Continuando a limpar o cocó que os outros fizeram

Em Dezembro de 2010, e com o objectivo único de viabilizar o projecto de reestruturação financeira do Sporting, a Nova Expressão SGPS, registando consideráveis menos-valias, estabeleceu com a Direcção de José Eduardo Bettencourt, um acordo de venda da sua participação de 11,667% por cento do capital social e direitos de voto da Sporting SAD, participação que era o resultado de 13 anos de investimento contínuo no Clube.

Ao longo da Presidência de Godinho Lopes o acordo estabelecido foi ignorado e a Nova Expressão SGPS não foi ressarcida do valor – estabelecido em contrato – da posição accionista de que abdicou e viu as garantias colaterais dadas pela SAD alienadas de forma discricionária. Toda esta situação comprometeu os planos de investimento da Nova Expressão SGPS em várias das suas participadas, causando graves prejuízos a este universo de empresas.

Esta situação foi finalmente resolvida esta semana com o estabelecimento de um novo acordo com a nova Administração da Sporting SGPS, que regularizou a situação.

Como é do conhecimento público a Sporting SAD está a angariar novas participações, decorrendo um processo de recomposição accionista. A Nova Expressão SGPS, congratulando-se com a resolução do diferendo que existia, gostaria de manifestar a sua vontade de, em oportunidade futura, voltar a ter uma posição acionista na Sporting SAD. Na realidade constatamos que continua a existir espaço e sentido para a nossa estratégia inicial, baseada numa proposta de valor que passe pela constituição de um forte núcleo de accionistas nacionais, empenhados no sucesso do Sporting e no posicionamento do Clube e da SAD como uma referência em termos de modelo de negócio e de gestão no panorama do Futebol português.

NOVA EXPRESSÃO SGPS, S.A.
Julho 2013

Limpando a casa que outros conspurcaram

“O Presidente do SCP, Dr. Bruno de Carvalho, está a preparar, em articulação directa com a Câmara Municipal [de Odivelas] e estreito acompanhamento pela Municipália EM, um plano de pagamentos para cumprimento das obrigações assumidas pela anterior direcção, presidida pelo Eng.º Godinho Lopes […] a actual Direcção do Sporting, desde que tomou posse, tem feito todos os esforços para pagar os valores em dívida. Com efeito, já foram realizadas várias transferências para pagamento do valor mensal de utilização de espaços do Multiusos de Odivelas, bem como foi paga a fatura relativa à realização do Sarau de Ginástica do Clube”; in comunicado da Municipália.

A dura realidade

É normal que, enquanto adeptos, sonhemos com craques que reforcem a aposta nos nossos «putos maravilha». Mas, face a números como os que surgem abaixo, cabe-nos controlar essa nossa vontade e perceber o único caminho possível: renovar (com os putos) e endireitar (as contas, esmagadas por ordenados inacreditáveis). Até porque ainda falta resolver casos como Pranjic, Bojinov, Jeffren, Boula ou Onyewu…

ordenados

p.s. – tinha-me esquecido de outro craque, o Gelson! Entre o que mamou, num ano, e o que conseguimos recuperar, na transferência, ainda ficámos a perder dinheiro.

Ainda o tal negócio inacreditável

«Sempre fui bem tratado no FC Porto e no Sporting. A ser verdade que o Lyon está disposto a contratar-me tenho a certeza de que tanto o presidente do FC Porto como o do Sporting, independentemente dos problemas que os clubes tenham, não vão colocar entraves a que eu jogue noutro clube e na Liga dos Campeões», Miguel Lopes in A Bola.

Segue-se novo capítulo de um dos mais inacreditáveis negócios da história do Sporting.

Coincidências

No dia em que os senadores brasileiros aprovaram o projecto de lei que transforma a corrupção em crime hediondo, o que faz com que os condenados por corrupção percam o direito à amnistia, indulto e pagamento de fiança para serem libertados, Godinho Lopes resolveu reaparecer com pérolas como «Quem está na direcção do clube, sabendo que está de passagem, deve unicamente preocupar-se em trabalhar e servir».
Trabalhar e servir quem, é a pergunta que fica.

Não sei se ria, não sei se chore

«Acordo Izmailov prevê que os dragões possam vetar venda de Miguel Lopes abaixo dos 10 milhões de euros».
A frase está na capa do jornal A Bola, de hoje, e, a ser verdade, deixa-me com uma certeza: quando se é duro a negociar, fazem-se grandes negócios…

12 milhões

É a bombinha do dia, chutada para um canto da capa da Bola. Ao longo do reinado do pequeno Godo, pagaram-se 12 milhões em comissões!!!
Claro que foi necessário convidar a sair o médico que não queria dar o sim à contratação de Rodriguez e de Luís Aguiar, entre outros, porque o importante era fazer bons negócios, mas o que são 12 milhões para quem tinha uma bomba de gasolina que valia 18?