Não devias ter sido o único a falar

«É absolutamente falso que eu pretenda requerer junto do Tribunal de Trabalho uma pensão por incapacidade. Uma tal pretensão implicaria que eu abandonasse definitivamente a minha actividade profissional, o que é totalmente absurdo. Acabo de completar 29 anos de idade e penso jogar futebol como profissional durante mais alguns anos. Não tem, pois, fundamento, a notícia que alega que um eventual processo irá dar entrada no tribunal do trabalho. Tenho tido alguns problemas no meu joelho, mas espero resolvê-los rapidamente, para poder dar o meu melhor contributo à equipa», Izmailov, em comunicado.  

Muito sinceramente, penso que faltou este comunicado ser acompanhado, de viva voz, por alguém da direcção, com uma simples declaração. Qualquer coisa como “o jornal Record já mostrou, por mais do que uma vez, que tem tanta credibilidade como um zero à esquerda. A capa de hoje (ontem), onde estampam mais uma mentira é, apenas, novo exemplo da pequenez e falta de ética daquilo a que mais não pode chamar-se do que pasquim”.

No fundo, é em momento como este que o Duque e companhia têm que mostrar que “acabou o Sportinguezinho”.

ACTUALIZAÇÃO
Afinal o Sporting respondeu e eu não dei por nada. Entre apagar o post e assumir a bacorada, prefiro a segunda. Pronto, podem “biqueirar-me”.

resposta do Sporting no site oficial
A notícia publicada esta quinta-feira no Jornal “Record” com o título: “Izmailov quer pensão por incapacidade” prejudica gravemente o jogador e a estabilidade da equipa profissional de futebol da Sporting SAD. O atleta já afirmou em comunicado, que a informação é “absolutamente falsa”.
A importância e repercussões dos factos relatados exigiriam do referido órgão de comunicação um cuidado acrescido na confirmação dos factos, o que poderia ter sido facilmente alcançável contactando o jogador, o seu empresário ou a Sporting SAD, o que incompreensivelmente não foi feito.
A Sporting SAD não deixará de defender os seus profissionais e regista o momento que foi escolhido para destabilizar a equipa de futebol.

 

Saga sem fim?

Já nem há palavras para opinar sobre o que vai sendo a carreira do Izmailov, com a camisola verde e branca vestida.
Que, quando recuperados, Matías, Aguiar e Jeffren nos façam esquecer a ausência de um dos mais importantes e influentes jogadores do plantel.

Ponto de situação

Ainda não tinha tido oportunidade de despedir-me, condignamente, de Hélder Postiga e de Yannick Djaló. Nem de, fechado o mercado, comentar a forma como a dupla Freitas/Duque abordou o mesmo. Vamos por partes.

Não pude deixar de achar cómica, a reação de alguns Sportinguistas à saída de Postiga e de Djaló, lamentando a sua venda e considerando que perdemos dois bons jogadores.
De Postiga, só tenho a dizer o seguinte: marcou 12 golos em quatro épocas, uma média miserável. Aliás, contabilizando o número de minutos jogados, consegue ter uma média pior do que Purovic, do que Rodrigo Bonifácio Tiuí e do que… Koke. Estou-me completamente a cagar para o facto do gajo se julgar a “Paula Rego das quatro linhas”. Quero golos. Ele é avançado e não os marca (e ainda impede os colegas de fazê-lo). Põe-te nas putas que já vais tarde!
Quanto a Yannick, teve mais do que oportunidades para provar que era jogador para o Sporting. Como avançado, consegue disfarçar as suas deficiências técnicas com alguns golos, mas podemos ter num plantel um jogador que, em dez bolas, domina duas à primeira? Que como extremo não sabe ir à linha e cruzar? Ou partir para cima do adversário e fazer a diferença num 1×1? Não, não é jogador para o Sporting e não vamos tratá-lo como coitadinho só porque é oriundo da nossa formação. Nem vamos fazer dele um menino bem comportado, quando várias vezes o vimos não festejar golos porque estava amuado por terem gozado com o seu novo penteado. Ah, e muito menos vamos manter um jogador que nos dá motivos para aplaudir duas ou três vezes por época, só porque o gajo ainda vai parar ao Porto e ai ai ai (por favor, não me falem no Varela. Se os tripas não tivessem sido campeões o gajo já tinha sido apelidado de merdoso que, por época, passa dois ou três meses lesionado).

