O futuro é nosso

Depois de uma viagem pela Europa, ofereço um pack de DVD de lombada fina, por ser mais barato. Para o Telles ou quem raio esteja a preparar a nova época (estará alguém na proa a olhar para o horizonte ou estão todos no convés, a tirar a água aos baldes e a agarrarem-se aos bancos, literalmente).

Smolarek: não há dúvidas, o Eusebius seria o ideal para pôr ao lado do Simon. Ficava a faltar um Rudi Costas qualquer para a versão gralhada dos heróis avícolas…
Duscher: quando se fala do regresso de um antigo médio centro, que tal um que é muito melhor e até já foi campeão…
Conguito do Levante (o nome é irrelevante, é aquele de rastas e calções dos anos 80): em Portugal, no losango bentiano, faria miséria…
Baiano: um peso-pesado para substituir o levezinho. Até marcava mais. E podia jogar sozinho na frente. Está no Múrcia, senhores…
Saviola: ai que bom seria se houvesse alguém com tomates e arrojo naquela SAD. E dinheiro, claro, eheh…
Guardado: mais um long shot, mas muito bem sacado…
Um qualquer central italiano de uma equipa de meio da tabela: perguntem ao Paredes ou ao herói de Alkmaar… eles são muito bons, na generalidade. Veio de lá o Grimi…
Obina: o Inter compra e empresta. Para voltar a ter extremos…
Pedro Mendes: não me lixem, dominava um raio de 20 metros à volta dele em Portugal. Ó Scolari, nem uma chamadinha contra uma merda qualquer. Até o João Alves foi chamado, chefão!…

Dediquem-se um bocadinho, ó gente da linha… Mandem gente com olhinhos lá para fora e façam mini-project finances para cada jogador.

Obrigado Naval

1188311276370900.jpg

Já era hora. Um joguinho de dia, com uma temperatura morninha, uma equipa macia pela frente e um enfermeiro como António João no banco. Uma conjugação de factores para nos dar alegrias e, no caso de António João e dos cortes de Gladstone, para nos permitir rir à gargalhada. No futebol de Primavera, o Romagnoli até levanta a cabeça, o russo dá o litro e o Miguel regressa ao activo. Espero que seja para ficar. O problema é que em Glasgow chove e faz frio. E os gajos são rijos. Ai o losango outra vez… que maçada esta de não poder jogar sempre contra equipas da parte de baixo da Superliga, pensarão os nossos líderes, com uma cigarrilha nas mãos, entre um copo de scotch velho. É que a equipa precisa de convalescer durante mais um bocadinho, em paz e sossego. E os cabrões dos escoceses não nos vão deixar em paz. E o pior é que não têm o António João, para ao menos podermos rir.

PS: Ah, grande Tiuí. O Djaló jogou meia hora este ano e já marcou dois. O Djaló! E tu, Tiuí, estiveste quase a marcar. Estiveste mais uma vez isolado, Tiuí, mas foi tudo demais para ti. Ao menos partiste, literalmente, a boca ao redes dos gajos. E deste a conhecer ao país António João, o enfermeiro from hell…

A Masturbação

A premissa é simples. Como quase tudo no futebol, aliás. Simples e belo. Bater a bola com jeito e força suficientes para contornar a barreira e escolher o ângulo para morrer. 

Há muito, muito tempo que isso não acontecia no Sporting. Pelo menos, não da maneira como se imaginam os melhores pontapés. Os verdadeiramente merecedores da confiança do marcador. Onde a relação entre a bola e o jogador é um poema. Finalmente, aconteceu. E foi na Figueira da Foz.

Muita teimosia depois, e todo o tipo de absurdos e crime lesa futebol cometidos, o Paulo Bento lá decidiu dar a bola a quem a trata e acaricia como ninguém. Ao Miguel. Que por ser algo lento, canhoto e tecnicamente mais evoluído que os outros se assemelha ao André. Aquele “gentleman” brasileiro que, de tão gentil até quando roubava uma bola, pedia por favor ao adversário. Ora, o que é o Veloso senão a reencarnação divina do Cruz. Com menos quilos e mais vontade pode ser o que ele quiser. Até o Redondo. Só precisa de responsabilidade dentro e fora da equipa. O que fez e bem, mas tardiamente, o nosso treinador ao conferir-lhe a possibilidade de marcar um livre. E vejam como ele fez. E o que ele fez à bola. Alguém se lembrou do pontapé canhão do Ronny? Ou do famoso livre do João Moutinho em Munique na Champions? Porquê insistir no erro quando todos já tinham visto o essencial. A bola precisa de carinho para fazer o que lhe pedem. Até o Roberto Carlos quando a chutava, apesar de ser um brutamontes, falava directamente ao coração da bola. Porque como vocês sabem, força e tamanho não contam para nada. O que conta é a intenção.

