O Paulo Bento ainda treina aqui? (dia 3)

E não é que treina mesmo?!
Caraças, nós somos mesmo uma merda de adeptos, incapazes de perceber que o homem não é um problema, mas a solução!
Aliás, o homem é tão, mas tão especial, que nem os nossos diários desportivos são capazes de perguntar-lhe: “Paulo, acha mesmo que tem condições para continuar?”

O Paulo Bento ainda treina aqui? (dia 2)

É verdade, o Paulo Bento ainda treina aqui.
O Paulo Bento é uma besta e acha que consegue inverter a situação.
O Bettencourt é uma besta e considerou desnecessária a reunião formal com a administração da SAD, prevista para ontem, pois depressa encontrou a principal causa para a miséria em que está o nosso futebol: défice dos níveis de confiança e de auto-estima.

É giro o Juba Branca vir dizer uma coisa destas, depois de ele mesmo, no início da época, ter vindo afirmar que o Sporting não era tão candidato ao título como o FCP e o Benfica. E é uma vergonha ninguém ter olhos para ver que, se uma equipa que cimenta laços de companheirismo e automatismos há quatro anos, está sem confiança e sem auto-estima, é porque o treinador não consegue fazê-los pensar o contrário. A prova? A forma patética como entramos em todos os jogos.

Paulo, porque é que não te demites?

Existe um plano B?

Eu aposto que não, que não existe. Que ninguém naquela “santa direcção” pensou na hipótese de ter que substituir o Paulo Bento, contrariando o disparatado “forever” dito pelo nosso presidente.
Quase aposto que, na reunião desta tarde, se surgir a pergunta “tens aí a lista de nomes de treinadores?”, vão ficar todos a olhar uns para os outros.
O Pedro Barbosa finge que deixou cair uma caneta e esconde-se sob a mesa. O Telles desaperta a gravata, nervoso.
O Bettencourt quebra o gelo, lançando uma piadola. “O Mourinho é que era, pois era?”
Risota geral. E silêncio. Alguém arrota sem querer, traído pelo final da piada Mourinho. Mais risota, mas uma risota nervosa, como que tentando encobrir o vazio de ideas. Ou de trabalho de planeamento, claro está.

No meio desta tragédia, Bettencourt olha para a sua assistente e diz-lhe: “Penélope, empreste-nos o seu portátil, sff. O Google vai ajudar-nos de certeza!”, e é movidos pela esperança de que algo do género aconteça e que o Juba Branca acabe a navegar pelo Cacifo, que vos pedimos ajuda.

Quem é que vocês acham que devíamos tentar contratar para o lugar do Paulo Bento?

Até que profundidade terá que ir o Titanic?

“Não me recordo de estar a 10 pontos do líder à 7ª jornada. Os jogadores são os mesmos e a equipa técnica também, por isso só devia haver melhorias. A qualidade de jogo deixa muito a desejar. Não me recordo de ver o Sporting a jogar tão mal. Já vi mandarem treinadores embora por muito menos, até quem ia em primeiro…”, Cadete, in Jogo.

Eu aplaudo as palavras do Cadete e continuo com uma pergunta semelhante a matutar-me na cabeça.
Será que termos enterrado a hipótese de sermos campeões à sétima jornada, não é motivo suficiente para mudarmos?
Ou, se preferirem, depois de termos hipotecado dois dos objectivos – apuramento para a Liga dos Campeões e campeonato nacional – estamos à espera do quê? De voltarmos a ser enxovalhados nos oitavos de final de uma competição europeia? De ganhar uma tacinha de merda para dizer que o Paulo Bento conquistou mais um troféu?

Neste Titanic de merda, temos um Almirante sem tomates para despedir quem dá o peito às balas por ele, e um Capitão sem a humildade para entregar o leme a alguém que ainda possa salvar o que houver a salvar, insistindo na estafada teoria de que ele consegue dar a volta com este grupo de marinheiros desesperados e fartos de aturar quem os orienta.

Eu, em terra, só lamento que não se aproveite quase três semanas de águas mais calmas para tentar evitar que o barco fique, definitivamente, preso no fundo do mar.

É só isso, sr Presidente?

