Era obrigar toda a gente a ver isto antes de ir dormir

Fico com um nó na garganta ao ver a forma como um italiano, que por cá passou um ano, soube entender o Sporting, encarnar o Sporting, viver o Sporting, amar o Sporting! Mais do que palavras, o momento em que ele veste a verde e branca ao filho é um arrepio no coração.
SPOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOORTING!

 

 

 

Verdes Anos: A primeira de ouro veio ao pescoço de um Leão

Tinha sete anos e jamais me esqueci. Enquanto tentava perceber o porquê de estar a decorrer uma corrida num horário completamente diferente do nosso, tentava, também, perceber o estado de espírito dos adultos. Uma televisão ligada, uma mesa com comida e bebidas, duas mãos cheias de adultos impacientes, vendo outros adultos a correr. Carlos Lopes, Carlos Lopes, Carlos Lopes. O nome ia-se repetindo e os meus olhos decoravam aquela figura magra que não parava de correr. Disseram-me que era Portugal que ali corria. «O teu país, o nosso país». «E o Sporting?», perguntei eu. Alguém me disse, meio de raspão, que aquilo não era futebol, mas que o Carlos Lopes era do Sporting.
Depois vieram brindes e sorrisos. Adultos felizes, partilhando comigo uma alegria que eu sorvia ao ritmo de um Capri-Sonne. Portugal. Sporting. Sporting. Portugal. Carlos Lopes. O hino! O hino! Adultos ainda mais felizes, alguns de lágrimas no olhos. Adormeci tarde, mas acordei cedo. E numa manhã daqueles agostos que eram parte de férias de três meses, corri para a rua sem a bola debaixo do braço.