Quanto ao mercado, e depois de ter-se conseguido um treinador com competência, existiam várias lacunas no plantel a resolver:
– um concorrente para João Pereira
– defesas centrais que permitissem colocar um ponto final no calvário dos lances pelo ar
– um lateral esquerdo
– médios centro de qualidade
– extremos
– avançados que substituíssem Liedson (porra que ainda ontem vi o homem marcar dois ao Flamengo)

Para concorrer com João Pereira avançou-se para João Gonçalves, entretanto emprestado ao Olhanense. Ficou Pereirinha, que para mim apenas tem hipótese de jogar neste posição, e chegou Arias, que muito boas indicações deixou no mundial de sub-20. Creio que temos o problema resolvido.
No centro da defesa, um dos maiores problemas, optou-se por manter Anderson Polga e Carriço (que, por muito que me custe dizê-lo, já me pareceu bem melhor). Foi-se buscar Rodriguez, ao Braga, e chegou o gigante Onyewu, que de muito bom, contra a Juventus, passou a grande merda, contra o Valência. Bipolaridades à parte, para mim não tem muito que saber: é Rodriguez, à esquerda, e Onyewu, à direita. Não será uma dupla de sonho, pois não, mas ganhamos, força, ganhamos altura e, aposto, deixamos de sofrer golos patéticos. E, porra, duvido que não seja dupla para nos fazer lutar por títulos. Agora, é preciso é que consigam jogar juntos três ou quatro vezes para ganharem entrosamento.
Ainda na defesa, agora do lado esquerdo, penso que está mais do que visto que Evaldo é mediano. Pouco ataca e defende assim assim. Tem dias, no fundo. Mas como o Sporting precisa de alguém que tenha meses em vez de dias, foi-se buscar Insua. E era preciso o Grimi pegar-lhe a gripe para o homem não vir a transformar-se no nosso titular.

A meio-campo, onde sobravam André Santos, Matias e Izmailov da época passada, chegaram Rinaudo, Schaars, Luis Aguiar e Elias. Prefiro nem me alongar muito em comentários, deixando apenas a seguinte pergunta: olhando para estes sete gajos, e mesmo acreditando que possamos sentir a falta de um gajo que limpe tudo o que sejam bolas pelo ar, há quantos anos não tínhamos um meio-campo com esta qualidade e estas opções?  Inácio, por exemplo, foi campeão com uma rodela central onde cabiam Duscher, Vidigal, Bino, Toñito e Delfim. Temos piores opções? E o Sr. Boloni, pese o poder de fogo ao seu dispôr, tinha como médios centro Paulo Bento, Vidigal, Custódio, Bruno Caires, Diogo, Hugo Viana e o Afonso “nem pensem que me vou embora até terminar o meu contrato” Martins. Temos piores opções?

Já cheirava mal não termos extremos, não cheirava? O odor mudou radicalmente com a chegada de Capel, Jeffren e Carrillo. Há extremos, pois há, e de qualidade. Até o puto peruano, que parece ter vindo numa de estagiar durante a primeira época, mostra a cada pormenor ter imenso futebol naqueles pés.

Por último, havia que resolver um problema que se deixou arrastar: a dependência de Liedson. É inacreditável como se foi deixando passar os anos sem se antecipar a saída ou diminuição de rendimento do Levezinho. Pensar que Postiga podia ser o seu substituto não foi um acto de fé, antes de acefalia, que nos deixou entregues a um ataque sem golos. Chegaram, entretanto, Wolfswinkel, Rubio e Bojinov. Já nem discutindo qualidades e características, patético será algum deles fazer pior do que o dito artista. E dizer que qualquer um deles não presta, parece-me desonesto.

Posto isto, e muito resumidamente, há matéria prima para o Sporting estar, efectivamente, de volta. Que assim nos ajude a ausência de lesões e que, depois de ter andando a colocar jogadores a titulares para poder vendê-los, que seja capaz Domingos de se deixar de invenções parvas e de confirmar que o que de bom fez até hoje, enquanto treinador, não foi obra do acaso. A prova de fogo está marcada para amanhã, naquele que tem tudo para poder ser o primeiro jogo do resto da nossa época.

 

 

 

Jeffren

Tenho duas leituras para esta contratação.
Primeira: um bom jogador, tecnicamente acima da média, com pormenores daqueles que levam pessoas ao estádio, rápido como poucos no nosso plantel, com escola catalã (e com qualidade suficiente para frequentá-la na equipa principal). Quatro milhões, com a possibilidade do Barça o recuperar a troco de oito (o que indicia que os catalães acreditam tanto ou mais do que nós no seu potencial). Bom negócio, sem dúvida, dando-nos a possibilidade de actuar com dois alas que podem fazer toda a diferença (Capel + Jeffren).
Segunda: juntar esta contratação (apesar de Jeffren poder actuar na esquerda, pela capacidade de jogar com ambos os pés), à chegada de Carrillo e à manutenção de Pereirinha (e ainda falta Arias) leva-me a questionar o estado em que estará Izmailov, a primeira opção de Domingos para o nosso lado direito (com a renovação a comprová-lo).

Problema(s) resolvidos?

