Parabéns, em jeito de homenagem, a um Leão que luta pela vida

[…] Dia histórico, para o Sporting, foi aquele de 28 de Julho de 1997, quando o carismático e histórico Presidente Mandela recebeu, em Pretória, o presidente «leonino» José Roquette. Esta personalidade notável que faz parte das figuras míticas da História Universal, foi então convidado a ser Sócio de Mérito do Sporting Clube de Portugal. Depois de devidamente formalizada a sua inscrição na família «leonina», foi a vez do Sporting entrar para a galeria de sócios da «Nelson Mandela Childeren’s Fund», uma associação de beneficência, de auxilio às crianças mais desfavorecidas, por si presidida […], in Sporting.pt

Nelson Mandela faz, hoje, 95 anos.

Anúncios

O rabo da Carolina

Da caixa de comentários para as luzes do post, e pedindo desculpa às cacifeiras presentes pelo momento taberneiro, um dos mais geniais golpes de marketing dos últimos tempos:
junta-se um programa merdoso, mas com audiência + uma miúda muito gira. A miúda muito gira tem uma banda. Que, imagine-se, se chama The Girl in the Black Bikini. Ora, e o que faz a miúda gira? Escolhe o mais belo bikini preto que conseguiu encontrar e, com um sorriso maroto que diz, claramente, «eu sei bem o que estou a fazer», sobe a escadaria do sucesso oferecendo ao mundo um momento de pura telegenia.

 

Já gora, e porque as boas ideias merecem ser recompensadas, é esta a banda da Carolina.

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=UHwE1DRsjwY

A bomboka

Nos anos 80, um dos anúncios emblemáticos colocava o pai Natal à porta de uma loja, desesperado por conseguir atender os vários pedidos de bombokas feitos pela criançada. «Eu quero bom-bo-kas!», gritava ele, ao que o lojista respondia “ah, bombokas! só há estas e são para mim”.
Neste momento, imagino Zé Seguro no papel de pai Natal, depois de meses a gritar que queria as bombokas. A diferença, é que o dono da loja, um tal de Passos Coelho, vendo a debandada de sócios e de empregados, é bem capaz de passar-lhe as últimas caixas para as mãos, perspectiva que o deixa com os tomates em ponto de ervilha.

O futebol à imagem do país

Depois de um processo negocial que durou cerca de dois meses, e durante o qual vários funcionários aceitaram a redução salarial, o Sporting avançou para um processo de despedimento colectivo que afectará cerca de meia centena de pessoas. Tal como em qualquer outra empresa (sim, foi nisso que o Sporting e o futebol se transformaram), haverá pessoas de valor inquestionável entre os despedidos e entre as rescisões amigáveis; e haverá quem saia de bolsos cheios depois de anos de muito tacho e pouca obra.

Face a isto, uma nota e um desejo: aplaudo a iniciativa de colocar uma equipa especializada em direito do trabalho à disposição dos afectados; espero que, a curto prazo, fiquemos a saber, em pormenor, os nomes e as razões que conduziram o Sporting a esta situação.

À margem

Permitam-me começar o dia com algo que me incomoda, angustia, preocupa. A notícia da morte de um puto, esfaqueado em pleno pátio da escola, é chegarmos a um ponto que achávamos possível, mas que tínhamos esperança que nunca chegasse a acontecer. É nestes momentos que o meu esquerdismo utópico, sente espreitar um indesejável Mr.Hyde de direita repressiva.

Malucos do riso

Primeiro, António Mexia, afirmando que seria melhor para o país e para o PIB que o Benfica fosse campeão. Agora, Vitor Gaspar, aproveitando um almoço organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Lusa-Espanhola para lançar um «não me batam muito que eu sou adepto do Benfica e tenho tido umas semanas difíceis».
É fodido viver num país governado por cabeçudos…