De Postiga. E de Pongolle.
Escusado será dizer que estou farto (há meses) do primeiro. Podem dizer-me que se movimenta bem, que é esforçado, que é elegante, que tem técnica, que tenta jogar para a plateia. Podem, até, dizer que rende mais a jogar atrás, como falso dez ou lá que raio inventam para justificar a sua presença em campo (e a mim chegou-me o Djaló a falso dez, na era Paulo Bento).
Caguei. É uma nulidade como avançado que, na melhor das hipóteses, nos dará 10 golos num campeonato inteiro. E tanto faz jogar sozinho ou acompanhado. Para ele a baliza é um verdadeiro mistério, tão grande ou maior do que as razões que, muito provavelmente, levarão os nossos dirigentes a mantê-lo no plantel.

Quanto a Pongolle, do que o fui vendo fazer em Espanha, acredito que tem capacidade para poder jogar no Sporting, ainda para mais se se confirmar que Domingos é o treinador e que o 4-3-3 vai passar a fazer parte da nossa forma de jogar. Vejo-o, claramente, a fazer o que faz um Paulo César (um dos melhores jogadores do nosso campeonato, já agora) ou um Alan e com capacidade para dinamizar uma frente de ataque. Para além e tudo isto, não vejo ninguém a dar-nos, pelo menos, cinco milhões para ficar com ele, ou seja, penso que a melhor forma de valorizar tão enorme (e desparatado) investimento será potenciá-lo ao nosso serviço. Haja vontade dele e capacidade de quem nos dirige.

Foi um ar que se lhes deu

Pongolle

Não deixa saudades, foi um erro, um erro caro. Todos temos uma cruz, o Pongolle vai ser essa cruz se pensarmos o que podíamos ter feito com 6,5 milhões de euros (ou que luvas é que podíamos ter pago por um jogador decente). Paciência. Boa sorte, que marque uns golinhos para ajudar a amortizar a dor financeira. Boa notícia: libertámos um “slot”, à espera de um verdadeiro marcador de golos. Estamos ansiosamente à espera, ansiosos, muito ansiosos…

Tonel

É uma saída que poucos vêem com bons olhos. Jogador sério, homem que cria empatia, central que até marca golos. Na grande angular da vida do Sporting, não o considero um jogador especialmente qualificado para jogar no clube, não é um grande central, dá sempre a sua casinha, é um bocado duro de rins. Mas, fazendo “zoom” sobre os últimos anos do Sporting, é um jogador útil, que podia calmamente a fazer parte da equipa, a partir do banco. O problema é que, na revolução das hierarquias em curso dentro do balneário, devia ser um empecilho. Foi embora, sem glória. É pena.

Sem golle

É bem verdade que, dificilmente, Pongolle valerá os 6,5 milhões que custou. Mas, parece-me, começa a tornar-se num mistério o facto do rapaz nem sequer ser convocado (ao contrário do Tonel que, já se percebeu, está para sair para quem der mais).
Duvido, muito sinceramente, que Pongolle seja pior jogador que Yannick, Postiga ou Saleiro. Não é um goleador? Não é não senhora, e se o compraram com esse objectivo então ainda são umas mais repimpadas bestas do que eu pensava. Mas, e principalmente quando Paulo Sérgio opta pelo 4-4-2, exigindo a um dos avançados mobilidade para surgir nas alas e nos espaços entre os centrais e os laterais, creio que jogador poderia ajudar a melhorar um bocadinho as coisas.
E já nem vou falar da importância de tentarmos valorizar um gajo que nos custou uma pipa de massa…

Spoooooooooooooorting!

Queremos títulos. Vamos lutar em todas as frentes para melhorar a imagem do clube e vamos fazer tudo o que pudermos para ganhar o campeonato. A chegada de um jogador como o Maniche foi muito importante para nós, pois é bom ter alguém com a experiência dele numa equipa tão jovem. No ano passado, a falta de experiência fez-nos perder muitos pontos, mas este ano vai ser diferente, com um novo treinador que nos pede para jogarmos um futebol agressivo. Os adeptos vão gostar!“, Pongolle in Top Mercato.