O Bloco de Notas do Gabriel Alves – jornada 21

Sobre o Porto, já todos sabemos o que há a dizer e, infelizmente, está bem fresco na memória o resultado da Taça de Portugal. O que se pode pedir, em primeiro lugar, ao treinador do Sporting, é que não volte a cometer os mesmos erros, nomeadamente o entrar a medo no jogo e o levar golos nos dois tipos de jogadas mais vezes repetidas pelos azuis e brancos: bola para Varela, Varela insiste em direcção à linha e centra rasteiro para a entrada de Falcão ou de um dos médios; bola para Varela, Micael apoia, puxando um dos centrais, Varela puxa o lateral e Micael centra para o segundo poste onde, regra geral, aparece Falcão. Ah, já para não falar das bolas paradas, onde temos dado constantes “casas” frente ao FCP.

Dito isto, caro Carvalhal, tens toda a razão quando disseste que “temos de jogar nos limites, tal como fizemos frente ao Everton. No limite da concentração e da disponibilidade física”, mas é igualmente bom que não te esqueças que temos que mostrar quem manda em Alvalade e, já agora, aproveitar a ausência de Fernando na posição seis, a qual nem Meireles nem Tomás Costa conseguem ocupar com a mesma eficiência. Não sei que equipa estarás a planear para esta noite, mas era interessante se o João Pereira ocupasse o lugar do Abel, o Veloso o do Grimi, o Moutinho o do Veloso e o Matias o do Moutinho.

Resta-me dizer-te que acredito que vamos fazer um bom jogo e que vamos ganhar. 1-0, com golo do Liedson. Se tudo correr bem, apesar da chuva, com mais 10 mil pessoas em Alvalade do que na passada quinta-feira.

No bom caminho

Diz o jornal O Jogo, que estas serão as sete “medidas do Ministro”

1 Incutir mentalidade vencedora

“Daqui para a frente, ‘ganhar’ será a palavra principal”

2 Construir uma equipa forte

“Vamos preparar-nos para sermos campeões já no próximo ano”

3 Blindar o balneário

“O Sporting vai ter mais rigor, vai passar a dar a informação que quer. Terá uma voz”

4 Fortalecer carácter dos jogadores e amor pelo clube

“O Sporting é grande. Os jogadores devem chegar e sentir que é aqui que querem ficar, não pode ser trampolim”

5 Aumentar a dinâmica de trabalho

“Vou vestir o fato-macaco”

6 Maior secretismo na gestão

“O clube será gerido entre quatro paredes por poucas pessoas”

7 Reconquistar o apoio dos adeptos

“Lembro-me de quando não conseguia bilhetes para o Gil Vicente. Quero essa força”

Sim, Sr. Ministro

É uma nova etapa da minha carreira, que espero que seja fabulosa. Sempre ambicionei, um dia, servir o meu clube, não se proporcionou como jogador mas aconteceu agora como diretor de futebol […] O Sporting é um clube centenário, possui uma história muito rica, embora desde 1958 só tenha conquistado oito campeonatos. É um clube que formou grandes jogadores, que tem uma massa associativa fantástica e merece voltar a ganhar. Não é voltar a ganhar daqui a quatro ou cinco anos. É voltar a ganhar o mais rapidamente possível e, para isso, é preciso voltarmos a ganhar em conjunto, trabalharmos a uma só voz, com rigor e gostarmos de trabalhar […] O treinador? O futuro do Sporting passa pelo presente e o presente é Carlos Carvalhal. No futuro logo se vê“, Costinha.

A propósito, a vinda do “ministro” Costinha já começou a provocar os primeiros rumores no que toca à nova equipa técnica.  Villas-Boas, Scolari e Jorge Costa são os três nomes na “casa de apostas”.

14 HERÓIS

SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING! SPORTING!

GRANDE SPORTING,com um salvador Patrício, um diligente Abel, um regular Tonel, um grande Carriço, um surpreendente Grimi, um excelente Pedro Mendes, um genial Izmailov, um decisivo Veloso, um fantástico Moutinho, um desequilibrador Djaló Yannick, um incansável Liedson, um iluminado Saleiro, um mágico Fernandez e um competente Carvalhal…

…14 heróis! Não por terem ganho ao Everton por 3-0 e apurado o clube para os oitavos da Copa Europa. Mas porque devolveram o clube aos adeptos. E isso é uma façanha hercúlea, épica, dado o actual contexto leonino.  

SPORTING!

O Bloco de Notas do Gabriel Alves – Liga Europa, 16 avos de final, 2ª mão

É um estádio bonito, novo… arejado
Sporting – Everton
25 Fevereiro 2010, 20h05, Estádio José Alvalade

Uma humidade relativa, muito superior a 100%
A última grande noite europeia à chuva de que tenho memória, é aquela bonita vitória sobre o Celtic, por 2-0. Hoje ninguém terá que ficar sentado na escada, como eu fiquei, mas espero que quem for ao Estádio saiba dar a este jogo a real importância que ele tem (e não com aquela teoria do Carvalhal de que há vida para lá deste jogo).

A selecção do Mali tem um futebol com perfume selvagem e com um odor realmente fresco…
À semelhança do jogo da primeira mão, o Everton, que chega moralizado por uma vitória, 3-1, frente ao Man United, deverá entrar em campo num 4-2-3-1, com Howard na baliza, Neville, Yobo, Senderos e Baines na defesa, Arteta e Osman como médios centro, Donovan na ala direita, Pienaar à esquerda e Cahill solto atrás de Saha.

Este homem é um Mister
David Moyes, ainda está lixado por ter sofrido aquele golo no jogo da primeira-mão, mas quer repetir a vitória alcançada frente ao Man United.

Ele é excelente nestes lances porque a bola está morta e passa a estar viva
Foi claramente o jogador mais complicado para nós no jogo da primeira-mão: o médio Osman. Impedir que ele embale de trás, passando um, dois, três, quatro jogadores, será meio caminho andado para as coisas correrem bem.

 A vantagem de ter duas pernas!
O jogo de Liverpool confirmou as dificuldades da defesa do Everton em lidar com futebol rente à relva, pelas laterais, principalmente se esses movimentos incluirem a entrada de alguém em diagonal, entre o lateral e o central inglês. Se tivermos capacidade de entrar por aí, em futebol apoiado, causaremos muitos problemas.

E agora entram as danças sevilhanas da Catalunha
Carlos, depois da conferência de imprensa medonha de ontem, peço-te apenas uma coisa: lembra-te que já não está no Marítimo ou no raio que te parta. Deixa-te de merdas com as subtituções, põe o Vuk em campo e diz aos jogadores para ganharem, foda-se! Sim, este jogo é decisivo e, para ti, não há decididamente vida para além desta eliminatória.

Vamos jogar no Totobola
Sporting – Everton  1

Cantinho Zandinga
Sporting – Everton  2-0  (Izmailov 14′; Liedson 63′)

Azul

Dizem que o céu azul nos deixa mais bem dispostos.
Eu digo que o Verão Azul foi uma série do caraças.
E também digo que a minha paixão cega pelo Sporting me faz acreditar que os próximos dois jogos, contra equipas azuis, são ideais para dar uma cor diferente ao tom de chumbo que caracteriza esta época.

p.s. – aqueles senhores que, contra o Benfica, abandoram o estádio após o segundo golo lampião, façam o favor de ficar em casa.