610x396

Depois de ter dito que confiava em que nomeava os árbitros (ou seja, em quem faz parte da máquina de enrabanços a que estamos sujeitos e que tinha acabado de nomear o árbitro contra quem temos um processo a decorrer);
Depois de ter dito que ia sentar-se ao lado de Pinto da Costa (ou seja, ao lado de um dos rostos da corrupção em Portugal);
Depois de ter dito que o FCP-Sporting ia ser um espectáculo (ou seja, que estava mais do que pronto para o que aí vinha)

José Eduardo Bettencourt, presidente do meu clube, que nas várias entrevistas que deu antes das eleições disse ser importante criar uma estrutura que impedisse o treinador de estar exposto a questões relacionadas com arbitragem e afins, viu o jogo de camarote ao lado de quem todos nós sabemos e, no final, depois de termos sido literalmente gozados pelo gajo do apito que ficou fodido da vida porque a namorada o encornou com o treinador de guarda-redes do Sporting, deixou, uma vez mais, que fosse o treinador, Paulo Bento, a dar corpo às balas. 

Esperei uma reacção durante a noite. Ao pequeno almoço. Ao almoço. A lanche. Até que… aparece esta miséria no site oficial do Sporting:  

1. O Conselho de Administração da Sporting, SAD tudo fez para que a lamentável nomeação do senhor Duarte Gomes para arbitrar o jogo FC Porto – Sporting não criasse um ambiente insustentável à volta desse encontro e não condicionasse ainda mais uma arbitragem já de si condicionada pela decisão do senhor Vítor Pereira;

2. O Presidente do Conselho de Administração da Sporting, SAD sentiu-se até na necessidade de proferir algumas declarações que mais não visavam do que contribuir para que o árbitro pudesse, ainda assim, ter as condições mínimas para dirigir o encontro;

3. O Presidente da Comissão de Arbitragem da LPFP, ao longo dos anos em que vem exercendo o seu mandato, tem tomado decisões que manifestamente têm prejudicado a Sporting, SAD. Desde a inacreditável nota interina lida apenas aos delegados ao jogo Estrela da Amadora – Sporting, sobre os atrasos aos guardas redes na sequência de um jogo no Estádio do Dragão até ao inaceitável silêncio a seguir às incidências da Final da Taça da Liga da época passada e às lamentáveis tentativas de justificação proferidas pelos três dos árbitros dessa partida, tudo tem sido possível e passado impune;

4. Aliás, a dignidade do cargo de Presidente da Comissão de Arbitragem não se compadece com a aparente vontade de usar as nomeações para acintosamente provocar clubes, como aconteceu com a nomeação ora em causa;

5. Apesar de tudo, a Sporting SAD manterá a forma independente e transparente como se tem relacionado ao longo dos anos com as instituições que regem e dirigem o futebol português, sem prejuízo de vir a terreiro sempre que tais princípios sejam postos em causa como o fez agora a Comissão de Arbitragem.

 

É só isso, sr. Presidente? Sabemos que estão a meter-nos o dedo no cu (ou melhor, a mão toda), soltamos um “ai, ai, ai” envergonhado e prometemos continuar a assistir tranquilos à enrabadela?
Olhe, sr. Presidente, a questão é que já não somos só nós a estarmos fartos. Aplaudi de pé quando o Paulo Bento disse “o Sporting é demasiado simpático e depois quem paga são os jogadores e o treinador”, dando voz ao descontentamento que deve ter tomado conta do balneário quando o sr Presidente aceitou de rabo alçado a nomeação do encornado. Aliás, sr Presidente, depois das suas palavras, percebo agora pq razão o nosso treinador não comentou a nomeação antes do jogo.

Sabe, sr. Presidente, dava jeito encontrarem forma do Paulo Bento deixar de fazer o seu trabalho e o do director de futebol que só serve para ir a sorteios na terra do chocolate. Podia ser que, dessa forma, tivesse mais tempo para pensar no porquê de entrarmos a dormir em todos  os jogos.

Vamos ajudar o Pedro Barbosa

O Derlei disse “adeus e obrigado”.
O Bettencourt disse que o Sporting precisa de jogadores que levem pessoas ao estádio e sejam uma mais valia comercial.
Nós, adeptos, dizemos e pensamos diariamente em nomes de jogadores que, acreditamos, poderiam tornar o nosso Sporting mais forte.
Assim sendo, o Cacifo abre as suas portas a todos os adeptos que queiram ajudar o Pedro Barbosa (dizem que é ele que faz isso) a oferecer ao Paulo Bento jogadores que sejam mais valias.

