O homem sombra

notrinaudo

hora de embirrar: Rinaudo

Parece-me digno de estudo o facto de, depois do jogo que fez no sábado, Rinaudo ser alvo de críticas de adeptos leoninos. Parece que há muito boa gente que não gosta do estilo demasiado voluntarioso, parece que há gente que o considera uma nulidade táctica, parece que há, até, quem esteja disposto a vendê-lo ao melhor preço. Sim, Rinaudo. O tal que era ele e mais dez, até ter-se lesionado num cabrão dum ervado romeno. O tal que levava a equipa às costas, e que nos obrigou a meses de experiências até encontrarmos alguém que minimizasse a ausência. O tal. Rinaudo. Não sei se ria. Não sei se chore.

Para os treinadores de bancada

Enquanto lavava os dentes, vá lá saber-se porquê, o meu cérebro recordou-me que, neste momento, o Rinaudo é uma das nossas segundas linhas. Mais, que Rinaudo está atrás de Gelson.
Ora, eu acho que o Rinaudo tem condições mais do que suficientes para ser titular do Sporting (tanto a seis como em duplo pivot), ainda para mais de um Sporting a quem o treinador pede pressão constante sobre o portador da bola. E tu, o que é que achas?

Parece-me simples

Não tenho nada contra Gelson, e até aplaudo de pé a postura do gajo, no jogo de segunda-feira.
Mas, parece-me, há algo claro como a água e Sá Pinto terá percebido à força (o, agora nosso, Ricardo, não terá culpa de terem tentado vender-lhe uma infância e adolescência azuis): jogar com um Douglas, é diferente de jogar com um André. Jogar com um Paulo Sousa ou com um Duscher, é diferente de jogar com um Paulinho Santos. Jogar com um Rinaudo, é diferente de jogar com Gelson.

p.s. – também me parece incontornável a ideia, de que Ínsua é titular sem espinhas. Aliás, não deixa de ser curioso, que a mudança tenha começado, precisamente, no regresso destes dois jogadores.