A propósito de Soares Franco

Soares Franco voltou à superfície. E logo, espante-se, para atacar Godinho Lopes e aplaudir o que vai ser feito por Bruno de Carvalho. Mais, para dizer que o que está a ser feito agora lhe recorda… o que não o deixaram fazer.

Sou sincero. Abomino o Soares Franco.
O homem que gosta mais de golfe do que de futebol.
O homem que afirmou que a derrota em Munique não foi humilhante.
O homem que enraizou a ideia de que lutarmos pelo segundo lugar e pelo acesso à Champions era algo fantástico.
O homem que confiava plenamente nos árbitros, mesmo depois de Duarte Gomes ser escolhido para nos encavar no dragão.
O homem que não avançava com o projecto financeiro aprovado pelos sócios, porque um dos pontos havia sido chumbado (ignorando todos os outros aprovados. Ah, o ponto que emperrou a máquina permitia passar para a SAD activos e passivos que estavam relacionados com alguns dos seus accionistas).
O homem que dizia estar tudo pronto, mas que não resolvia “a contenda” com a CML.
O homem que não queria pavilhão porque o Barcelona perdia dinheiro com as modalidades.
O homem que afirmou que o golo do Luisão encavalitado no Ricardo, foi limpo.
O homem que gabou a grandeza do benfica.
O homem das vendas imobiliárias e das alienações.
O homem que não foi capaz de capitalizar uma das melhores épocas da última década, numa aproximação aos sócios.
O homem que tanto promoveu a transformação do cartão de sócio num cartão bancário (adivinhem ligado a quem).
O homem que quase me fez chorar de raiva, ao ver esta foto no seguimento de um jogo em que fomos prejudicados.

soares franco

Jesualdo, o sincero

Leonardo Jardim que disse que, normalmente, os três grandes saíam mais beneficiados pelas arbitragens. Hoje, na conferência de imprensa que antecede o jogo de amanhã, Jesualdo Ferreira afirmou que Leonardo se «esqueceu de falar em quatro grandes».

Jesualdo, os meus parabéns pela sinceridade. Efectivamente, no que toca a colinho esta época, o Braga tem sido o maior…

Hipocrisias

Começo por deixar algo que fica para a posteridade: espero nunca ter que ver Jorge Jesus como treinador do Sporting. Aborrecem-me pessoas com pouca personalidade e, a julgar pelo que vou vendo e ouvindo, Jesus já aprendeu que neste futebol português vale de tudo. O homem que, enquanto treinador do Braga, apontava o dedo ao sistema, é hoje o homem que, depois do «limpinho, limpinho», choraminga favores e que, depois de ter tido que engolir Cardozo, volta a ficar célebre por se envolver em cenas lamentáveis no final de um jogo (eu percebo que ele queira que os lampiões gostem dele, mas tudo tem limites).

Mas Jesus é um homem feliz, pois os seus lamentos foram ouvidos. Não é de hoje que se sabe que há várias formas de influenciar um jogo. O amordaçar de uma equipa com cartões amarelos é uma delas. Que o diga o Guimarães, ontem, que se viu reduzido a dez fruto desse critério apertadinho do árbitro (ao contrário da largueza de outros), e que não só perde o jogo às três pancadas como ainda fica com um jogador castigado para, imagine-se, a visita ao Dragão.

É, é verdade, o jovem Fonseca veio queixar-se e, arregalem os olhos, até disse que o Sporting tinha sido prejudicado no dia anterior. Ora, para além de eu querer que o jovem Fonseca vá levar no sítio onde levam algumas das amigas do seu presidente, aproveito para dizer-lhe que, curiosamente, o seu fcporto tem apanhado equipas com jogadores castigados. É coincidência, claro, tal como o é o surgimento de um penalti ou de uma decisão salvadora sempre que a vitória está mais tremida. Ontem, caro Fonseca, antes do penalti que, efectivamente não foi, Otamendi devia ter sido expulso. E, já agora, não me parece que o segundo golo seja fora de jogo.

No meio desta salganhada, há quem vá cantando e rindo. Caladinho, o Braga foi escolhido como o moço de recados neste arranque de campeonato. Jogava com os adversários que, de seguida, apanhavam o fcporto. Expulsões, decisões manhosa, com a cereja no topo do bolo a ser servida neste fim-de-semana, com um penalti claro a ficar por marcar, a favor do Arouca. Arouca que, e a maldita conjugação dos astros tem muito que se lhe diga, é treinado por Pedro Emanuel. Agora, imaginem o que o bom do Pedro não diria se este lance tivesse acontecido num jogo frente ao Sporting. Alguém o viu espumar?