P.S. – Confesso que estava desejoso que o Miguel Veloso me desse uma só oportunidade para falar bem dele. Porque gosto da forma como joga e do estilo “blazé” que tem em campo. Pena que ele não tenha entendido que poderia ser o que ele quisesse em Alvalade. Sorte que a sua estrela não se apague e a possamos continuar a seguir de longe.

Disparates…

“É perfeitamente normal que as pessoas sintam alguma frustração por o Sporting não ter ganho a final da Taça da Liga. Podem criticar, mas nem o sportinguista mais fanático sente maior tristeza ou frustração do que os próprios jogadores, quando não conseguem atingir os objectivos a que se propõem. Dói e dói muito! (…)  Tenho pena que não tenhamos uma cultura associativa como têm os escoceses. Em Portugal, ganhando somos os maiores, perdendo tudo se questiona. É o treinador que era fantástico e agora já não é, os jogadores que eram os melhores e tornaram-se nos piores, os dirigentes que faziam escolhas acertadas e já não as sabem fazer… Se houvesse um pouco mais de tranquilidade e paciência… Mas é o futebol que temos e é com ele que temos de viver”

 Digam-me vocês, como é possível o idiota do Abel, que durante a entrevista ao Paulo Bento esteve o tempo todo a espreitar com cara de parvo atrás do Freitas Lobo e do Paulo Sousa (num daqueles cartazes para promover a Gamebox), vir-se queixar dos adeptos do Sporting? Se calhar ele queria ouvir palmas depois de enterrar o jogo no Oímpico de Roma ou, mais recentemente, ser comido da forma patética como foi no golo do Nacional, em Alvalade.

p.s. – e a rábula em redor das declarações do Stojkovic?
p.s.2 – e se o Van Gaal viesse treinar o Sporting?

“Sou uma pessoa que diz o que pensa…

… e o que não penso, não digo”.

Pegando na forma de estar do Paulo Bento, expressa durante a entrevista de ontem, aproveito então para dizer o que penso sobre aqueles 90 minutos de troca de palavras.
Não querendo alongar-me muito, até porque o Sousa Cintra e o Douglas já analisaram de forma extremamente válida o que ontem se passou,  passo a apontar o seguinte:

– basicamente, não temos um modelo de jogo alternativo. Parece que não houve tempo para trabalhá-lo na pré-época. Mas o Paulo Bento diz que sim, que há. E até diz que a culpa de levarmos três batatas em Braga não foi culpa do modelo alternativo, implementado ao intervalo. O que eu vi foi que, realmente, entrámos na segunda parte com mais atitute, deu a sensação que podíamos empatar, mas depois o nosso lado esquerdo da defesa virou um passador, onde o Polga tinha a estranha tarefa de jogar como um meio central/meio lateral (será que o Paulo Bento não se lembra que o Peseiro, numa traumatizante deslocação a Paços de Ferreira, decidiu utilizar o Polga a defesa esquerdo e levou uma quase mão cheia?).
No fundo, acho que o modelo alternativo não existe e que não passa de uma espécie de grito de revolta, um “bora lá, caralho!”, que até pode resultar se os jogadores estiverem num dia Bueno;

– Se um dia fosse convidado para almoçar em casa do Paulo Bento, um almocinho domingueiro, aposto que a mesa ia ser posta com os pratos dispostos em losango. E que, em seu redor, o Miguel Veloso ia ser um guardanapo, o Moutinho um garfo, o Izmailov uma faca e o Romagnoli a faquinha para barrar o pão com manteiga.
O Paulo meteu na cabeça que esse sistema é o melhor do mundo, e não abdica dele. Logo, para o ano, caso ele fique, será mais do mesmo.

– perguntaram-lhe porque razão não se pensou num jogador que pudesse dar outra elasticidade ao maldito losango. No fundo, um substituto directo do Nani. Ele não respondeu. Perguntaram-lhe porque razão o Sporting não dá continuidade à tradição de ter extremos de qualidade. Ele diz que o Liedson não se sente confortável a jogar em 4-3-3.
Caro Paulo, no tempo do Boloni, vi o Sporting jogar com o Jardel e o Niculae na frente e o Quaresma à direita. Digo mais, caro Paulo, neste momento até tem dois avançados, Liedson e Vukcevic, que não se importam de pressionar os defesas e, mais importante ainda, tem um Vukcevic que pode jogar descaído para qualquer das alas e que nunca lhe dirá não se lhe pedir para pressionar um dos laterais adversários, quando não tivermos a bola. Portanto, caro Paulo, a equipa poderia ter um extremo, esquerdo ou direito.
Mais curioso ainda, caro Paulo, é ouvi-lo dizer que o Moutinho fez toda a sua formação jogando numa táctica de 4-3-3, ou seja, como um dos dois médios que jogam à frente do trinco. Engraçado… é que eu também me recordo de ver o Izmailov, na selecção da Rússia, fazer uma posição semelhante, ou seja, o Paulo tem o Veloso para a posição mais recuada, o Moutinho e o Izmailov para jogarem à sua frente. Depois o Vukcevic, o Liedson e, ora lá está, vinha mesmo a calhar um extremo. Não há dinheiro? Há o David Caiado, no Estoril.