Porque é feriado e porque, provavelmente, acordei mais cedo que os restantes “cacifeiros”, cabe-me a mim iniciar esta viagem pelo mercado, viagem essa em que começo por enumerar quem acho que o Sporting devia dispensar ou vender:
Abel, Tonel, Ronny, Miguel Veloso, Romagnoli e Tiuí, o que significaria que, com a saída do Derlei, teríamos que ir buscar sete jogadores.

Aqui vão algumas ideias, sempre partindo de um pressuposto: há pouco dinheiro para contratar jogadores (já a contar com os cerca de 3 milhões que vamos ganhar com a ida do Ronaldo para Madrid).

Defesas
Sébastien Bassong, Fabricio Coloccini e Caçapa (Newcastle); Sébastien Pocognoli (Az Alkmaar); Emanuel Pogatetz (Middlesbrough); Massamba Sambou (Le Havre); Florian Marange (Bordeaux); Guglielmo Stendardo (Lazio); Antunes (Roma); Polenghi (Lecce);

Médios (por favor, não me falem do Hugo Viana. E eu até falava do Nani e do Quaresma, mas o primeiro vai assumir a posição do Ronaldo e o segundo já torceu o nariz a um possível regresso a Portugal)
Geremi, Damien Duff e Jonás Gutiérrez (Newcastle); Jonathan Greening (West Bromwich); Stefan Babović (Nantes); Ricardo Faty (Roma); José Montiel (Reggina); Drenthe (Real Madrid); José Pedro (Belenenses)

Avançados
Ricardo Oliveira (Bétis); Oba Oba Martins (Newcastle); Afonso Alves (Middlesbrough); Manucho (Man United); Ivan Klasnić (Nantes); Christian Bekamenga (Nantes); Nikola Nikezić (Le Havre); Nêne (Nacional); Mamadou Diallo (Le Havre); Rolando Bianchi (Torino); Nicola Ventola (Torino); Demba Ba (Hoffenheim); Vedad Ibišević (Hoffenheim); Theofanis Gekas (Bayer Leverkusen); Marek Mintál (Nuremberga)

Os nossos putos prontos a saltar para a primeira equipa
Rui Fonte (avançado, o tal que foi aos 16 anos para o Arsenal e terminou a sua formação em terras de sua majestade);
Diogo Rosado (dizem que é o novo Barbosa, joga a 10 ou à direita do meio campo, e promete acabar com a ideia de que só formamos médios até 1,70 de altura);
Wilson Eduardo (o Liedson dos júniores, marca que se farta e é mesmo avançado, ao contrário do Yannick que jogava invarialvelmente como extremo esquerdo nas camadas jovens);  
André Martins (médio interior direito, da altura de Moutinho e Pereirinha, há quem diga que tem uma forma de jogar que faz lembrar o Xavi. E nós gostamos sempre destas comparações);
Nuno Reis e Pedro Mendes (a dupla de centrais dos júniores e também da selecção. Vai ser complicado trazê-lo em simultâneo para a equipa principal mas, se pensarmos também em Carriço, o nosso futuro está assegurado nesta posição)

O que se diz na impresa:
– que André Marques vai regressar para o lado esquerdo
– que Tiago Pinto é uma incógnita
– que o Saleiro vai fazer parte do plantel principal
– que o Celestino vai fazer a pré-época

Alguém tem licença de porte de arma?

… assim como assim, os adeptos já são detidos em Alvalade por muito menos…

Adepto iraquiano mata jogador adversário que poderia empatar jogo

Um adepto iraquiano matou domingo a tiro um futebolista da equipa adversária, numa altura em que este estava isolado frente ao guarda-redes e tinha a possibilidade de marcar um golo que empataria o desafio.

Muthanna Khalid, responsável da polícia iraquiana, revelou que quando um jogador da equipa amadora de Buhairat estava isolado frente ao guarda-redes, durante um jogo de amadores em Hillah, um adepto da equipa de Sinjar atingiu-o com um tiro na cabeça, quando faltava um minuto para o jogo terminar.

A fonte policial indicou que o espectador foi detido.

Fonte: Lusa, via O Jogo Online.

No pasa nada

Sim, a utilização do termo em espanhol é uma referência ao Paulo Bento, mas também a todos os Sportinguistas que foram capazes de olhar o Enxovalho de Munique e dizer-me “epah, acontece. Não viste que o Real Madrid também foi humilhado pelo Liverpool?”. Pois…

Esta é, quanto a mim, a grande questão. Como é possível olhar-se aquele enxovalho, dividido em dois actos, com tal estado de espírito? Fernando Santos por certo diria, “futebol é isto”, mas como pode um adepto que sofre há anos pelas cores leoninas dizer-me coisas como “Foi um dia mau”. “Foi péssimo”. “Correu tudo mal”. “Acontece”.