Espumar espumámos nós, no sábado, e peço desculpa pelo meu português: endereço um sentido «vai pró caralho!» a todo o Sportinguista que me vier dizer que, como jogámos mal, não devemos falar da arbitragem. Mas que merda é esta, foda-se?!? Então só se marcam penaltis quando uma equipa está a jogar bem?!? Foi penalti e tínhamos uma enorme oportunidade de fazer o 2-1. Ponto.
Ao meu português de há pouco, acrescento um «foda-se!», dirigido aos Sportinguistas que ainda me digam que não podemos falar muito porque já tivemos dois golos em fora de jogo. Ponto um, achar que se foi favorecido no jogo contra o benfica é patético. Entre a não expulsão do maxi e o golo do ic que nasce de uma falta inexistentes, escolham vocês o resto de asneiras do trio de arbitragem.
Ponto dois, sim, o golo em Faro foi em fora-de-jogo e desbloqueou o jogo. Mas isso significa o quê? Que temos que ser prejudicados para compensar? É que, se assim for, isso são excelentes notícias: neste deve e neste haver de arbitragens, vamos ser compensados nos próximos dez campeonatos pela vergonha que têm sido estas três últimas décadas (a propósito, o tal ronny da mão que nos lixou um título faz parte do plantel do rio ave).

Leonardo Jardim acabou por resumir tudo numa frase: «É uma hipocrisia os três grandes falarem de arbitragem quando são os mais beneficiados».
O que Leonardo Jardim depressa vai aprender, é que maior hipocrisia do que essa só a de fazer crer que o Sporting é menos prejudicados dos que os outros dois. Maior hipocrisia do que essa, só a de não querer ver que ao Sporting  não basta jogar melhor do que o adversário. Tem que jogar muito melhor. Porque, imagine-se, até alguns dos seus adeptos acham que um árbitro não marcar um penalti escandaloso, é castigo merecido quando se está a jogar mal.

xistra

A confirmação do merdas que és

 «Sei da dedicação do engenheiro Nobre Guedes à situação financeira do Sporting», Rui Oliveira e Costa.

Os lamentos de Manuel Fernandes

Ganhar 20 mil euros por mês deve ser porreiro. Ganhar dez mil, também. Se me perguntassem se queria ganhar 1500 euros limpos e trabalhar em prol do Sporting, eu chegaria a casa e daria a noticia com um sorriso de orelha a orelha.
Mas cada um sabe de si e das contas que tem para pagar (diz que gastamos à medida do que ganhamos), por isso o velho Manel, ídolo de todos nós, lá terá as suas razões para não ter aceitado a proposta que lhe fizeram. Não lhe fica é bem, passados dois dias de se saber que o ordenado do presidente, que vai ser levado a votos em assembleia, é de cinco mil euros, vir fazer um choradinho no novo programa da SIC.

p.s. – a propósito, o que circula nos bastidores é que a rapaziada do Dia Seguinte mama 5 mil euros por mês para fazer presenças. Quase tanto como a Fanny. Pode ser que os comentários no play-off te ajudem a ter uma vida mais desafogada, Manel. Um abraço

Magia? Mas qual magia?!?

«[…] Quanto ao arranque da Liga ZON Sagres, a SPORT.TV LIVE irá acompanhar, dia 19 de agosto às 20h15, em direto, exclusivo e HD o primeiro jogo do Sporting na época 2013-2014. O Sporting Clube Portugal, sob o comando de Leonardo Jardim, vai defrontar, o Arouca, que se estreia esta época na Liga ZON Sagres – Sporting x Arouca (…]»

Ler uma merda destas numa altura em que se procura motivar os adeptos, em que se faz campanha pela compra de gameboxes e se sublinha que não há nada como ir ao Estádio, é um autêntico murro (de soqueira), na tromba! É que, caso vos escape à primeira, dia 19 de Agosto é uma segunda-feira! Uma segunda-feira à noite, foda-se!
Imaginemos o cenário: investes numa gamebox, pagas quaotas, compras uma camisola e, em pouco mais de meia hora, deste 300 euros a ganhar ao clube. Depois… depois levas com o primeiro jogo numa segunda-feira à noite. Pró caralho!

 

p.s. – numa altura em que fazemos finca pé e arreganhamos os dentes aos empresários, seria bom que a direcção não esquecesse que o tal do Oliveira também é um empresário. E que há anos que nos relega para os confins da programação, a seu belo prazer!
«A magia de Alvalade vive-se no Estádio», escreveu José Quintela no editorial do jornal Sporting. Pena que muitos se vejam privados de vivê-la, logo à primeira jornada…