem pernas de esferovite), a verdade é que chegamos a esta altura da época com a equipa presa por arames sendo que, nalguns dos casos, os arames rebentaram (Vuk) ou estão prestes a rebentar (Izma).

O Liedson joga em esforço.
O Polga em esforço joga.
O Caneira joga em esforço e quando a época terminar vai ser operado. 
O Yannick não joga, mas ainda assim está carregadinho de mialgias.
O Izma joga em esforço (desde a época passada).
O Rui Patrício apresenta mialgias.
O Pedro Silva está tocado.
O Derlei, tocado está. Ou melhor, cumpre plano específico.
O Vuk foi operado ao ombro. O tal ombro que já estava lesionado, à espera de uma bordoada mais forte para ceder de vez, num misto de atracção pelo risco e estupidez que podia ter sido evitada com uma operação no final da época passada.
O Rochemback rasgou a coxa e só volta daqui a 15 dias.

Eu confesso que gostava que alguém me explicasse isto. Se é uma época mal planeada, se é a componente física dos treinos que não presta, se é um departamento médico que mete água a torto e a direito? Claro que ninguém vai explicar nada ou, no máximo, vão usar a frase preferida do Fernando Santos: “futebol é isto”.