Acontece, meus amigos. Acontece.
De cada vez que alguém me diz “acontece”, só me dá vontade de ir-lhe aos cornos com uma chuteira artilhada de pitons de alumínio. Mas, o que é que acontece? Levar cinco do Madrid, cinco do Barça, cinco do Bayern e mais sete do Bayern? Ser constantemente enxovalhado? Como é possível encarar-se tudo isto com um encolher de ombros, com uma atitude avestruz ou, simplesmente, esperar que uma noite de sono ajude a minimizar os estragos?

Isto é grave. Muito. E significa que, tal como a direcção, o treinador e os jogadores, muitos adeptos perderam a noção do que significa jogar de leão ao peito e perderam todo o sentido da responsabilidade. E, assim, o Enxovalho de Munique passa a ser algo que faz parte do passado.
Passa a ser um jogo que, tal como foi encarado, servia para cumprir calendário (afinal, o objectivo estava cumprido e esse passava por chegar aos oitavos para ganhar uns trocos).
Passa a ser um dia mau que, dizem, pode ser apagado com uma grande resposta frente ao Rio Ave, esse grande jogo frente a um colosso que vai permitir-nos continuar em busca do título.
Ou, como ontem já se pedia na Academia à saida dos jogadores, passa a ser um dia mau que terá na final da Taça da Liga, essa maravilhosa competição, um bálsamo topo de gama.

É triste. Mais até do que ser enxovalhado e passar a ser o “artolas da Europa que mais golos comeu numa eliminatória da Champions”, é triste sentir que tudo isto vai passar incólume.

No fundo, é como se ouvisse constantemente na minha cabeça as palavras do De Franceschi (esse mesmo), que foi de propósito a Munique ver o jogo, e depois do enxovalho afirmou “O Sporting nunca, mas nunca pode perder assim! Fazer esta figura!”. Depois… depois tento encontrar uma resposta a este pensamento que me parece correcto e a única que encontro vem ao ritmo das sevilhanas. “No Sportén? No Sportén no pasa nada!”

O homem fala

Como é que o Sporting sai deste ciclo, que se adivinhava difícil?
Sai a acreditar que é possivel ser campeão, que é o nosso principal objectivo. Após uma vitória clara sobre o Benfica, passámos um momento muito difícil com o Bayern, mas reagimos como devia ser e respondemos como equipa, cheia de carácter, personalidade e coragem no jogo do Dragão, apesar de não termos conquistado a vitória.

Acredita que os objectivos que ainda existem se podem cumprir?
Claro que acredito. Continuamos todos a acreditar na conquista do título e vencer a Taça da Liga, nesta 2.ª edição.

Pedro Barbosa, ao site oficial do Sporting 

O homem fala! (take 1)

Fantástico! Afinal, Pedro Barbosa, o nosso director desportivo fala! E até escolhe uma boa altura para fazê-lo, pois com tanta notícia sobre o que se passa no nosso balneário era altura de alguém com responsabilidades, que não o treinador, viesse dar a cara.

Avancemos então para a análise à entrevista que o Pedro dá hoje ao jornal O Jogo, começando pela explicação de um dos casos mais antigos do plantel, Stojkovic, que Barbosa diz ser “um caso distinto”.

“(…) partimos para esta época com o objectivo de ter um plantel equilibrado, consistente, competitivo, para estarmos mais preparados para atacar todas as frentes. E não é para seis meses: é para uma época. Mas a situação do Stojkovic é claramente distinta da do Simon. Tentámos encontrar uma solução, não foi possível, mas está integrado no plantel. Em Janeiro, cada situação será avaliada consoante a sua especificidade. No caso de Stojkovic, porventura, poderemos voltar a tentar encontrar uma solução, procurando colocação noutro clube”

Portanto, basicamente o Stojkovic só foi inscrito para o caso do Patrício, o Tiago, o Baptista e o Golas serem atacados pela gripe em simultâneo e, se possível, vai ser despachado em Janeiro. É pena. Está ali o melhor guarda-redes a jogar em Portugal e o melhor que tivemos desde a saída do Schmeichel. Mas pronto, nem na Liga Intercalar tem oportunidade de jogar. Assunto encerrado (pelo menos até o Stoj ser vendido e vir dar uma entrevista arrasadora).