Perspectivas

Há quem olhe para o torneio de ontem como mais um momento miserável, onde se comprova a falta de qualidade dos jogadores, a incapacidade do treinador e a necessidade de encostarmos o Wolfswinkel para resolvermos todos os nossos problemas.
Eu, muito sinceramente, prefiro olhá-lo como um bom treino, incluindo penaltis, onde vi o Elias a subir de forma e a integração de alguns dos miúdos em quem tanto acreditamos na equipa principal. Ah, e mais importante, onde o Paulinho voltou a beijar um canequito, mostrando espírito de grupo e enraizando o sentimento de vitória. Para já, isso chega-me.

Tinhas ordens específicas de quem, oh Domingos?

No lançamento do livro de Fernando Correia “Paulinho, esforço, dedicação e devoção ao Sporting”, o roupeiro dos leões lançou uma bomba: “Ele [Domingos] não me queria no Sporting, mas o presidente Godinho Lopes, o Luís Duque e o Carlos Freitas colocaram o peito à frente e não deixaram. Agradeço-lhes muito. O que ele fez não se faz a um roupeiro”, contou, à margem da apresentação do livro, na Casa XXI, no Estádio de Alvalade (in Diário de Notícias)

Se não fosse o Paulinho a contar, eu não acreditava…