Depende do objectivo

Diz que um dos candidatos se reuniu com Maradona. Eu fico curioso por perceber, primeiro, se é verdade, segundo, se existirá inteligência para capitalizar a imagem de Deus Diego a favor do Sporting.

Anúncios

Fado

«O que o Sporting precisa é de um cheque e de uma vassoura», Luís Duque, antes das eleições.

«A esmagadora maioria dos jogadores vai ficar. Há conversas para termos, esta não é a altura para fazer plantéis», Carlos Freitas, ontem.

Kick the baby!

Alex Ferguson não viu o Bébé jogar à bola. Vai daí e gastou oito – oito! – milhões para o contratar ao Vitória.

Ninguém acha isto estranho? Está tudo preocupado em contar a história do menino pobre que está a viver um sonho. Mas ninguém procura compreender como é que, num mercado altamente criterioso como o deste ano, um clube decide dar oito – oito! – milhões por um jogador que nunca jogou à bola a sério. O Real Madrid pagou só o dobro pelo melhor jogador do Mundial! 

Isto é assunto sério para o futuro do próprio Sporting. É que, se o critério das contratações continuar a ser este – o submundo -, então se calhar vale a pena fazer aquilo que me parecia um disparate há umas semanas, quando alguém partilhou comigo a ideia de que mais valia acabar com a Academia. A coisa pareceu-me bizarra na altura. Mas, tendo em conta que o Sporting realizou praticamente o mesmo encaixe com cada uma das duas jóias da Academia nos últimos quatro anos, então se calhar o melhor é mesmo vender os terrenos – que abatem metade do passivo, com jeitinho -, ter só escolhinhas – que é o que dá dinheiro – e comprar jogadores à Casa do Gaiato, para metê-los nas mãos do Jorge Mendes, que acabará por pô-los a render.

A piada é que todos ganham com isto: o Mendes, em comissões limpinhas, o Man Utd, em lavagem de dinheiro, o Vitória, em dinheiro lavado, e o Bébé, que até já aparece de cara lavada. Depois? Depois logo se vê. Perguntem ao Manucho como é que é…

Trivela-peixinho

Este fim-de-semana, em Nova Iorque, assistimos a um lance de golo de alto calibre estético, técnico e esotérico. Passe de trivela, finalização de peixinho. Bonito e eficaz. Auguro novos momentos de intensa magia para a época que agora se inicia. E conexões igualmente hipnóticas:

– letra-bicicleta
– calcanhar-bico
– três dedos-moinho
– cueca-cabrito
– joelho-escorpião
– foquinha-tomahawk

As combinações são infinitas, como infinita é a nossa fé.

Os artistas vestem de verde-e-branco.