«Nos termos e para efeitos do cumprimento da obrigação de informação que decorre do disposto no artigo 248º, nº1 al. a) do Código dos Valores Mobiliários, a Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD vem informar que foi nesta data renovado o contrato de trabalho desportivo com o jogador Marat Izmailov, o qual passará a vigorar até 30 de Junho de 2015, tendo sido fixada uma cláusula de rescisão de trinta milhões de euros.»

Portanto, confirma-se que esta maçã não está podre e vamos acreditar que o joelho está curado. Se assim for, seja muito bem-vindo, caro Marat. É um prazer tê-lo como primeiro reforço para a próxima época.

Os estranhos desígnios da arte de gerir (take 1)

Ao passar os olhos pelos desportivos de ontem e de hoje, fico com a ideia de que Couceiro será capaz de resolver dois dos problemas do plantel: Caneira e Izmailov.

Caneira, um dos homens fortes de Paulo Bento, tornou-se numa verdadeira pedra no sapato. Apontado como o principal bufo do balneário, passando informações em demasia ao seu amigo Seara, deixou o bandalho do seu empresário, Paulo Barbosa, dificultar ao máximo a tentativa do Sporting para resolver a situação de um jogador sem lugar no plantel. Bolton e Fulham foram dois dos três clubes ingleses propostos pelo Sporting e a todos eles Caneira torceu o nariz, preferindo fazer finca pé enquanto o seu empresário choramingava um tratamento discriminatório por parte da entidade patronal.

O mesmo empresário é figura incontornável no caso Izmailov, um caso que não só me enche de vergonha como de tristeza: pela forma como o Sporting tratou um dos seus mais valiosos e dedicados jogadores; pela forma como Izmailov se deixou conduzir por aquele bandalho anteriormente citado. Com um bocadinho de sorte, em Março o russo estará de volta e, fica já o recado, só espero que Paulo Sérgio (se ainda cá estiver) não faça o que fez Carvalhal, obrigando um jogador vindo de paragem prolongada e com pouco ritmo a fazer todos os minutos e mais alguns.

Nos dois processos há, também, outra figura incontornável: Costinha. E aqui, a questão é muito simples: se Couceiro conseguir acalmar as águas e resolver estes dois bicos de obra, como é que o fatiotas justificará o seu total insucesso para levar a bom porto contas que eram do seu rosário?

Só falta chamarem-lhe “falso Sportinguista”

Depois das miseráveis entrevistas do Maniche, acordamos com Costinha a apontar o dedo a uma das figuras mais emblemáticas da história do Sporting (para o bem e para o mal): Sousa Cintra. O ex-presidente disse que o director desportivo tem responsabilidades directas no estado actual do nosso clube; o “ministro” mandou-o meter-se na sua vida e ameaçou, um dia destes, mostrar um papelinho dos tempos em que Cintra dava alma ao leão.

Posto isto, vai-me na cabeça o seguinte:
– Depois do “cala-te, pá! Cala-te!”, com que Bettencourt brindou um adepto, este “ele que se meta na sua vida” é mais uma prova da falta de respeito que esta gente tem por quem não partilha as suas ideias (de merda, grande parte delas). Com a agravante de, neste caso, estarmos a falar de uma falta de respeito a alguém com um peso na história do clube que o moço Costinha dificilmente atingirá;
– Depois do amigo Maniche ter falado em críticas de falsos Sportinguistas, esta reacção do Costinha significa que são pessoas como o Sousa Cintra que são consideradas falsos Sportinguistas? (estás a ver, oh Cintra, devias ter batido com a mão no peito muitas vezes e dito que eras do Sporting desde pequenino);
– Aquilo que Sousa Cintra diz, é alguma mentira? Quem foi o responsável pela contratação deste treinador? Quem é figura de proa no caso Izmailov? Quem geria o nosso futebol quando despachámos o Moutinho para o Porto? E o Veloso, a preço de saldo? Quem indicou o Valdés como solução para uma das nossas alas, quando o homem rende é ao meio? Quem é que, precisamente, se esqueceu de reforçar as alas? Quem é que está a ponderar renovar com o Postiga? Quem é que fez parte da decisão de recambiar o Vuk para a Grécia? Quem é que negoceia dois centrais calmeirões que parecem incapazes de tirar o lugar a um jogador que estava de malas aviadas?

Já viste a quantidade de papelinhos que isto dava, oh Costinha?

Lenha para a fogueira

No excelente post que escreveu abaixo, Douglas diz “De tão pequeno que aparenta ser, Costinha foi outro dos cobardes desta história […]  alguém vai atirar várias pedras e fugir…”.
Ora, se este artigo for verdade, parece que o rei dos fatos está farto de atirar pedras e tem enorme peso em muita da merda que vai fazendo com o que nosso clube nos cheire mal. Muito mal.