Sábado é já amanhã

Pela primeira vez desde a época 1994/95, o Sporting pode ascender (ainda que à condição) à liderança da Liga à passagem da 7.ª jornada, em caso de vitória sobre o V. Setúbal em Alvalade. Leonardo Jardim recusa chamar a si o protagonismo e atribui aos jogadores o sucesso do leão. «O Leonardo Jardim pertence a um grupo de trabalho que pretende que o Sporting tenha êxito em todos os jogos. Mas os principais responsáveis são os seus jogadores, são eles que jogam todos os fins de semana», salientou.

«Quando as coisas não correm bem temos de saber o que melhorar, e sabemos que contra o Rio Ave as coisas não correram como queríamos. Com o V. Setúbal vai ser diferente e acredito que vamos fazer um excelente jogo e conquistar a vitória», Rui Patrício.

Mexericos

Boek emprestado, com Cássio a chegar a custo zero para morder os calcanhares a Patrício. O Cássio é bom guarda-redes. Ponto. E, depois do que vi no Guadiana, o Boek é capaz de precisar de desenferrujar durante uma época. Só continua a levantar-me dúvidas o que se perde em termos de balneário e o número de anos que serão propostos a Cássio.

Labyad a treinar com a equipa B (que luxo, o gajo mais bem pago do plantel às ordens de Abel), Nuno Reis, Salomão e André Santos a treinar com a equipa principal. A propósito; renovar com o Salomão? Para quê?

E pimba!

«O Rui Patrício tem honrado a camisola do Sporting, foi formado aqui e já demonstrou publicamente o amor ao clube em diversas ocasiões. Por isso, é logo a primeira pessoa, que numa eventual saída, não quer prejudicar o Sporting Clube de Portugal, nem acreditamos que vá pressionar o clube sabendo que a proposta em cima da mesa seja muito inferior ao seu real valor, mesmo que a nível pessoal a mesma seja satisfatória […]
Estamos a falar do melhor guarda-redes português, titularíssimo da seleção portuguesa, um dos melhores do Mundo. Com certeza que o Mónaco, com o desejo de construir uma equipa com os melhores, terá isso em atenção e fará uma proposta mais condizente com o valor do jogador […] Mas, que fique claro, o Sporting não está em condições de pensar deixar sair Rui Patrício por um valor inferior a 15 milhões, nem sem as partes envolvidas estarem prontas para verem os seus direitos económicos atuais e futuros alterados com o apresentado pelo Sporting. Há uma diferença muito grande entre aquilo que é o valor do Rui Patrício e aquilo que é uma proposta, com certeza, meramente exploratória […]
Os empresários têm de aprender uma lição rápida: quanto mais quiserem fazer negócio com o Sporting pelos jornais, menos negócio farão. Todos aqueles que assim o tentaram, deram-se mal. Quando se quiserem sentar e negociar a sério, então, o Sporting estará sempre pronto a negociar e a defender os interesses do clube e, claro, não menos importante, os do jogador. Comigo não se negoceia através dos jornais», Bruno de Carvalho in Record

Falando em milhões

De um momento para o outro, o que oferecem por Bruma passou de 4 para 15 milhões. E o que oferecem por Rui Patrício passou de 7 para 12 milhões.
São números mais interessantes, obviamente que sim, mas, por exemplo, no caso de Bruma e do propalado interesse do Chelsea, basta-me recordar os 20 milhões que Mourinho “pagou” por Paulo Ferreira para achar que a oferta podia (e devia) ser superior. E que, tendo em conta o que o Mónaco anda a gastar, 12 milhões pelo titular do Sporting e da selecção é uma brincadeira.
Ainda assim, e olhando para os dois casos, continuo a achar que devemos esgotar todas as possibilidades para renovar com Bruma. E, mesmo achando que o Rui merece mais do que um principado, era capaz de colocar de lado aquela ideia bonita de vê-lo fazer uma carreira de Leão ao peito, ajustando o valor nos 15 milhões para dar-lhe a oportunidade, merecida, de experimentar outros campeonatos.