– “se me perguntassem por um médio, eu respondia João Moutinho (…) temos um jogador que só sabe jogar a 10, o Romagnoli (…) Não considero fundamental para a evolução do Moutinho, fixá-lo numa posição”.
Porra, Paulo!

– eu enviei um e-mail para o programa. Não o leram, claro. Apenas leram mails patéticos, cheios de palmadinhas nas costas. E o meu mail até era giro. Falava do Moutinho e do Romagnoli. Falava do Stojkovic. Falava do Vukcevic e do tempo que se demorou a subi-lo no terreno, insistindo semanas a fio num Purovic (que até poderia marcar muitos golos nos júniores do Sporting, porque se joga com extremos). Até dizia que esta teimosia fazia lembrar a demora em colocar o Veloso no lugar do Custódio, e pedia uma explicação breve para a falta de alma com que a equipa jogou a final da Taça.
Fiquei triste por não ter respostas. No fundo, como se tivesse acabado de ver o Sporting jogar, e continuasse sem ter uma resposta para as primeiras partes a ver navios ou as quase inexistentes oportunidades de golo que se criam.

 p.s. – a não ser que haja um levantamento popular em tons de verde e branco, basta ganharmos ao Benfica na meia-final da Taça e ficarmos em segundo lugar, para o Paulo Bento cumprir o contrato até ao fim, ou seja, mais uma época. Depois da entrevista de ontem, fiquei com essa certeza.

“O Sporting fez mais pela minha carreira…”

“…do que eu fiz pelo Sporting. Seguramente”. Está tudo aqui. As respostas que queria de Paulo Bento foram dadas pelos outros dois senhores que – e não digo isto ironicamente – nunca conseguiriam ser o treinador que o Paulo Bento é. Porque treinar não é só conversa. Mas o problema do Paulo Bento é que não percebe onde está a errar. É preciso um olho externo mais analítico e menos envolvido no problema.
É preciso jogar com extremos, até pela tradição do Sporting… o que diz Paulo Bento: se calhar o melhor é passar a formar avançados. De facto, com 10 Djalós, ninguém se vai lembrar de extremos quando estiver a premir o gatilho da pistola enfiada na orelha.
Arranjar uma alternativa, treiná-la para surpreender os adversários… Paulo Bento: não houve tempo, os reforços vieram para esta táctica.
Moutinho no meio do campo… Bento: para mim, é uma vantagem para ele a polivalência, ele é bom em qualquer lado. Claro que é, então vamos pô-lo na baliza. O problema não é ele, é a equipa, caralho. E a equipa precisa dele a 10.
Não seria bom começar a pensar em ir buscar jogadores diferentes, para ter mais soluções tácticas… Paulo: a táctica vai depender do que vier e do que sair. Não, não, não, não, não… por favor, Paulo! Já chega de Tíuis, Purovics, Farneruds. E de pôr Vukcevic em posições que não puxam pelo homem. É fazer os buracos com a forma que mais nos interesse e depois ir buscar as peças que encaixem. Mesmo que não sejam topo de gama.

Faltaram duas perguntas que, por não terem sido feitas, só provam que o homem mete medo a qualquer jornalista do canal que mais fornece directores de comunicação ao futebol. Porque é que encostou o sérvio? E o que falhou? Sim, Paulo, o que raio falhou? Porque tu só nos disseste o que se passou. Mas isso já sabíamos. Queriamos era que nos dissesses o que, para ti, falhou. Dizes que defines quem constrói na primeira fase e na segunda fase do ataque. Mas, quando nada se constrói, o que falhou?

Quando saíres do Sporting – e espero que saias em grande, embora tenha dúvidas -, vais para casa e vais rever os jogos todos. E vais começar a ver o que é que falhou. E aí vais perceber. E vais evoluir. E nunca como então a frase “o Sporting fez mais pela minha carreira…” será tão verdadeira. O problema é que a malta continuará por aqui, a levar no lombo como gente grande. E quando chegares ao Benfica ou ao Porto, já sabes o que pode falhar e, inteligente como és, não cometerás os mesmos erros. Nessa altura, por este andar, estarão cá outros a errar e a não perceber o que falhou.

Momento arrepiante

O grande Cherba deu a informação de forma sorrateira, num comentário ao texto da padaria, mas a presença de Paulo Bento numa entrevista (que esperemos seja longa) para explicar a crise promete ser o ponto alto desta época. Hoje, às 22h30, no Pontapé de Saída da RTPN. Quem não puder ver em directo, grave. Para quem precisar, eu posso alugar o DVD. Porque é hoje que se vai ver o futuro do Sporting…

Só a possibilidade do padeiro ser questionado pelo Luís Freitas Lobo põe-me nervoso!